Acidente Vascular Cerebral: o conhecimento dos enfermeiros

Fernanda Lays Souza Góes Santos, Gabriela Menezes Gonçalves, Cristiane Franca Lisboa Gois, Alzira Maria D'Ávila Nery Guimarães, Eliana Ofelia LLapa Rodríguez, Maria Cláudia Tavares de Mattos, Maria Pontes de Aguiar Campo, Gabryella Garibalde Santana Resende

Resumo


Entre as doenças que acometem o Sistema Nervoso Central, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma das mais prevalentes e de maior morbimortalidade. O estudo verificou o conhecimento dos enfermeiros sobre os fatores de risco, prevenção e prognóstico do AVC. Trata-se de um estudo descritivo, desenvolvido com 83 enfermeiros. Entre os participantes, 25,3% reconheceram todos os fatores de risco, 82,9% identificaram as ações preventivas e 49,3% reconheceram os possíveis prognósticos do AVC. Conclui-se que a maioria dos enfermeiros identificou as ações preventivas, apesar de poucos terem identificado todos os fatores de risco.

Descritores: Acidente Vascular Cerebral, Enfermagem, Atenção Primária à Saúde.

Stroke: the knowledge of nurses

Among the diseases affecting the central nervous system, the stroke is one of the most prevalent and highest morbimortality. The study assessed the nurse's knowledge about risk factors, prevention and prognosis of stroke. This is a descriptive study, developed with 83 nurses. Among participants, 25,3% recognized all risk factors, 82,9% identified preventive actions and 49,3% recognized the potential predictors of stroke. We conclude that the majority of the nurses identified preventive actions, although just a few have identified all the risk factors.

Descriptors: Stroke, Nursing, Primary Health Care.

Accidente cerebrovascular: el conocimiento de los enfermeros

Entre las enfermedades que afectan al Sistema Nervioso Central, el Accidente Cerebrovascular (ACV) es uno de los más frecuentes y de mayor morbilidad y mortalidad. El estudio evaluó los conocimientos de los enfermeros de los factores de riesgo, la prevención y el pronóstico del ACV. Este es un estudio descriptivo, realizado con 83 enfermeros. Entre los participantes, 25,3% reconocieron todos los factores de riesgo, el 82,9% identificaron las medidas de prevención y el 49,3% reconocieron los posibles pronósticos de lo ACV. Se concluye que la mayoría de las enfermeras identifico las acciones de prevención, aunque pocos han identificado todos los factores de riesgo.

Descriptores: Accidente Cerebrovascular, Enfermería, Atención Primaria de Salud.

Texto completo:

PDF

Referências


Otero RM, Guimarães AG, Coelho PMP, Freitas GS. Terapia celular no acidente vascular cerebral. Rev Bras Hematol Hemoter. 2009;31(5):99-103.

Ministério da Saúde (BR). Datasus: indicadores de saúde, 2010 [Internet]. [citado em 2011 Jul 30]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/niuf.def

Sell FC. Accidente vascular cerebral? és el accidente vascular cerebral una enfermedad tratable? Rev Costarric Cardiol. 2000;2(1):27-33.

Pires SL, Gagliardi RJ, Gorzoni ML. Estudo das frequências dos principais fatores de risco para acidente vascular cerebral isquêmico em idosos. Arq Neuropsiquiatr. 2004;62(3-B):844-51.

Zétola VHF, Nóvak EM, Camargo CHF, Júnior HC, Coral P, Muzzio JA, et al. Acidente vascular cerebral em pacientes jovens. Arq Neuropsiquiatr. 2001;59(3-B):740-5.

Biblioteca Virtual em Saúde [Internet]. [citado em 2012 Abr 08]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/105avc.html

Tambara EM. Diretrizes para atendimento pré-hospitalar no acidente vascular encefálico. In: Cavalcante IL, Cantinho FAF, Assad AR, organizadores. Medicina perioperatória. Rio de Janeiro: SAERJ; 2006. p. 77-83.

Michael KM, Shaughnessy M. Stroke prevention and management in older adults. J Cardiovasc Nurs. 2006;21(5 Suppl 1):S21-6.

Falcão IV, Carvalho EMF, Barreto KML, Lessa FJD, Leite VMM. Acidente vascular cerebral precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2004;4(1):95-102.

Talarico TR, Venegas MJ, Ortiz KZ. Perfil populacional de pacientes com distúrbios da comunicação humana decorrentes de lesão cerebral, assistidos em hospital terciário. Rev CEFAC. 2011;13(2):330-9.

Pereira ABCNG, Alvarenga H, Pereira Jr RSP, Barbosa MTS. Prevalência de acidente vascular cerebral em idosos no Município de Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil, através do rastreamento de dados do programa saúde da família. Cad Saúde Pública. 2009;25(9):1929-36.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2488/GM, de 21 de outubro de 2011 [Internet]. [citado em 2012 Abr 08]. Disponível em: https://docs.google.com/file/d/0B5GcS2-UlzxjOGM1OWY3NWMtYzcwOC00YzQwLTkwOWMtOTQ5YWViMTllOTY4/edit?pli=1

Sauerbeck LR. Primary stroke prevention. Am J Nurs. 2006;106(11):40-50.

Kozub E. Community stroke prevention programs: an overview. J Neurosci Nurs. 2010;42(3):143-9.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Inquérito domiciliar sobre comportamentos de risco e morbidade referida de doenças e agravos não transmissíveis: Brasil, 15 capitais e Distrito Federal, 2002-2003. Rio de Janeiro: INCA; 2004.

Brito ES, Rabinovich EP. A família também adoece: mudanças secundárias à ocorrência de um acidente vascular encefálico na família. Interface Comun Saúde Educ. 2008;12(27):783-94.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2012.v3.n2.255

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.