Serviço de atendimento móvel de urgência do Rio Grande do Sul

Magda Regina Dorr, Gabriella Barbosa Nadas, Celia Sapin Duarte, Cristiane Damiani Tomasi, Lisiane Tuon

Resumo


Objetivo: analisar os atendimentos realizados na Central de Regulação de Urgência/SAMU do Estado do Rio Grande do Sul no período de 2016 e 2017. Metodologia: estudo observacional, descritivo e retrospectivo com abordagem quantitativa. Foram coletados os dados sobre perfil do usuário, dia da semana, classificação de risco, tipo do agravo, tempo médio de atendimento às solicitações, quantitativo de desistência da solicitação e número de chamados não regulados por falta de equipes ou veículos. Resultados: o número de solicitações por motivos clínicos foi 53.8%, destes 51,6% foram média gravidade. A prevalência foi do sexo masculino e idade entre 18 e 29 anos. Em 84,7% dos chamados solicitou-se suporte básico. O tempo resposta total foi entre 30 minutos e 1 hora, maior que o recomendado de acordo com a média nacional, seja nas as zonas urbanas ou rurais. Conclusão: este serviço necessita reduzir o tempo resposta de atendimento das solicitações.

Palavras-chave: SAMU; Indicadores; Central de Regulação Estadual; Serviços Médicos de Emergência; Administração de Serviços de Saúde.

 

Objective: to analyze the attendances performed at the Emergency Regulation Center / SAMU of the State of Rio Grande do Sul in 2016 and 2017, focusing in response time. Methodology: observational, descriptive and retrospective study with quantitative approach. Data were collected on user profile, day of the week, risk classification, type of grievance, average time to respond to requests, amount of withdrawal and number of calls not regulated due to lack of teams or vehicles. Results: The number of requests for clinical reasons was 53.8%, of these 51.6% were medium severity. The prevalence was male and aged between 18 and 29 years. In 84.7% of the calls, basic support was requested. The total response time was between 30 minutes and 1 hour, longer than recommended according to the national average, whether in urban or rural areas. Conclusion: After analyzing the calls, it is clear that the worst problem with the calls is the response time, and it is necessary to decrease the same of the requests.

Key-words: SAMU; Indicators; Central of State Regulation; Emergency Medical Services; Health Services Administration.  

 

Objetivo: analizar las asistencias realizadas en el Centro de Regulación de Emergencias / SAMU del Estado de Rio Grande do Sul en 2016 y 2017, centrándose en el tiempo de respuesta. Metodología: estudio observacional, descriptivo y retrospectivo con enfoque cuantitativo. Se recopilaron datos sobre el perfil del usuario, el día de la semana, la clasificación de riesgos, el tipo de queja, el tiempo promedio para responder a las solicitudes, la cantidad de retiros y la cantidad de llamadas no reguladas debido a la falta de equipos o vehículos. Resultados: El número de solicitudes por razones clínicas fue del 53.8%, de estas 51.6% fueron de gravedad media. La prevalencia fue masculina y de edades comprendidas entre 18 y 29 años. En el 84.7% de las llamadas, se solicitó soporte básico. El tiempo de respuesta total fue de entre 30 minutos y 1 hora, más de lo recomendado según el promedio nacional, ya sea en áreas urbanas o rurales. Conclusión: Después de analizar las llamadas, está claro que el peor problema con las llamadas es el tiempo de respuesta, y es necesario disminuir las mismas solicitudes.

Palabras clave: SAMU; Indicadores; Central de Regulación Estatal; Servicios Médicos de Urgencia; Administración de los Servicios de Salud. 


Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de atenção à saúde, Departamento de atenção especializada, Regulação médica das urgências. Brasília (DF), 2006 [citado em 2017 jul. 22]. Disponível em: http://bvsms.Saude.gov.br/bvs/publicações/regulação_medica_urgencias.pdf.

Ciconet RM. Tempo resposta de um serviço de atendimento móvel de urgência. Tese (doutorado) -- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Enfermagem, Programa de Pós Graduação em Enfermagem, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 2003 [citado em 2017 abr. 12]. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/129481/000976890.pdf?sequence=1.

Oliveira EA. Otimização da localização das bases de operação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU/BH através do uso de técnicas de geoprocessamento. Caminhos de Geografia jun/2008 [citado em 2017 jul. 13]; 9(26):133-45. Disponível em: http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html

Ministério da Saúde (Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul). Saúde e você, 2013 [citado 2013 ago. 19]. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/conteudo/394/?como_funciona_a_regula%C3%A7%C3%A3o_do_ SAMU%3F

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 2.048, de 5 de novembro de 2002. Aprova o regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília 06 nov 2002.

Silva NC, Nogueira LT. Avaliação de indicadores operacionais de um serviço de atendimento móvel de urgência. Cogitare Enfermagem, [S.I], Jul/Set. 2012 [citado em 2018 set. 13]; 17(3):471-7. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/29287/19037

Tibaes HBB, Silva DM, Alves M, Penna CMM, Brito MJM. Perfil de Atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Norte de Minas Gerais. J Res: Fundam Care Online, 2018 [citado em 2017 abr. 09]. Jul./Set. 10(3): 675-82. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i3.675-682

Aminzadeh F, Dalziel WB. Older adults in the emergency department: A systematic review of patterns of use, adverse outcomes, and effectiveness of interventions. Annals of Emergency Medicine. 2002 [citado em 2017 set. 05], 39(3): 238 – 47. Disponível em: https://doi.org/10.1067/mem.2002.121523

Samaras N, Chevalley T, Samaras D, Gold G. Older Patients in the Emergency Department. Annals of Emergency Medicine. 2010 [citado em 2017 dez. 13]; 3(56):261 – 9. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.annemergmed.2010.04.015

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 824, de 24 de junho de 1999. Aprova o texto de normatização de atendimento pré-hospitalar, constante do anexo desta portaria. Diário oficial [da] república federativa do Brasil. Brasília 25 jun 1999.

Rocha EGA, Morais AC, Benevides TO. Serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) no município de Juazeiro (BA): principais especialidades demandadas. Rev Baiana Saúde Pública. 2012 [citado em 2018 jan. 22]; 36(4): 1041-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v25n1/1414-462X-cadsc-25-1-51.pdf

Pitteri JSM, Monteiro PS. Caracterização do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em Palmas-Tocantins, Brasil, em 2009. Com Ciênc Saúde. 2010 [citado em 2017 nov. 14];21(3):227-36. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/caracterizacao_servico_atendimento_movel.pdf

O’dwyer G, Konder MT, Reciputti LP, Macedo C, Lopes MGM. O processo de implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Brasil: estratégias de ação e dimensões estruturais. Cad Saúde Pública [Internet]. 2017[citado em 2017 ago. 07]; 33(7):e00043716. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017000705010&lng=en.

Luchtemberg MN, Pires DEP. Enfermeiros do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: perfil e atividades desenvolvidas. Rev Bras Enferm [online]. 2016 [citado em 2018 fev. 19]; 2(69):194-201. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690202i

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria Nº 1.600, de 07 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil 08 jul 2011.

Lira FB, Ulle CMS, Mattos M. Acidentes motociclisticos e ações educativas no trânsito em município do estado de Mato Grosso. Enfermagem em Foco. 2019 [citado em 2020 mar. 17]; v(3). DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n3.2013.

Acosta AM, Pelegrini AHW, Lima MADS. Percepção dos profissionais de saúde sobre os usuários frequentes dos serviços de urgência e emergência: revisão integrativa. Enfermagem em Foco. 2011 [citado em 2020 mar. 17]; 2 (2): 141-44. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2011.v2.n2.114.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n2.2775

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.