Avaliação clínica pelo Protocolo de Segurança para o Manejo da Sede no pós-operatório imediato

Carla Regina Lodi de Mello, Abigail Dias Rodrigues, Marília Ferrari Conchon, Isadora Pierotti, Lígia Fahl Fonseca, Leonel Alves do Nascimento

Resumo


Objetivo: Avaliar a taxa, motivos e momento de aprovação no Protocolo de Segurança para o Manejo da Sede no Pós-operatório Imediato na primeira hora de recuperação anestésica. Metodologia: Estudo descritivo, transversal, quantitativo, realizado em um hospital filantrópico de ensino no Sul do Brasil. Resultados: Amostra não probabilística de 98 pacientes, sendo 81 avaliados pelo Protocolo nos cinco momentos de aplicação. O tempo de jejum de líquidos no pré-operatório apresentou mediana de 11:37 horas (1Q 8:56-3Q 13:45). A prevalência de sede foi de 81,6% (n=80) e intensidade média de 5,6 (DP 3,1). O percentual de aprovações na avaliação do Protocolo aumentou gradativamente conforme os momentos de aplicação (35,8%, 49,4%, 60,5%, 71,6%, 71,6%). O critério com maior índice de reprovações foi o nível de consciência. Conclusão: Após 30 minutos de recuperação anestésica, 60,5% dos pacientes estavam aptos a receber estratégias de alívio da sede de forma segura.

 

Palavras-chave: Sede; Cuidados Pós-operatórios; Enfermagem Perioperatória; Protocolos Clínicos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Aloamaka, EO, Amabebe E, Ozoene JO, Obika LFO. Thirst perception, drinking, arginine vasopressin activity and associated neurohumoral factors. J J. Afr. Ass. Physiol. Sci. 2018; v. 6, n. 1, p. 1–13.

Stevenson RJ, Mahmut M, Rooney K. Individual differences in the interoceptive states of hunger, fullness and thirst. Appetite. 2015 dez; v. 95, p. 44–57.

Conchon MF, Nascimento LA do, Fonseca LF, Aroni P. Perioperative thirst: an analysis from the perspective of the Symptom Management Theory. Rev Esc Enferm USP. 2015; v. 49, n. 1, p. 122–128.

Conchon MF, Fonseca LF. Efficacy of an Ice Popsicle on Thirst Management in the Immediate Postoperative Period: A Randomized Clinical Trial. J Perianesth Nurs. 2018 abr; v. 33, n. 2, p. 153–161.

Aroni P, Nascimento LA, Fonseca LF. Assessment strategies for the management of thirst in the post-anesthetic recovery room. Acta Paul Enferm. 2012; v. 25, n. 4, p. 530–536.

Pierotti, I, Fracarolli IFL, Fonseca LF, Aroni P. Evaluation of the intensity and discomfort of perioperative thirst. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2018 mai 21; v. 22, n. 3.

Riviera AA . Prevalência e intensidade da sede infantil no pós-operatório imediato [dissertação]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina - UEL; 2016.

Martins PR, Fonseca LF. Avaliação das dimensões da sede: revisão integrativa. Rev Eletr Enf [periódico online]; 2017; 1518-1944. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v19.40288.

Garcia AKA, Lodi CR, Fonseca LF. O Silêncio que permeia a sede perioperatória: um estudo de caso. In: Encontro Internacional de Produção Científica, 2017; Maringá. Anais X EPCC UNICESUMAR. Centro Universitário de Maringá. Maringá: Galoa, 2017. v. 1. p. 1-8.

Nascimento LA do, Fonseca LF, Santos CB dos. Inter-rater Reliability Testing of the Safety Protocol for Thirst Management. J Perianesth Nurs. 2018; v. 33, n. 4, p. 527–536.

Nascimento LA do, Fonseca LF, Rosseto EG, Santos CB dos. Development of a safety protocol for management thirst in the immediate postoperative period. Rev Esc Enferm USP. 2014 out; v. 48, n. 5, p. 834–43.

Bisinotto FMB, Silveira LAM da; Martins LB. Aspiração pulmonar em anestesia: revisão. Rev Med. Minas Gerais. 2014.

Garcia AKA, Fonseca LF, Aroni P, Galvão CM. Strategies for thirst relief: integrative literature review. Rev Bras Enferm. 2016 dez; v.69, n.6, p. 1215-1222.

Eccles A. The complexities of technology-based care: telecare as perceived by care practitioners. Issues in Social Science. 2013; 1 (1). 2013. pp. 1-20.

Francisco, SC, Batista ST, Pena GG das. Jejum em Pacientes Cirúrgicos Eletivos: Comparação entre o tempo Prescrito, Praticado e o Indicado em Protocolos de Cuidados Perioperatórios. ABCD Arq Bras Cir Dig. 2015; 28(4):250-254.

Njoroge G, Kivuti-Bitok L, Kimani S. Preoperative Fasting among Adult Patients for Elective Surgery in a Kenyan Referral Hospital. International Scholarly Research Notices. 2017; v. 2, p. 1–8.

Yin X, Ye L, Zhao L, Li L, Song J. Early versus delayed postoperative oral hydration after general anesthesia: A prospective randomized trial. Int J Clin Exp Med. 2014; v. 7, n. 10, p. 3491–3496.

Silva RPJ, Rampazzo, ARP, Nascimento LA do, Fonseca LF. Desconfortos esperados e vivenciados por pacientes no pós-operatório imediato. Rev baiana enferm. 2018; 32: e26070.

Gebremedhn EG, Nagaratnam VB. Audit on preoperative fasting of elective surgical patients in an African academic medical center. World J Surg Proced. 2014; v. 38, n. 9, p. 2200–2204.

Azevedo SCL de, Campos SBG, Meira JEC de, Guedes G da S. Abreviação do jejum pré-operatório: protocolo multimodal baseado em evidência. Gep News, Maceió. 2017 jul/set; v.1, n.3, p.11-13.

American Society of Anesthesiologistis Committee. Collaborators. Practice Guidelines for Preoperative Fasting and the Use of Pharmacologic Agents to Reduce the Risk of Pulmonary Aspiration. Anesthesiology. 2017 mar; v. 126, n. 3, p. 376–393.

Gul A, Andosoy II, Ozkaya B. Preoperative Fasting and Patients’ Discomfort. Indian J Surg; 2017.

Iwanczuk W, Guzniczak P. Neurophysiological foundations of sleep, arousal, awareness and consciousness phenomena. Part 1. Anaesthesiol Intensive Ther; 2015; 47: 162-167.

Tagliari SO, Nascimento LA, Fonseca LF. Protocolo de segurança de manejo da sede: associação dos critérios de segurança não atingidos com a periodicidade de sua aplicação. IX EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica UniCesumar; 2015, n. 9, p. 4-8 ISBN 978-85-8084-996-7.

Veiga-Gil J, Pueyo L, López-Olaondo L. Náuseas y vómitos postoperatorios: fisiopatología, factores de riesgo, profilaxis y tratamento. Rev Esp Anestesiol Reanim; 2017; 64(4):223-232.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2209

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.