SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA ANÁLISE DO APRAZAMENTO DE MEDICAMENTOS

Mary Ane Lessa Etelvino, Noemi Duque dos Santos, Beatriz Gerbassi Costa Aguiar, Tamyris Garcia de Assis

Resumo


Objetivo: Analisar o aprazamento de medicamentos por enfermeiros no que se refere à ocorrência de potenciais interações medicamentosas. Metodologia: Estudo descritivo, retrospectivo, com análise documental e abordagem quantitativa. Resultados: Foram analisadas 62 prescrições medicamentosas e identificados 39 sub-grupos de medicamentos. Os medicamentos mais prevalentes foram os diuréticos, seguidos pelos anti-hipertensivos e beta-bloqueadores. Identificou-se 729 doses de medicamentos e 446 medicamentos em 62 prescrições analisadas. A média de doses por prescrição foi de 11,7 e a média de medicamentos por prescrição foi de 7.1. Foram identificadas 52 potenciais interações medicamentosas, de acordo com a biblioteca de fármacos Medscape Drug Interaction Checker®. Conclusão: Ocorreram potenciais interações medicamentosas decorrentes do aprazamento de medicamentos. No entanto, está prática pode ser uma importante barreira em prol da segurança do paciente, quando aliada ao conhecimento científico do profissional, equipe multidisciplinar e tecnologia efetiva que dê suporte a uma prática mais segura.


Texto completo:

PDF

Referências


- Organização Mundial de Saúde (OMS). Estrutura conceitual da Classificação Internacional sobre Segurança do Doente. Relatório Técnico Final. Direção Geral da Saúde. 2011. 142p.

- Azevêdo O, Silva CMB, Araújo LJDP, Oliveira E, Fernandes MICD, Lira ALBC. Dificuldades vivenciadas por técnicos de enfermagem no preparo de medicamentos. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2014, v. 15, n.4, p.585-59.

- Karam MA, Ferreira RA, Souza DG. Segurança do paciente: O enfermeiro diante do aprazamento das prescrições. Revista Rede de Cuidados em Saúde. 2014, v. 8, n. 3, p. 1-14.

- Waltemberg MS, Dodt RCM, Carvalho REFL, Nogueira AO, Fariais LGO, Chaves EMC. Implicações dos aprazamentos de antibacterianos em recém-nascidos na prática clínica do enfermeiro. Rev Rene. 2015, v.16, n. 6, 809-816.

- Garske CCD, Brixner B, Freitas AP, Schneider APH. Avaliação das interações medicamentosas potenciais em prescrições de pacientes em unidade de terapia intensiva. Revista Saúde e Pesquisa. 2016, v. 9, n. 3, p. 483-490.

- Brasil. Resolução Cofen nº 0545 de 09 de maio de 2017. Estabelece Anotação de Enfermagem e mudança nas siglas das categorias profissionais. Conselho Federal de Enfermagem. Brasília – DF, 2017.

– Pereira FGF, Melo GAA, Neto NMG, Carvalho REFL, Néri EDR, Caetano JÁ. Interações medicamentosas induzidas pelo aprazamento e os erros no preparo de antibacterianos. Rev Rene. 2018, v.19, n.e3322, p.1-8.

– Brasil. Segurança do Paciente. Protocolo de Segurança na Prescrição, uso e Administração de Medicamentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Brasília, 2013.

- World Health Organization (WHO). Anatomic Therapeutic and Chimical Classification of Drugs. 2003

- Ribeiro, GSR, Almeida LF, Henrique DM, Camerini FG, Pereira LMV, Macedo. Análise do aprazamento de enfermagem em uma UTI: foco na segurança do paciente. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 2018, v. 10, n. 2, p. 510-515.

- Silva LD, Matos GC, Barreto BG, Albuquerque DC. Aprazamento de medicamentos por enfermeiros em prescrições de hospital sentinela. Texto contexto - enferm. [Internet]. 2013, v. 22, n. 3, p. 722-730.

- Piedade DV, Silva LAF, Lemos GS, Júnior GLV, Lemos LB. Interações medicamentosas potenciais em prescrições medicamentosas contendo antimicrobianos de uso restrito, de pacientes internados em um hospital no interior da Bahia. Medicina (Ribeirão Preto).2015, v. 48, n. 3, p. 295-307.

- Cedraz KN, Junior MCdosS. Identificação e caracterização de interações medicamentosas em prescrições médicas da unidade de terapia intensiva de um hospital público da cidade de Feira de Santana, BA. Rev Soc Bras Clin Med.2014, v.12, n. 2, p. xx-xx.

- Silveira EA, Dalastra L, Pagotto V. Polifarmácia, doenças crônicas e marcadores nutricionais em idosos. REV BRAS EPIDEMIOL. 2014, v.17, n.4, p. 818-829.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Brasil, RJ, 2014.

- Amorim FDB, Flores PVP, Bosco PS, Menezes AHB, Alóchio KV. O aprazamento de medicamentos pautado na segurança do paciente: um alerta para prática de enfermagem. Rev enferm UFPE on line.2014, v. 8, n. 1, p. 224-228.

– Alvim MM, Silva LAda, Leite ICG, Silvério MS. Eventos adversos por interações medicamentosas potenciais em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino. Rev. bras. ter. intensiva [Internet].2015, v. 27, n. 4, p. 353-359.

– Paula GHO, Pereira F, Pacoola MT, Junior AdaCM, Costa EMOD. Interações medicamentosas potencias em unidades de terapia intensiva de um hospital do Sul do Brasil. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde.2014, v. 35, n. 2, p. 21-30.

- Camerini FG, Silva LD; Mira, AJM. Ações de enfermagem para administração segura de medicamentos: uma revisão integrativa. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra. 2014, v. 6, n. 4, 1655-1665.

– Queiroz KCBde, Nascimento MFdaS, Fernandes V, Miotto FA. Análise de Interações Medicamentosas Identificadas em Prescrições da UTI Neonatal da ICU-HGU. Cient Ciênc Biol Saúde.2014, v.16, n. 3, p. 203-207.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.