CONHECIMENTO DE ENFERMEIRAS RESIDENTES ACERCA DAS BOAS PRÁTICAS NA ATENÇÃO AO PARTO

Letícia Bastos Vilela Feijão, Lara Mabelle Milfont Boeckmann, Manuela Costa Melo

Resumo


Objetivo: conhecer as percepções, vivências e experiências de residentes de Enfermagem Obstétrica acerca da humanização da assistência pautada nas boas práticas de atenção ao parto de risco habitual. Metodologia: trata-se de um estudo descritivo e exploratório de abordagem na investigação qualitativa. Os dados foram coletados por meio de entrevistas com 10 residentes de enfermagem obstétrica, no período de maio a agosto de 2016. Utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin para tratamento dos dados. Resultados: evidenciou-se que as participantes conhecem e estimulam as boas práticas durante a assistência fornecida. No entanto, os achados apontam a existência de desafios no cenário prático que necessitam ser superados. Conclusão: as evidências encontradas podem contribuir para reflexões que auxiliem a promoção das boas práticas na atenção obstétrica.

Descritores: Parto, Parto Humanizado, Enfermeiras Obstétricas.

KNOWLEDGE OF RESIDENT NURSES REGARDING GOOD PRACTICES FOR CHILDBIRTH CARE

Objective: to know the understanding and experiences of Obstetric Nursing residents regarding the humanization of care based on good practices of attending to regular risk childbirth. Methodology: this is a descriptive and exploratory study of approach in qualitative research. The data were collected through interviews with 10 residents of obstetric nursing, from May to August 2016. Content analysis by Bardin was used for data treatment. Results: it was shown that the participants were familiar and stimulate the good practices during the assistance provided. However, the findings point to the existence of challenges in the practical scenario that need to be overcome. Conclusion: the evidence found may contribute to reflections that help to promote good practices in obstetric care.

Descriptors: Delivery, Humanizing Delivery, Obstetric Nurses

CONOCIMIENTO DE ENFERMERAS RESIDENTES ACERCA DE LAS BUENAS PRÁCTICAS EN LA ATENCIÓN AL PARTO

Objetivo: conocer las percepciones, vivencias y experiencias de residentes de Enfermería Obstétrica acerca de la humanización de la asistencia pautada en las buenas prácticas de atención al parto de riesgo habitual. Metodología: se trata de un estudio descriptivo y exploratorio de enfoque en la investigación cualitativa. Los datos fueron recolectados por medio de entrevistas con 10 residentes de enfermería obstétrica, en el período de mayo a agosto de 2016. Se utilizó el análisis de contenido de Bardin para tratamiento de los datos. Resultados: se evidenció que las participantes conocen y estimulan las buenas prácticas durante la asistencia suministrada. Sin embargo, los hallazgos apuntan la existencia de desafíos en el escenario práctico que necesitan ser superados. Conclusión: las evidencias encontradas pueden contribuir a reflexiones que ayuden a promover las buenas prácticas en la atención obstétrica.

Descriptores: Parto, Parto Humanizado, Enfermeras Obstetrices.

Texto completo:

PDF

Referências


Fujita JALM, Shimo AKK. Parto humanizado: experiência no Sistema Único de Saúde. Rev Min Enferm. 2014;18(4):1006-10.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Maternidade segura – Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS; 1996.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria n.º 569, de 1 de junho de 2000. Institui o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 8 jun 2000; Seção 1.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria n.º 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) a Rede Cegonha. Diário Oficial da União 27 jun. 2011; Seção 1.

Silva RC, Soares MC, Jardim VMR, Kerber NPC, Meincke SMK. O discurso e a prática do parto humanizado de adolescentes. Rev Texto Contexto Enferm. 2013;22(3):629-36.

Camacho KG, Progianti JM. A transformação da prática obstétrica das enfermeiras na assistência ao parto humanizado. Rev Eletr Enferm. 2013;15(3):648-55.

Velasque EAG, Pradebon VM, Cabral FB. O enfermeiro no processo parir/nascer: estratégia de cuidado e humanização do parto. Rev Enferm UFSM. 2011;1(1):80-7.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria n.º 11, de 07 de janeiro de 2015. Redefine as diretrizes para implantação e habilitação de Centro de Parto Normal, no âmbito do Sistema Único de Saúde, para o atendimento à mulher e ao recém-nascido no momento do parto e do nascimento, em conformidade com o componente parto e nascimento da Rede Cegonha, e dispõe sobre os respectivos incentivos financeiros de investimento, custeio e custeio mensal. Diário Oficial da União, 8 jan 2015; Seção I.

Cardoso JE, Barbosa RHS. O desencontro entre desejo e realidade: a “indústria” da cesariana entre mulheres de camadas médias no Rio de Janeiro. Rev Saúde Colet. 2012;22(1):35-52.

Narchi NZ, Cruz EF, Gonçalves R. O papel das obstetrizes e enfermeiras obstetras na promoção da maternidade segura no Brasil. Cienc Saude Colet. 2013;18(4):1059-68.

Vogt SE, Silva KS, Dias MAB. Comparação de modelos de assistência ao parto em hospitais públicos. Rev Saúde Pública. 2014;48(2):304-13.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 30ª ed. Petrópolis: Vozes; 2011.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. saúde pública. 2008 jan; 24(1): 17-20.

Bardin L. Análise de conteúdo. 5. ed. Brasil: Edições 70; 2009.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care 2007;19(6):349-57. doi: http://intqhc. oxfordjournals. org/content/19/6/349.long

Pereira SS, Oliveira ICMS, Santos JBS, Carvalho MCMP. Parto natural: a atuação do enfermeiro diante da assistência humanizada. Actas de Saude Colet. 2016:10(3):199-213.

Guedes GW, Sousa MNA, Lima TNFA, Lima MNFA, Davim RMB, Costa TS. Conhecimentos de gestantes quanto aos benefícios do parto normal na consulta pré-natal. Rev Enferm UFPE. 2016;10(10):3860-7.

Amorim T, Gualda DMR. Coadjuvante das mudanças no contexto do ensino e da prática da enfermagem obstétrica. Rev Rene. 2011;12(4):833- 40.

Silva U, Fernandes BM, Paes MSL, Souza MD, Duque DAA. O cuidado de enfermagem vivenciado por mulheres durante o parto na perspectiva da humanização. Rev Enferm UFPE. 2016;10(4):1273-9.

Hodnett ED, Gates S, Hofmeyr G, Sakala C. Continuous support for women during childbirth. Cochrane Database Syst Rev. 2011.

Alves MC, Brüggemann OM, Bampi RR, Godinho VG. Apoio a parturiente por acompanhante de sua escolha em uma maternidade escola. Rev Fundam Care. 2013;5(3):153-64.

SRRK, Gualda DMR. A experiência da mulher e de seu acompanhante no parto em uma maternidade pública. Rev Texto Contexto Enferm. 2016;25(1):1-9

Oliveira JDG, Campos TNC, Souza FMLC, Davim RMB, Dantas JC. Percepção de enfermeiros obstetras na assistência a parturiente. Rev Enferm UFPE. 2016;10(10):3868-75.

Diniz CSG. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Cienc Saude Colet. 2005;10(3):627-37.

Pereira ALF, Nicácio MC. Formação e inserção profissional das egressas do curso de residência em enfermagem obstétrica. Rev de Enferm UERJ. 2014;22(1):50-6.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2017.v8.n3.1318

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.