CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA NA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

Ângela Beatriz de Castro Lima, Bruno Henrique Fiorin, Walckiria Garcia Romero, Andressa Bolsoni Lopes, Lorena Barros Furieri, Eliane de Fátima Almeida Lima, Mirian Fioresi

Resumo


Objetivo: Construir e validar um questionário para avaliação do Conhecimento, Atitude e Prática sobre o processo de Doação de órgãos e Tecidos. Método: Estudo metodológico para construção e validação do questionário a ser aplicado para os profissionais que atuam nas Comissões Intra-Hospitalares de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Na primeira etapa, foi realizado um levantamento bibliográfico e formulação do conteúdo das questões. Na segunda, ocorreu a seleção dos juízes e validação de face e conteúdo do questionário através do cálculo de Índice de Validade de Conteúdo (IVC), com valor de corte superior a 0,79. Na terceira etapa, foi realizada a síntese das revisões dos juízes e estruturação do instrumento. Resultados: Foi elaborado um instrumento de 25 questões divididos em conhecimento, atitude e prática. Como juízes participaram nove profissionais. Todos os IVCs foram superiores a 0,889. Conclusão: O questionário foi construído e apresenta evidências de validade.


Texto completo:

PDF

Referências


Santos MJD, Massarollo MCKB. Processo de doação de órgãos: percepção de familiares de doadores cadáveres. Rev. Latino-Am Enferm [internet] 2005; 13(3) [acesso em 12 de março de 2018]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n3/v13n3a13.pdf .

ABTO - Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Diretrizes básicas para captação e retirada de múltiplos órgãos e tecidos da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. São Paulo, [internet] 2009 [acesso em 02 de maio de 2016]. Disponível: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/pdf/livro.pdf.

Brasil. Decreto nº 9.175, de 18 de outubro de 2017. Revoga o Decreto n. 2.268 de 30 de junho de 1997. Regulamenta a Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, para tratar da disposição de órgãos, tecidos, células e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento. Diário Oficial da União, Brasília. 2017.

Brasil. Lei n. 9.434, de fevereiro de 1997. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 5 fev. 1997.

Ministério da Saúde (BR). Portaria de Consolidação nº 4, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre os sistemas e os subsistemas do Sistema Único de Saúde. Revoga Portaria nº 2600/GM/MS, de 21 de outubro de 2009. Anexo I, Sistema Nacional de Transplantes. Diário Oficial da União; 2017.

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS n°. 1.752, de 23 de setembro de 2005. Determina a constituição de Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) em todos os hospitais públicos e filantrópicos com mais de 80 leitos. Diário Oficial da União 2005.

Arcanjo RA, Oliveira LC, Silva DD. Reflexões sobre a Comissão Intra-Hospitalar de doação de órgãos e tecidos para transplantes. Rev. Bioét. [Internet]. 2013, 21(1) [acesso em 22 de novembro de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-80422013000100014.

Soares ACO, Caminha MFC, Coutinho ACFP, Ventura CMU. Dor em unidade neonatal: conhecimento, atitude e prática da equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. [internet] 2016;21(2) [Acesso em: 05 de abril de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.42897.

Ministério da Educação (BR). Instituto Nacional do Desenvolvimento da Educação. Manual do Aplicador do estudo CAP. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2002.

Badran, IG. Knowledge, attitude and practice the three pillars of excellence and wisdom: a place in the medical profession. East Mediterr Health J [internet] 1995 [acesso em 07 de novembro de 2017]. Disponível: http://www.who.int/iris/handle/10665/116905.

Benson J, Clark F. A guide to instrument development and validation. Am J Occup Ther [Internet] 1982; 36(12): 789-800 [acesso em 07 de maio de 2018]. Disponível: https://ajot.aota.org/article.aspx?articleid=1887697.

Pasquali, L. Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Revista de Psiquiatria Clínica [Internet] 1998; 25(05) [acesso em 07 de maio de 2018]. Disponível: https://www.scribd.com/document/275033230/Pasquali-Principios-de-Elaboracao-de-Escalas-Psicologicas.

Machado SPC, Samico IC, Braga TDA. Conhecimento, atitude e prática sobre fototerapia entre profissionais de enfermagem de hospitais de ensino. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2012;65(1) [acesso em 01 de abril de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000100005.

Freire ILS, Mendonça AEO, Pontes VO, Vasconcelos QLDAQ, Torres GV. Morte Encefálica e cuidados na manutenção do potencial doador de órgãos e tecidos para transplante. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2012;14(4) [Acesso em: 15 de novembro de 2017]. Disponível: https://www.fen.ufg.br/revista/v14/n4/pdf/v14n4a19.pdf

Schein AE, Carvalho PRA, Rocha TS, Guedes RR, Moschetti L, La Salvia JC et al . Avaliação do conhecimento de intensivistas sobre morte encefálica. Rev. bras. ter. intensiva [Internet]. 2008;20(2) [acesso em 02 de abril de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2008000200005.

Barradas JFG. Atitudes dos enfermeiros perante morte cerebral e transplantação de órgãos. [Dissertação] Faro: Universidade do Algarve. Portugal. 2010. 161p. Disponível: https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/2076/1/Relatorio30-12.pdf.

Westhphal GA, Garcia VD, Souza RL, Franke CA, Vieira KD, Birckholz VRZ, et al. Diretrizes para avaliação e validação do potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev. bras. ter. intensiva [Internet]. 2016; 28(3) [acesso em 01 de fevereiro de 2017)]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20160049.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e Normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n° 466, 2012. Brasília; 2012.

Lopes MVO, Silva VM, Araujo TL. Validação de diagnósticos de enfermagem: desafios e alternativas. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2013;66(5) [acesso em 05 de dezembro de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000500002.

Cubas MR, Nóbrega MML. Atenção primária em saúde: diagnóstico, resultado e intervenções de enfermagem. 1ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015.

Perroca MG, Gaidzinski RR. Sistema de classificação de pacientes: construção e validação de um instrumento. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 1998;32(2) [acesso em 05 de dezembro de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62341998000200009.

Bright E, Vine S, Wilson MR, Masters RS, McGrath JS. Face validity, construct validity and training benefits of a virtual reality TURP simulator. Int J Surg. [internet] 2012;10(3) [acesso em 16 de fevereiro de 2017]. Disponível: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22366646.

Rubio DM, Weger MB, Tebb SS, Lee ES, Rauch S. Objectifying content validity: conducting a content validity study in social work research. Soc Work Res [internet] 2003; 27(2) [acesso em 05 de março de 2017]. Disponível: https://doi.org/10.1093/swr/27.2.94.

Pasquali L. Instrumentação psicológica: fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Magalhães ALP, Lanzoni GMM, Knihs NS, Silva EL, Erdmann AL. Segurança do paciente no processo de doação e transplante de órgãos e tecidos. Cogitare Enferm. [internet] 2017;(22)2 [acesso em 01 de dezembro de 2017]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i2.45621.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n7.2341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.