OS ERROS DE MEDICAÇÃO E OS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS A SUA PRESCRIÇÃO

Ana Fabíola Rebouças de Souza, Johny Carlos de Queiroz, Alcivan Nunes Vieira, Lilian Grace da Silva Solon, Érica Louise de Souza Fernandes Bezerra

Resumo


Objetivo: identificar e analisar os fatores de risco relacionados aos erros de medicação presentes nas prescrições de medicamentos. Método: estudo transversal de abordagem quantitativa realizado com prescrições de medicamentos em Clínica Médica. Os dados foram coletados em formulário estruturado por tópicos: informações relacionadas à prescrição e informações relacionadas ao paciente. Resultados: as prescrições foram classificadas em: manuscrita, legível (49,40%), cujos dados estavam “totalmente legíveis” (86,35%), “Legíveis em parte” (41,13%) ou “Não legíveis” (4,06%). 54,61% das prescrições continham o nome do medicamento totalmente legível enquanto que as classificações “Legível em parte” e “Não legível” apresentaram os respectivos percentuais de 41,33% e 4,06%. Em 99,26% dos registros houve o uso de siglas e/ou abreviaturas. Conclusão: os fatores de risco relacionados ao erro de medicação referem-se também com a qualidade técnica da prescrição. Dados ilegíveis e incompletos comprometem a administração do medicamento e, consequentemente, a observância dos princípios de segurança do paciente.


Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Pacientes pela segurança do paciente em serviços de saúde: Como posso contribuir para aumentar a segurança do paciente? Orientações aos pacientes, familiares e acompanhantes/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: ANVISA, 2017.

Souza MJ, Real DSS, Cunha ICKO, Bohomol E. Práticas seguras para administração de medicamentos: construção e validação de instrumento. Enferm. Foco. 2018 Abr [Acesso 2018 mai 11]; 8(4): 20-25. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem /article/view/973.

Cousins DH, Gerrett D, Warner B. A review of medication incidents reported to the National Reporting and Learning System in England and Wales over 6 years (2005-2010). Br J Clin Pharmacol. 2012 Oct; 74(4):597-604.

Lisby M, Nielsen LP, Brock B, Mainz J. How are medication errors dened? A systematic literature review of denitions and characteristics. International Journal for Quality in Health Care. 2010 [Acesso 2018 Mar 04]; 22(6):507-518. Disponivel em: http://intqhc.oxfordjournals.org/content/22/6/507.full.pdf+html.

Jacobsen TF, Mussi MM, Silveira MPT. Analysis of prescription errors in a hospital of southern Brazil. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde. 2015 jul-set. [Acesso 2018 Fev 28]; 6(3):23-6. Disponível em: www.sbrafh.org.br/rbfhss/public/artigos/2015060304000800br.

pdf.

Care in the administration of medicines: the responsabilities of nursing professionals. Rev enferm UFPE on line. 2017 Fev [Acesso em 2018 Abr 30];11 (Supl. 2): 950-8. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/13464.

Pereira CDFD, Tourinho FSV, Santos VEP. Segurança do paciente: avaliação do sistema de medicação por enfermeiros utilizando análise fotográfica. Enferm. Foco. 2016 Abr [Acesso 2018 Mar 19]; 7(1): 76-80. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enferma gem/article/view/672.

Bifftu BB, Dachew BA, Tiruneh BT, Beshah DT. Medication administration error reporting and associated factors among nurses working at the University of Gondar referral hospital, Northwest Ethiopia, 2015. BMC Nursing. 2016 [Acesso 2018 Jun 19];15(43):1-7. Disponível em: http://bmcnurs.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12912-016-0165-3.

Volpe CRG, Melo EMM, Aguiar LB, Pinho DLM, Stiva MM. Fatores de risco para erros de medicação na prescrição eletrônica e manual. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016 Ago [Acesso 2018 Jun 22];24:e2742. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/pt_0104-1169-rlae-24-02742.pdf.

MANIAS, E. Effects of interdisciplinary collaboration in hospitals on medication errors: an integrative review. Expert Opinion on Drug Safety 2018 [Acesso 2018 Jun 25]; 17:3. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14740338.2018.1424830?jour nalCode=ieds20.

Madruga CMD, Souza ESM. Manual de orientações básicas para prescrição médica. 2ª ed. rev. ampl. Brasília: CRM-PB/CFM, 2011.

COFEN. Resolução COFEN Nº 0564/2017 de 6 de novembro de 2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/ resolucao-cofen-no-5642017_59145.html.

COFEN. Resolução COFEN Nº 487/2015. Veda aos profissionais de Enfermagem o cumprimento da prescrição médica a distância e a execução da prescrição médica fora da validade. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-4872015_33939.html

Fuchs FD, Wannmacher L. Farmacologia Clínica e Terapêutica; 5ª Ed. Rio de Guanabara Koogan 2017.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.1900

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.