Travestis e transexuais: despindo as percepções acerca do acesso e assistência em saúde

Robson Lovison, Tania Maria Ascari, Denise Antunes de Azambuja Zocche, Michelle Kuntz Durand, Rosana Amora Ascari

Resumo


O acesso à saúde é um direito universal, que deve ser equânime e direcionado a todos, indistintamente. Com o objetivo de conhecer a percepção das travestis e transexuais residentes em Chapecó, Santa Catarina, acerca do acesso e assistência em saúde, foi realizada pesquisa transversal, descritiva, exploratória e de abordagem qualitativa, utilizando-se de entrevista semiestruturada, aplicada a cinco participantes. O estudo revelou que a discriminação a travestis e transexuais ainda ocorre e se revela especialmente no não reconhecimento ao nome social, não atendendo assim aos critérios de acesso e assistência em saúde preconizados pelo Sistema Único de Saúde. A Enfermagem tem papel fundamental na construção de uma nova cultura de acolhimento, em que a discriminação e o preconceito sejam banidos das práticas de acesso e assistência em saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Homens gays e bissexuais: direitos, saúde e participação social. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Borrillo D. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2010, p. 23.

Butler JH. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 161.

Brasil. Caderno HumanizaSUS: Atenção Hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizaSUS.pdf. Acesso em: 03 mai. 2018.

Bento B. Nome social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Revista Contemporânea [periódico na internet]. 2014 [acessado 2018 abr. 30]; 4(1): p. 165-182. Disponível em: http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/197.

Silva AJ, Gomes FS, Dourado I, Silva LAV. Os serviços de saúde e as experiências de travestis e transexuais. In: IV Seminário Enlaçando Sexualidades, 2015, Salvador. Anais. Salvador: UNEB, v. 4, 2015 [acessado 2018 mai. 13]. Disponível em: www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2015/07/osservicos.pdf.

Santos AS. Problematizando o acesso e acolhimento de travestis e mulheres transexuais nos serviços de saúde. In: III Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Anais. Bahia, 2013 [acessado 2018 mai. 08]. Disponível em: http://www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2013/06/ Problematizando-o-acesso-e-acolhimento-de-travestis-e-mulheres-transexuais-nos-Servi%C3%A7os-de-Sa%C3%BAde.pdf.

Leininger M, Mcfarland MR. Culture care diversity and universality: a worldwide nursing theory. New York: McGraw-Hill, 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Infográficos: Evolução populacional e pirâmide etária. 2010 [acessado 2018 abr. 02]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/painel/ populacao.php?lang=&codmun=420420&search=santacatarina|chapeco|infogr%E1ficos:-evolu%E7%E3o-populacional-e-pir%E2mide-et%E1ria.

Minayo MCS. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 29 ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

Albuquerque GA, Garcia CL, Quirino GS, Alves MJH, Belém JM, Figueiredo FWS, et al. Access to health services by lesbian, gay, bisexual, and transgender persons: systematic literature review. BMC int heal hum righ. [serial on the Internet]. 2016 [cited 2018 mai. 01] 16(2): [about 05 p.]. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4714514/.

Mello L, Perilo M, Braz CA, Pedrosa C. Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Sex Salud Soc. [periódico na internet]. 2011 [acessado 2018 mar. 22]. v. 9, p. 7-28, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-64872011000400002.

Souza MHT, Malvasi P, Signorelli MC, Pereira PPG. Violência e sofrimento social no itinerário de travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública [Periódico na Internet]. Rio de Janeiro, 2015 [acessado 2018 mar. 22]. 31(4): p. 767-776. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2015000400767&script=sci_abstract&tlng=pt.

Brasil. Portaria GM/MS 675 de 30 de março de 2006. 2006-2014 [acessado 2018 mai. 22]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/CIB/LEGIS/PortGMMS_675_30marco_2006_carta_dos_direitos.pdf.

Brasil. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: 1. ed., 1. reimp. Ministério da Saúde, 2013. 32 p.: il.

Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro, Ago. 2016 [acessado 2018 mai. 09]. 21(8): p. 2517-2526. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000802517&script=sci_abstract&tlng=pt.

Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e População LGBT: Demandas e Especificidades em Questão. Psicologia: ciência e profissão. 2012 [acessado 2018 mai. 10]. 32(3): p. 552-563. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932012000300003&script=sci_abstract&tlng=pt..

Alves CMR, Gonçalves MAM. O papel da enfermagem no rompimento dos preconceitos LGBT nos serviços de saúde. In: 16º congresso nacional de iniciação científica; 2016; São Paulo. p. 1-11.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n5.2370

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.