CONTRIBUIÇÕES DA ENFERMAGEM OBSTÉTRICA PARA AS BOAS PRÁTICAS NO TRABALHO DE PARTO E PARTO VAGINAL

Taynara Cassimiro de Moura Alves, Amanda Santos Fernandes Coelho, Marília Cordeiro de Sousa, Nayara Franklin Cesar, Priscila Salomão da Silva, Leonora Rezende Pacheco

Resumo


Objetivo: analisar as contribuições da enfermagem obstétrica para as boas práticas no trabalho de parto e parto vaginal. Metodologia: estudo transversal, quantitativo, retrospectivo, envolvendo 475 prontuários de mulheres com gestação de risco habitual, do estado de Goiás, no período de janeiro a dezembro de 2016. Análise com testes de qui-quadrado de Yates e Exato de Fisher. Resultados: houve associação entre os partos sem os enfermeiros residentes em obstétrica e a não utilização dos métodos não farmacológicos para alívio da dor (p<0.0000001), não utilização do partograma (p<0.0000001), ausência de acompanhante no parto (p<0.0000001), clampeamento precoce do cordão umbilical (p=0.00004323), e a privação da amamentação na primeira hora (p=0.0001509). Já os partos assistidos por enfermeiros residentes em obstetrícia associaram-se à não realização da episiotomia (p<0.0000001). Conclusão: enfatiza-se a importância da atuação da Enfermagem Obstétrica no parto para garantir assistência humanizada e boas práticas.

Descritores:parto normal, parto humanizado, enfermagem obstétrica, assistência perinatal.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Silva FL, Souza ALS, Leite-Salgueiro CDB, Barbosa LS, Lobato L, Pereira JS. O protagonismo do enfermeiro na Política Nacional de Humanização do Parto e do Nascimento e com vistas a erradicação de abuso e violência obstétrica. Id on Line Rev. Mult. Psic. [internet], 2018 [acesso em 21 jan 2019]; 12(41):1068-1082. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1265/1874.

World Health Organization. Care in normal birth: A practical guide. Birth Issues in Perinatal Care [internet] 1997 [acesso em 23 jan 2019];24(2):121-123. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9271979.

Ministério da Saúde (BR). Programa de humanização no pré-natal e nascimento. Braília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/parto.pdf. [Acesso em: 23 jan 2019].

Ministério da Saúde (BR). Cadernos HumanizaSUS: Humanização do parto e do nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf. [Acesso em: 23 jan 2019].

Duarte MR, Alves VH, Rodrigues DP, Souza KV, Pereira AV, Pimentel MM. Tecnologias do cuidado na enfermagem obstétrica: contribuição para o parto e nascimento. Cogitare enferm. [internet], 2019 [acesso em 21 jan 2019]; 24(e54164):1-11. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/ ce.v24i0.54164.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011 [Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. [Acesso em: 11 nov 2018].

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução nº 0516/2016. Brasília: Conselho Federal de Enfermagem; 2016. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html. [Acesso em: 11 nov 2018].

Ministério da Saúde (BR). Gestação de Alto Risco: Manual técnico. 5ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf. [Acesso em: 23 jan 2019].

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº. 466, de 12 de dezembro de 2012 [Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. [Acesso em: 11 nov 2018].

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (BR). Diretrizes nacionais de assistência ao parto: Relatório de recomendação. Brasília: Ministério da Saúde (211); 2017. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/2016/Relatorio_Diretriz-PartoNormal_CP.pdf. [Acesso em: 23 jan 2018].

World Health Organization. Who recommendations: Intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018. Disponível em: https://www.who.int/reproductivehealth/publications/intrapartum-care-guidelines/en/. [Acesso em: 23 jan 2019].

Reis CSC, Souza DOM, Nogueira MFH, Progianti JM, Vargens OMC. Análise de partos acompanhados por enfermeiras obstétricas na perspectiva da humanização do parto e nascimento. J. res.: fundam. care. online [internet], 2016 [acesso em 23 jan 2019]; 8(4):4972-4979. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3966/pdf_1.

Hanum SP, Mattos DV, Matão MEL, Martins CA. Estratégias não farmacológicas para o alívio da dor no trabalho de parto: efetividade sob a ótica da parturiente. Rev enferm UFPE on line [internet], 2019 [acesso em 21 jan 2019]; 11(8):3303-3309. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/110197/22089.

Dias EG, Ferreira ARM, Martins AMC, Jesus MM, Alves JCS. Eficiência de métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto normal. Enferm. Foco [internet], 2018 [acesso em 21 jan 2019]; 9(2):35-39. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1398/442.

Vogt SE, Silva KS, Dias MAB. Comparação de modelos de assistência ao parto em hospitais públicos. Rev Saúde Pública [internet] 2014 [acesso em 23 jan 2019];48(2):304-313. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102014000200304&script=sci_abstract&tlng=pt.

Alexandre DFSN, Mamede FV, Pudêncio PS. O uso do partograma por profissionais de enfermagem durante o trabalho de parto. Enfermagem Obstétrica [internet], 2016 [acesso em 21 jan 2019]; 3(34):1-6. Disponível em: http://www.enfo.com.br/ojs/index.php/EnfObst/article/view/34/33.

Santos ECP, Lima MR, Conceição LL, Tavares CS, Guimarães AMDN. Conhecimento e aplicação do direito do acompanhante na gestação e parto. Enferm. foco [internet] 2016 [acesso em 23 jan 2019]; 7(3/4):61-65. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/918.

Vitral GLN, Reis ZSN, Gaspar JS, Souza IMF, Aguiar RALP. Clampeamento oportuno de cordão umbilical e suas repercussões na concentração de hemoglobina neonatal. SaBios [internet] 2017 [acesso em 15 fev 2019]; 11(3):35-41. Disponível em: http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/sabios2/article/view/2062/968.

World Health Organization. Guideline: delayed umbilical cord clamping for improved maternal and infant health and nutrition outcomes. Geneva: World Health Organization; 2014. Disponível em: https://www.who.int/nutrition/publications/guidelines/cord_clamping/en/. [Acesso em: 23 jan 2019].

Andersson O, Hellström-Westas L, Domellöf M. Elective caesarean: does delay in cord clamping for 30 s ensure sufficient iron stores at 4 months of age? A historical cohort control study. BMJ Open [internet], 2016 [acesso em 21 jan 2019]; 6(11):1-9. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5129052/.

Sociedade Brasileira de Pediatria (BR). Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria 26 de janeiro de 2016. São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria; 2016. Disponível em: http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/DiretrizesSBPReanimacaoRNMaior34semanas26jan2016.pdf. [Acesso em: 15 jan 2019].

Antunes MB, Demitto MO, Soares LG, Radovanovic CAT, Higarashi IH, Ichisato SMT et al. Amamentação na primeira hora de vida: conhecimento e prática da equipe multiprofissional. Ave. Enferm. [internet], 2017 [acesso em 21 jan 2019]; 35(1):19-29. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aven/v35n1/v35n1a03.pdf.

Silva JLP, Linhares FMP, Barros AA, Souza AG, Alves DS, Andrade PON. Fatores associados ao aleitamento materno na primeira hora de vida em um Hospital Amigo da Criança. Texto Contexto Enferm [internet], 2018 [acesso em 15 fev 2019]; 27(4):1-10. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v27n4/0104-0707-tce-27-04-e4190017.pdf.

Ramos WMA, Aguiar, BGC, Conrad D, Pinto CB, Mussumeci, PA. Contribuição da enfermeira obstétrica nas boas práticas da assistência ao parto e nascimento. J. res.: fundam. care. online [internet], 2018 [acesso em 23 jan 2019]; 10(1):173-179. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6019/pdf.

Jiang H, Qian X, Carroli G, Garner P. Selective versus routine use of episiotomy for vaginal birth: Review. Cochrane Database Syst Ver [internet], 2017 [acesso em 21 jan 2019]; 2(2):1-77. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD000081.pub3/full.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2210

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.