Avaliação da estrutura da atenção primária à saúde na atenção à hanseníase

Thiaskara Ramile Caldas Leite, Maria Do Socorro Vieira Lopes, Evanira Rodrigues Maia, Edilma Gomes Rocha Cavalcante

Resumo


Objetivo: avaliar a estrutura das Unidades Básicas de Saúde quanto aos recursos materiais, medicamentos e insumos na atenção à hanseníase. Método: estudo realizado em 45 UBS de um município da Região Metropolitana do Cariri, Ceará. Foi aplicado formulário, tipo checklist dividido nos blocos: recursos materiais, medicamentos, insumos e materiais educativos. Resultados: materiais específicos para avaliação dos pacientes com hanseníase como fio dental sem sabor e Monofilamentos de Semmes-Weinstein não estão disponíveis em todas as UBS. Quanto aos impressos, em 98% das UBS havia ficha de notificação/ investigação de hanseníase. Sobre os medicamentos para o tratamento, as unidades possuíam apenas esquemas terapêuticos para adultos e a vacina BCG não estava disponível em 62% das UBS.  Conclusão: constatou-se que as UBS avaliadas ainda possuem insuficiência de recursos materiais e insumos, fragilizando o serviço oferecido pela Atenção Primária aos usuários.


Texto completo:

PDF

Referências


Dominguez B. Problema Persistente: Prevalência cai, mas o Brasil é o único do mundo que não conseguiu eliminar a propagação da doença. RADIS. 2015; 150: 24-6.

Organização Mundial de Saúde. Weekly Epidemiological Record. 2016 [cited 2017 sep 10]. 91(35): 405-20. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/249601/WER9135.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Ministério da Saúde. Sala de Apoio à Gestão Estratégica. Situação de Saúde: Hanseníase. Brasília (DF): 2017. [cited 2017 feb 02]. Available from: http://sage.saude.gov.br/#

Ministério da Saúde. Portaria Nº 149, de 3 de fevereiro de 2016. Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Eliminação da Hanseníase como Problema de Saúde Pública, com a finalidade de orientar os gestores e os profissionais dos serviços de saúde. Brasília (DF): 2016.

Ministério da Saúde. Portaria nº 594, de 29 de outubro de 2010. Brasília (DF): 2010. [cited 2016 nov 23]. Available from: http://www.credesh.ufu.br/sites/credesh.hc.ufu.br/arquivos/portaria%20594%20de%2029-11-2010.pdf

Moura LMA, Pereira MA, Veloso LC Estratégias utilizadas pelos serviços de saúde na detecção precoce da hanseníase: uma revisão integrativa. Saúde Foco. 2015; 2(1); 130-50.

Lanza FM, Lana FCF. O processo de trabalho em hanseníase: tecnologias e atuação da equipe de saúde da família. Texto & contexto enferm. 2011; 20: 238-46.

Ministério da Saúde. Portal do Departamento de Atenção Básica. Histórico de Cobertura da Saúde da Família. Brasília (DF), 2017. [cited 2017 feb 03]. Available from: http://dab.saude.gov.br/dab/historico_cobertura_sf/historico_cobertura_sf_relatorio.php

Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Atenção Básica - 2. ed. rev. – Brasília (DF): 2008.

Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [recurso eletrônico] – Brasília (DF): 2016.

Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília (DF): 2017.

Sena IVO. Qualidade da atenção à hanseníase na rede pública de saúde em município hiperendêmico no nordeste brasileiro [dissertação]. Teresina (PI): Universidade Federal do Piauí; 2016.

Sousa GS, Silva RLF, Xavier MB. Hanseníase e Atenção Primária à Saúde: uma avaliação de estrutura do programa. Saúde debate. 2017; 41(112): 230-42.

CEARÁ. Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde/Núcleo de Vigilância Epidemiológica. Informe epidemiológico Hanseníase. Fortaleza (CE): 2017.

Lana FCF, Lanza FM, Carvalho APM, Tavares APN. O estigma em hanseníase e sua relação com as ações de controle. Rev. enferm. UFSM. 2014; 4(3):556-65.

Lopes FN, Lana FCF. Participação popular no controle da hanseníase: um desafio para o serviço de saúde. Rev. enferm. UERJ. 2015; 23(2): 235-40.

Pinheiro MGC, Silva SYB, Silva FS, Ataide CAV, Lima IB, Simpson CA. Conhecimento sobre prevenção de incapacidades em um grupo de autocuidado em hanseníase. REME rev. min. enferm. 2014; 18(4): 895-900.

Leal DR, Cazarin G, Bezerra LCA, Albuquerque AC, Felisberto E. Programa de Controle da Hanseníase: uma avaliação da implantação no nível distrital. Saúde debate. 2017; 41(1): 209-28.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2216

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.