PERCEPÇÃO DOS ACOMPANHANTES SOBRE DISPOSITIVOS INVASIVOS EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA

Maria Juliana de Morais Ferreira, Regina Cláudia Melo Dodt, Adrielle Maia Lima, Daniele Rocha de Farias Marques, Sabrina Magalhães Pedrosa Rocha Pinheiro

Resumo


Objetivo: verificar a percepção dos acompanhantes sobre dispositivos invasivos em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Metodologia: estudo do tipo descritivo com abordagem qualitativa realizado em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica de um hospital de referência em emergência traumato-ortopédico de Fortaleza, com dezessete acompanhantes, no período de julho a agosto de 2016. Utilizou-se para coleta de dados o formulário, analisados por meio da análise de conteúdo. Resultados: foram organizados em três categorias, intituladas caracterização dos acompanhantes participantes da pesquisa, sentimentos de estar acompanhante: ansiedade e medo, e significação dos dispositivos invasivos para o acompanhante. Conclusão: conclui-se que os acompanhantes que receberam informes sobre os dispositivos invasivos souberam identificar e discorrer sobre sua utilidade de forma parcial ou completa. Aqueles que não obtiveram informações sobre os dispositivos apresentaram sentimentos de medo e ansiedade.

Descritores: Assistência Centrada no Paciente, Enfermagem Pediátrica, Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica, Família.

PERCEPTION OF THE COMPANIONS ABOUT INVASIVE DEVICES IN A PEDIATRIC INTENSIVE CARE UNIT

ABSTRACT: Objective: to verify the perception of the companions about invasive devices in Pediatric Intensive Care Unit. Methodology: a descriptive study with a qualitative approach carried out in a Pediatric Intensive Care Unit of a reference hospital in a trauma-orthopedic emergency in Fortaleza, with seventeen caretakers, from July to August 2016. Data collection was used to collect data analyzed through content analysis. Results: were organized in three categories, entitled characterization of accompanying participants of the research, feelings of accompanying: anxiety and fear, and significance of invasive devices for the companion. Conclusion: it was concluded that the companions who received reports on the invasive devices were able to identify and discuss their usefulness partially or completely. Those who did not get information about the devices had feelings of fear and anxiety.

Descriptors: Patient Centered Care, Pediatric Nursing, Pediatric Intensive Care Units, Family.

LA PERCEPCIÓN DE LOS COMPAÑEROS EN LOS DISPOSITIVOS INVASIVOS EN UNIDAD DE CUIDADOS INTENSIVOS PEDIÁTRICOS

Objetivo: verificar la percepción de los acompañantes sobre dispositivos invasivos en Unidad de Terapia Intensiva Pediátrica. Metodología: estudio del tipo descriptivo con abordaje cualitativo realizado en Unidad de Terapia Intensiva Pediátrica de un hospital de referencia en emergencia traumato-ortopédico de Fortaleza, con diecisiete acompañantes, en el período de julio a agosto de 2016. Se utilizó para la recolección de datos. de acuerdo con el análisis de contenido. Resultados: fueron organizados en tres categorías, tituladas caracterización de los acompañantes participantes de la investigación, sentimientos de estar acompañante: ansiedad y miedo, y significación de los dispositivos invasivos para el acompañante. Conclusión: se concluye que los acompañantes que recibieron informes sobre los dispositivos invasivos supieron identificar y discurrir sobre su utilidad de forma parcial o completa. Aquellos que no obtuvieron información sobre los dispositivos presentaron sentimientos de miedo y ansiedad.

Descriptores: Asistencia Centrada en el Paciente, Enfermería Pediátrica, Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica, Familia.


Texto completo:

PDF

Referências


Estatuto da Criança e do Adolescente (BR). Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília:DF; 1991.

Cardoso JMRM, Rodrigues BMR, Pacheco STA, Araújo BBA. Ação intencional do familiar junto da criança em centro de terapia intensiva pediátrico. Rev. Enfermagem UERJ. 2013; 21(esp.1): 600-5.

Santos LM, Oliveira VM , Santana RCB , Fonseca MCC , Neves ES , Santos MCS. Vivências maternas na unidade de terapia intensiva pediátrica. R. pesq.: cuid. fundam. online 2013;. 5(1): 3432-42

Gequelin J ,Fernandes KF , Oliveira GP ,Dyniewicz AM. Percepção de acompanhantes sobre a criança Intubada em uti pediátrica. Cogitare Enferm. 2014; 19(3): 483-90

Denzin, N. K., Lincoln, Y. S. (1994). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage.

Reis LS, Silva EF, Waterkemper R, Lorenzini E, Cecchetto FH. Percepção da equipe de enfermagem sobre humanização em unidade de tratamento intensivo neonatal e pediátrica. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(2):118-124.

Rolim, KMC. “Imaginário de Mães Acerca da Hospitalização do Filho na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.” Enferm Foco [Internet]. 2016 [cited 2018 Jul 30]; 7.1 (2016): 42-4. Available from: http:// http:// revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/664/283

Strasburg AC, Pintanel AC, Gomes GC, Mota MS. Cuidado de enfermagem a crianças hospitalizadas: percepção de mães acompanhantes. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2011; 19(2):262-7.

Faquinello P , Higarashi IH , Sonia Silva Marcon SS. Atendimento humanizado em unidade pediátrica: percepção do acompanhante da criança hospitalizada. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2007; 16(4): 609-16.

Herdman TH, Kamitsuru S. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2015-2017. 10.ed. Porto Alegre: Artmed; 2015




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2018.v9.n2.1031

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.