EFICIÊNCIA DE MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA ALÍVIO DA DOR NO TRABALHO DE PARTO NORMAL

Ernandes Gonçalves Dias, Anailde Rosa Miranda Ferreira, Ana Maria Cardoso Martins, Mirlene Maria de Jesus Nunes, Janine Cinara Silveira Alves

Resumo


Objetivo: verificar a percepção das puérperas no pós-parto imediato sobre a eficiência do uso de métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto normal. Metodologia: Pesquisa descritiva, qualitativa, realizada com 40 puérperas na maternidade do Hospital e Maternidade Sagrado Coração de Jesus em Janaúba-MG. Os dados foram coletados entre março e abril de 2016 por meio de entrevista e analisados de acordo Análise do Conteúdo de Bardin. Resultados: o banho de aspersão foi o método mais utilizado, proporcionou alívio e conforto durante o trabalho de parto. Os métodos foram eficazes quanto a sua finalidade e associaram a eles sentimentos de satisfação, relaxamento e tranquilidade. O acompanhante e o profissional de saúde apareceram como estratégia de suporte para efetivação dos métodos usados. Conclusão: evidenciou-se que os métodos não farmacológicos produzem alívio dor durante o trabalho de parto normal e a importância da utilização desses métodos nos períodos pré e trans-parto para prestar assistência humanizada.

Descritores: Trabalho de Parto, Parto Normal, Dor do Parto.

EFFICACY OF NON-PHARMACOLOGICAL METHODS FOR PAIN RELIEF IN LABOR NORMAL OF PARTURITION

Objective: To verify the perception of puerperae in the immediate postpartum period on the efficiency of the use of non-pharmacological methods for pain relief in normal labor. Methodology: This is a descriptive, qualitative study, carried out with 40 puerperae in the maternity hospital and Maternity Sacred Heart of Jesus in Janaúba-MG. The data were collected between March and April of 2016 through interview and analyzed according to the Bardin Content Analysis. Results: The sprinkler bath was the most used method, provided relief and comfort during labor. The methods were effective in their purpose and associated with them feelings of satisfaction, relaxation and tranquility. The companion and the health professional appeared as a support strategy to implement the methods used. Conclusion: It was shown that non-pharmacological methods produce relief during normal labor and the importance of using these methods in the pre- and trans-partum periods to provide humanized assistance.

Descriptors: Labor, Obstetric. Natural Childbirth, Labor Pain

EFICIENCIA DE MÉTODOS NO FARMACOLÓGICOS PARA EL ALIVIO DEL DOLOR EN EL TRABAJO DE PARTO NORMAL

Objetivo: verificar la percepción de las puérperas en el posparto inmediato sobre la eficiencia del uso de métodos no farmacológicos para alivio del dolor en el trabajo de parto normal. Metodología: Se trata de un estudio descriptivo, cualitativo, realizado con 40 puérperas en la maternidad del Hospital y Maternidad Sagrado Corazón de Jesús en Janaúba-MG. Los datos fueron recolectados entre marzo y abril de 2016 por medio de entrevista y analizados de acuerdo Análisis del Contenido de Bardin. Resultados: El baño de aspersión fue el método más utilizado, proporcionó alivio y confort durante el trabajo de parto. Los métodos fueron eficaces en cuanto a su propósito y asociaron a ellos sentimientos de satisfacción, relajación y tranquilidad. El acompañante y el profesional de salud aparecieron como estrategia de soporte para la efectividad de los métodos usados. Conclusión: se evidenció que los métodos no farmacológicos producen alivio dolor durante el trabajo de parto normal y la importancia de la utilización de estos métodos en los períodos pre y trans-parto para prestar asistencia humanizada.

Descriptores: Trabajo de Parto, Parto Normal, Dolor de Parto.


Texto completo:

PDF

Referências


Rabelo LR, Oliveira DL. Percepções de enfermeiras obstétricas sobre sua competência na atenção ao parto normal hospitalar. Rev. Esc. Enferm. USP, 2010; 44(1): 213-20. [acesso: 28 ago. 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080- 62342010000100030.

Santos RAA, Melo MCP, Cruz DD. Trajetória de humanização do parto no Brasil a partir de uma revisão integrativa de literatura. Caderno de Cultura e Ciência, Ano IX, 2015; 13(2) mar. [acesso: 28 ago. 2016]. Disponível em: http://dx.doi. org/10.14295/cad.cult.cienc.v13i2.838.

Ferreira KM, Machado LV, Mesquita MA. Humanização do Parto Normal: uma revisão de literatura. Rev. Saúde em Foco, Teresina, 2014; 1(2): 134-148, ago/dez.

Osório SMB, Silva Júnior LG, Nicolau AIO. Avaliação da efetividade de métodos não farmacológicos no alívio da dor do parto. Rev Rene. 2014; 15(1): 174-84. [acesso: 30 out. 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene. v15i1.3112.

Silva EF, Strapasson MR, Fischer AC. Métodos não Farmacológicos de Alívio da Dor Durante Trabalho de Parto e Parto. Rev. Enferm. Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). 2011; 1(2): 261-271. [acesso: 23 out. 206]. Disponível em: http:// dx.doi.org/10.5902/217976922526.

Santos IS, Okazaki ELFJ. Assistência de Enfermagem ao Parto Humanizado. Rev.Enferm.Unisa. 2012; 13(1): 64-8.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

Montenegro CAB, Rezende Filho J. Obstetrícia fundamental. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

Parada CMGL, Tonete VLP. Experiência da gravidez após os 35 anos de mulheres com baixa renda. Esc. Anna Nery. 2009; 13(2): 385-92.

Leite FMC, Barbosa TKO, Mota JS, Nascimento LCN, Amorim MHC, Primo Caniçali C. Perfil Socioeconômico e Obstétrico de Puérperas Assistidas em uma Maternidade Filantrópica. Cogitare Enferm. 2013; 18(2): 344-50. [Acesso: 12 maio 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v18i2.32584.

Araújo KRS, Calácio IA, Ribeiro JF, Fontenele PM, Morais TV. Perfil sociodemográfico de puérperas em uma maternidade pública de referência do nordeste brasileiro. Revista Eletrônica Gestão &Saúde. 2015; 6(3): 2739-50. [acesso: 19 maio 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v6i3.22411.

Brasil. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento / Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 465p. – (Cadernos HumanizaSUS ; v. 4).

Dodou HD, Rodrigues DP, Guerreiro EM, Guedes MVC, Lago PN, Mesquita NS. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas. Esc. Anna Nery. 2014; 18(2): 262-269. [acesso: 14 out. 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1414- 8145.20140038.

Peixoto CR, Lima TM, Costa CC, Freitas LV, Oliveira AS, Damasceno AKC. Perfil das gestantes atendidas no serviço de pré-natal das unidades básicas de saúde de Fortaleza-CE. Revista Mineira de Enfermagem. UFMG. 2009; 16(2). [acesso: 13 maio 2016]. Disponível em: http://www.dx.doi.org/S1415- 27622012000200004.

Oliveira AS, Rodrigues DP, Guedes MVC. Percepção de Puérperas Acerca do Cuidado de Enfermagem Durante o Trabalho de Parto e Parto. RevEnferm. UERJ. Rio de Janeiro, 2011; 19(2): 249-54, abr./jun.

Medeiros J, Hamad GBNZ, Costa RRO, Chaves AEP, Medeiros SM. Métodos não farmacológicos no alívio da dor de parto: percepção de puérperas. Rev. Espaço Para a Saúde. Londrina. 2015; 16(2): 37-44. [acesso: 26 abr. 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22421/1517-7130.2015v16n2p37.

Gayeski ME, Bruggermann OM. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão sistemática. Texto Contexto Enferm. 2010; 19(4): 774-82. Florianópolis, 2010. [acesso: 11 out. 2016]. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1590/S0104-07072010000400022.

Schlottmann AC, Siqueira LR. Percepção de puérperas sobre os métodos para alivio da dor durante o trabalho de parto. 2011 53f. Trabalho de conclusão de Curso [Graduação em Enfermagem]. Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC. Florianópolis-SC.

Mazoni SR, Faria DGS, Manfredo VA. Hidroterapia durante o trabalho de parto: relato de uma prática segura. Arq Ciênc Saúde. 2009; 16(1): 40-3.

Almeida JM, Acosta LG, Pinhal MG. Conhecimento das puérperas com relação aos métodos não farmacológicos de alívio da dor do parto. Rev Min Enferm. (REME). 2015; 19(3): 711- 717, jul./set. [acesso: 18 jul. 2016]. Disponível em: http://www. dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20150054.

Damasceno DC. A importância do parto humanizado: atenção da equipe de Enfermagem. FACIDER Revista Científica, Colíder, 2015; 7: 13-1.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MCV, Felipe GF, Galiza FT, Monteiro LC. O Acompanhante no Momento do Trabalho de Parto e Parto: percepção de puérperas. CogitareEnferm. 2011; 16(2): 247-53.

Perdomini FRI, Bomilha ALL. A participação do pai como acompanhante da mulher no parto. Texto Contexto Enferm. Florianópolis, 2011; 20(3): 445-52, jul./set. [acesso: 28 ago. 2016]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104- 07072011000300004.

Amorim ATC, Araújo VKS, Severiano RCC, Davim RMB. Estratégias utilizadas no processo de humanização ao trabalho de parto: uma revisão. Saúde Coletiva. 2012; 9(56): 61-66 61.

Monte NL, Gomes JS, Amorim LMA. A percepção das puérperas quanto ao parto humanizado em uma maternidade pública de Teresina-PI. Revista Interdisciplinar NOVAFAPI. 2011; 4(3): 20-24.

Feijão LBV, Boeckmann LMM, Melo MC. Conhecimento de Enfermeiras Residentes Acerca das Boas Práticas na Atenção ao Parto. Enferm. Foco 2017; 8(3): 35-39. [acesso: 17 abr. 2018]. Disponível em: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2017. v8.n3.1318.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2018.v9.n2.1398

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.