Construção e validação da escala “Avaliação da compreensão do paciente sobre orientações de alta”

Rednaj Jaure Bacury Souza Mota, Ana Claudia Giesbrecht Puggina

Resumo


Objetivo: Construir e investigar as propriedades psicométricas de uma escala que avalia a compreensão do paciente sobre orientações de alta. Metodologia: Estudo metodológico quantitativo realizado com 72 pacientes e dois observadores. A validação foi obtida por meio da análise fatorial e correlação intra-classe. A consistência interna foi verificada pelo Alpha de Cronbach. Resultados: A escala foi construída em duas partes: a parte I (14 itens) refere-se a compreensão referida e é respondida pelo paciente, a parte II (8 itens) refere-se a compreensão percebida e é respondida por um observador. A consistência interna foi considerada excelente (α=0.918) na parte I e aceitável na parte II tanto para observador 1 (α=0.724) quanto para o observador 2 (α=0.749). A reprodutibilidade inter-observador foi aceitável (r=0.824). A análise fatorial da parte I determinou quatro fatores: (1) compreensão sobre medicamentos; (2) compreensão sobre tratamento e diagnóstico; (3) compreensão sobre restrição e (4) compreensão sobre retorno. Conclusão: A escala “Avaliação da compreensão do paciente sobre orientações de alta” foi considerada confiável e válida.


Texto completo:

PDF

Referências


Kohn L, Corrigan J, Donaldson M. To err is human: building a safer heath system. Washington, DC: Committee on Quality of Health Care in America. Institute of Medicine: National Academy Press; 2000.

World Health Organization (WHO). World Alliance for Patient Safety. Forward Programme 2008-2009. Geneva (Swi): World Health Organization; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 529, de 1 de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário Oficial da União 01 abr 2013;Seção 1.

Joint Commission International. Joint commission international accreditation standards for hospitals. 6th ed. Estados Unidos: Joint Commission Resources; 2017.

Burgener AM. Enhancing communication to improve patient safety and to increase patient satisfaction. Health Care Manag (Frederick) [Internet]. 2017 [cited 2019 Nov 23];36(3):238-43. Available from: http://dx.doi.org/10.1097/HCM.0000000000000165

Pompeo DA, Pinto MH, Cesarino CB, Araújo RRDF, Poletti NAA. Atuação do enfermeiro na alta hospitalar: reflexões a partir dos relatos de pacientes. Acta Paul Enferm [Internet]. 2007 [cited 2016 Mai 16];20(3):345-50. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000300017

Silva MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 9ª ed. São Paulo: Loyola, 2013.

Pasquali L. Psicometria - Teoria dos testes na psicologia e educação. 5ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2013.

Hyrkäs K, Appelqvist-Schmidlechner K, Oksa L. Validating an instrument for clinical supervision using an expert panel. Int J Nurs Stud [Internet]. 2003 [cited 2019 Nov 23]; 40(6):619-25. Available from: https://doi.org/10.1016/S0020-7489(03)00036-1

Hair JF Jr, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

George D, Mallery P. IBM SPSS Statistics 23 step by step: A simple guide and reference. 14th ed. New York: Routledge; 2016.

Asociación Médica Mundial. Declaración de Helsinki de la Asociación Médica Mundial. Principios éticos para las investigaciones médicas en seres humanos. Fortaleza: 64.a Asamblea General de la AMM; 2013 [cited 2019 Mar 14]. Available from: https://goo.gl/hvf7l1

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Diário Oficial da União, 12 dez. 2012. [cited 2019 Mar 14]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Knapp ML, Hall JA, Horgan, TG. Nonverbal communication in human interaction. 8th ed. Boston: Cengage Learning, 2013.

Haas L, Maryniuk M, Beck J, Cox CE, Duker P, Edwards L, et al. National Standards for Diabetes Self-Management Education and Support. Diabetes Care [Internet]. 2014 [cited 2016 Feb 16];37(Suppl 1):S144-S153. Available from: https://doi.org/10.2337/dc12-1707

Sgnaolin V, Figueiredo AEPL. Adesão ao tratamento farmacológico de pacientes em hemodiálise. J Bras Nefrol [Internet]. 2012 [cited 2016 Feb 20];34(2):109-16. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002012000200002

Chan FW, Wong FY, So WY, Kung K, Wong CK. How much do elders with chronic conditions know about their medications? BMC Geriatrics [Internet]. 2013 [cited 2016 Feb 22];13:59. Available from: https://doi.org/10.1186/1471-2318-13-59

Martins K, Macedo-Costa KN, Oliveira DS, Valdevino S, Rezende LC, Costa T. Nurse's role on preparing for discharge of surgical patients. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online [Internet]. 2015 [cited 2016 Mar 01];7(1), 1756-1764. Available from: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i1.1756-1764

Remondi FA, Cabrera MAS, Souza RKT. Não adesão ao tratamento medicamentoso contínuo: prevalência e determinantes em adultos de 40 anos e mais. Cad Saúde Pública [Internet]. 2014 [cited 2016 Mar 03];30(1):126-136. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00092613

Tavares NUL, Bertoldi AD, Mengue SS, et al. Factors associated with low adherence to medicine treatment for chronic diseases in Brazil. Rev Saúde Públ [Internet]. 2016 [cited 2016 Abr 16];50(Suppl 2):10s. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006150

Sathvik BS, Mangasuli S, Narahari MG, Gurudev KC, Parthasarathi G. Medication knowledge of hemodialysis patients and influence of clinical pharmacist provided education on their education. Indian J Pharm Sci [Internet]. 2007 [cited 2016 May 16];62(2):232-9. Available from: http://dx.doi.org/10.4103/0250-474X.33149

Vargas MA, Luz AMH. Práticas seguras do/no cuidado de enfermagem no contexto hospitalar: é preciso pensar sobre isso e aquilo. Enferm foco [Internet]. 2010 [cited 2019 Nov 23];1(1):23-7. Available from: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/5




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n1.2748

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.