Jornada de 30 horas semanais: condição necessária para assistência de enfermagem segura e de qualidade

Denise Pires, Maria Goretti David Lopes, Manoel Carlos Neri da Silva, Jorge Lorenzetti, Simone Aparecida Peruzzo, Helga Regina Bresciani

Resumo


Este ensaio tem como objetivo resgatar justificativas técnico-políticas do movimento da enfermagem brasileira pela regulamentação da jornada de trabalho. Articula a teoria sociológica sobre profissão e trabalho com argumentos da prática assistencial, das políticas de saúde e da luta por condições de trabalho. Argumenta que a jornada de 30 horas é fundamental para fortalecer a enfermagem como profissão da saúde e condição necessária para a prestação de cuidados seguros e de qualidade. Conclui que a enfermagem tem significativa responsabilidade na assistência em saúde, o que requer condições de trabalho e conhecimentos científicos adequados para uma prática orientada por ideais de justiça social e direito à vida.

Descritores: Enfermagem, Trabalho, Jornada de Trabalho, Condições de Trabalho, Profissão.

30-hours work per week: necessary condition for a qualified and safe nursing care services

The objective of this essay is to present technical-political justifications of the Brazilian nursing movement towards regulating its workday. It articulates sociological theory concerning profession and labour with arguments about nursing practice, health care policies, and struggle for working conditions. We plead that a 30 hours workweek is fundamental to strengthen the nursing as health care profession and it is a necessary condition for a safe and qualified care. It concludes that nursing has significant responsibility in health care and requires adequate work conditions and scientific knowledge towards a practice guided by the values of social justice and the right to life.

Descriptors: Nursing, Work, Work Hours, Working Conditions, Profession.

Jornada de trabajo de 30 horas por semana: condición necesaria para una atención de enfermería segura y de calidad

El objetivo del presente ensayo es rescatar las justificaciones tecnicas y políticas del movimiento de la enfermería brasileña para la regulación de la jornada de trabajo. Se articula la teoría sociologica sobre profesión y trabajo con argumentos de la práctica asistencial, las políticas de salud y la lucha por las condiciones de trabajo. Se argumenta que la jornada de trabajo de 30 horas es fundamental para fortalecer la enfermería como profesión de la salud y para la prestación de una atención segura y de calidad. Se concluye que la enfermería tiene una responsabilidad importante en la atención de salud que requiere condiciones de trabajo y el conocimiento científico adecuado a la práctica guiada por ideales de justicia social y de derecho a la vida.

Descriptores: Enfermería, Trabajo, Horas de Trabajo, Condiciones de Trabajo, Profesión.

Texto completo:

PDF

Referências


Machado MH. Profissões de saúde: uma abordagem sociológica. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1995.

Machado MH, Rego S. Essencialidade da profissão médica e serviços de saúde [Internet]. [citado em 2010 Jun 15]. Disponível em: http://www.fundap.sp.gov.br/publicacoes/cadernos/cad19/Fundap19/ESSENCIALIDADE DA PROFISSAO MEDICA E SERVICOS DE SAUDE.pdf.

Durand JCG. A serviço da coletividade: crítica à sociologia das profissões. Rev Adm Pública. 1975.

Pires D. A enfermagem enquanto disciplina, profissão e trabalho. Rev Bras Enferm. 2009;62(5):739-44.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.

Fourez G. A construção das ciências: introdução à filosofia e a ética das ciências. São Paulo: Unesp; 1995.

Pires D. Hegemonia médica na saúde e a enfermagem. São Paulo: Cortez; 1989.

Pires D. Reestruturação produtiva e trabalho em saúde no Brasil. 2ª ed. São Paulo: AnnaBlume/CNTSS; 2008.

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Relação Anual de Informações Sociais/Rais. Brasília: Ministério do Trabalho; 2008.

Public Services International Sub Regional Brasil. Ao Congresso Nacional: 30 horas já! São Paulo; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Nota técnica 334/2010. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Nascimento GM. Estudo do absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem em uma unidade básica e distrital de saúde do município de Ribeirão Preto, SP [dissertação]. Ribeirão Preto: EERP-USP; 2003.

Silva DMPP, Marziale MHP. Absenteísmo de trabalhadores de enfermagem em um hospital universitário. Rev Latinoam Enferm. 2000;8(5):44-51.

Faria AC, Barboza DB, Domingos NAM. Absenteísmo por transtornos mentais na enfermagem no período de 1995 a 2004. Arq Ciênc Saúde. 2005;12(1):14-20.

Presidência da República (BR). Casa Civil. Emenda Constitucional nº 34 de 13 de dezembro de 2001. Brasília: Casa Civil; 2001.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 648/2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Escritório Regional do Distrito Federal. A redução da jornada de trabalho dos profissionais de enfermagem. Brasília: Dieese; 2010.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2010.v1.n3.182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.