SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: IMPLEMENTAÇÃO DE PROTOCOLO DE BANHO NO LEITO PARA PACIENTES ADULTOS CRÍTICOS

Glênio Portilho Stadler, Valéria Lerch Lunardi, Sandra Maria Cezar Leal, Joel Rolim Mancia, Paulo Renato Vieira Alves, Karin Viegas

Resumo


Objetivo: implementar e validar um protocolo de banho em pacientes internados em uma Unidade de Terapia Intensiva Adulta. Metodologia: pesquisa de implementação, realizada em 2018, utilizando a ferramenta do PDSA (Planejar, Fazer - Do, Estudar - Study e Agir - Act), possibilitando que o processo fosse reavaliado em cada etapa. Validação pelo AGREE II por domínios. A adaptação do protocolo seguiu o instrumento ADAPTE. Resultados: Planejamento: visita técnica ao local; composição do grupo de trabalho (enfermeiros, médico, fisioterapeuta e técnicos de enfermagem). Fazer: análise e avaliação do protocolo (AGREE II). Estudar: Inconformidades entre o protocolo e a realidade local reavaliadas e corrigidas, baseadas na melhor evidência cientifica. Agir: teste piloto; após adaptação, implantado no turno da manhã. Considerações Finais: Apesar do benefício da implementação do protocolo de banho, o mesmo deve ser objeto frequente de discussão, pois compreende parte central do cuidado de enfermagem, devendo ser praticado de forma segura, buscando-se minimizar riscos para pacientes.

Descritores: Banho de leito; Paciente crítico; Unidade de Terapia Intensiva; Protocolo; Enfermagem; Higiene.

NURSING CARE SYSTEMATIZATION IN AN INTENSIVE THERAPY UNIT: IMPLEMENTATION OF BEDROOM BATH PROTOCOL FOR ADULT CRITICAL PATIENTS

Objective: To implement and validate a bath protocol in patients admitted to an Adult Intensive Care Unit. Methodology: Implementation research, conducted in 2018, using the PDSA tool (Plan,Do, Study and Act ), enabling the process to be re - evaluated at each stage. Validation by AGREE II by domains. The protocol adaptation followed the ADAPTE instrument. Results: Planning: technical visit to the site; composition of the working group (nurses, physician, physiotherapist and nursing technicians). Do: protocol analysis and evaluation (AGREE II). Study: Nonconformities between protocol and local reality reevaluated and corrected, based on the best scientific evidence. Act: pilot test; after adaptation, implanted in the morning shift. Final Considerations: Despite the benefit of the implementation of the bath protocol, it should be a frequent subject of discussion, as it comprises a central part of nursing care and should be practiced safely, seeking to minimize risks to patients.

Descriptors: Bed bath; Critical patient; Intensive care unit; Protocol; Nursing; Hygiene.

SISTEMATIZACIÓN DE CUIDADOS DE ENFERMERÍA EN UNA UNIDAD DE TERAPIA INTENSIVA: IMPLEMENTACIÓN DEL PROTOCOLO DE BAÑO DE DORMITORIO PARA PACIENTES CRÍTICOS ADULTOS

Objetivo: Implementar y validar un protocolo de baño en pacientes ingresados en una Unidad de Cuidados Intensivos para Adultos. Metodología: Investigación de implementación, realizada en 2018, utilizando la herramienta PDSA (Plan, Do, Study and Act ), permitiendo que el proceso sea reevaluado en cada etapa. Validación por AGREE II por dominios. La adaptación del protocolo siguió el instrumento ADAPTE. Resultados: Planificación: visita técnica al sitio; composición del grupo de trabajo (enfermeras, médico, fisioterapeuta y técnicos de enfermería). Hacer: análisis y evaluación de protocolos (ACUERDO II). Estudio: Las no conformidades entre el protocolo y la realidad local reevaluados y corregidos, con base en la mejor evidencia científica. Acto: prueba piloto; después de la adaptación, implantado en el turno de la mañana. Consideraciones finales: a pesar del beneficio de la implementación del protocolo de baño, debe ser un tema de discusión frecuente, ya que comprende una parte central de la atención de enfermería y debe practicarse de manera segura, buscando minimizar los riesgos para los pacientes.

Descriptores: Baño de cama; Paciente crítico; Unidad de terapia intensiva; Protocolo; Enfermería; Higiene.


Texto completo:

PDF

Referências


Correio RAPPV, Vargas MAO, Carmagnani MIS, Leal FM, Luz KR.Desvelando competências do enfermeiro de terapia intensiva. Enferm Foco [ Internet].2016 [cited 2019 jun 10];6(1/4):46-50. Available from: http://revista. cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/576/258

Santos MN, Medeiros RM, Soares OM. Emergência e Cuidados Críticos para Enfermagem: conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias para a atuação do enfermeiro. Porto Alegre(RS): Moriá editora;2018.

Favarin SS, Camponogara S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário. Rev Enferm UFSM [internet]. 2012[cited jun10]; 2 (2):320–29. Available from: https://periodicos. ufsm.br/reufsm/article/view/5178

Penaforte MHO. O autocuidado higiene: conhecimento científico e ritual. Tese - Programa de Pós-Graduação da Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Universidade de Lisboa, Lisboa; 2011.290 f.

Moller Gisele, Magalhaes AMM. Bed baths: nursing staff workload and patient safety. Texto contexto enferm [internet].2015[cited 2019 jun 10]; 24(4):1044-52. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S0104-07072015000401044&lng=en&nrm=iso

Prado ARA, Ramos RL, Ribeiro OMPL, Figueiredo NMA, Martins MM, Machado WCA. Bath for dependent patients: theorizing aspects of nursing care in rehabilitation. Rev Bras Enferm [Internet]. 2017[cited 2019 jun 10];70(6):1337-42. Available form: http://www.scielo.br/pdf/reben/v70n6/ pt_0034-7167-reben-70-06-1337.pdf

Pupulim JSL, Sawada NO. Percepção de pacientes sobre a privacidade no hospital. Rev Bras Enferm [internet].2012[cited 2018 jun 21; 65(4): 621-9. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n4/a11v65n4.pdf

Oliveira RM, Leitão IMTA, Silva LMS, Figueiredo SV, Sampaio RL, Gondim MM. Estratégias para promover segurança do paciente: da identificação dos riscos às práticas baseadas em evidências. Escola Anna Nery [internet]. 2014[cited 2018 jun 28];18 (1):122-29. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S1414-81452014000100122&lng=en&nrm=iso .

Woolf S, Schünemann HJ, Eccles MP, Grimshaw JM, Shekelle P. Developing clinical practice guidelines: types of evidence and outcomes; values and economics, synthesis, grading, and presentation and deriving recommendations. Implementation Sci [Internet]. 2012., 7:61. Disponível em: . Acesso em: 3 Jan. 2019.

Pimenta CAM, Pastana CASS, Sichieri K, Solha RKT, Souza W. Guidelines for the construction of nursing care protocols. Coren-SP. São Paulo; 2015. Available from: < .

Flores GP. Critérios para banho de leito em uma unidade de terapia intensiva adulto: construção de um protocolo assistencial. 2016. 73 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Programa de Pós-Graduação em 50 Enfermagem, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Porto Alegre;2016.

Institute for Healthcare Improvement. QI Essentials Toolkit: PDSA Worksheet. Boston: Institute for Healthcare Improvement, 2017. Available from:51.

Brouwers MC, Kho ME, Browman GP, Burgers JS, Cluzeau F, Feder G, et. al. AGREE Next Steps Consortium. AGREE II: Advancing guideline development, reporting and evaluation in healthcare. Canadian Medical Association Journal, Ottawa, v. 182, p. E839-E842, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2018. http://dx.doi.org/10.1503/cmaj.090449.

Melo SM, Oliveira RA, Pesavento TFC, Silva LBN, Bueno LG, Cruz CO et al. ADAPTE: uma ferramenta para adaptação de diretrizes na área da saúde. Revisão e avaliação crítica da literatura. Diagnóstico & Tratamento, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 149-156, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2018.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília;2013.

Camerini FG, Silva LD, Fassarella CS, Henrique DM, Almeida LF, Couto JF. Perfil da coagulação em protocolos guiados por enfermeiros: reduzindo eventos hemorrágicos. Revista Pró-UniverSUS, Vassouras, v. 9, n. 1, p. 28-34, Jan./Jun. 2018. Disponível em:http://editora.universidadedevassouras. edu.br/index.php/RPU/issue/view/145

Agencia Nacional de Vigilancia Sanitária. Critérios Diagnósticos de infecções Relacionadas á Assistência á Saúde. Brasília: Anvisa;2017.

Wakefield BJ. Facing up to the reality of missed care. BMJ Qual Saf., London, v. 23, n. 2, p. 92-94, Feb. 2014. Disponível em: http://qualitysafety. bmj.com/content/23/2/92 Acesso em: 12 abr. 2018. http://dx.doi. org/10.1136/bmjqs-2013-002489

Mello JF, Barbosa SFF. Cultura de paciente em segurança em terapia intensiva: recomendações da enfermagem. Texto Contexto Enferm [internet]. 2013 [cited 2018 jul 20; 22(4): 1124-33.Available from: http://www. scielo.br/pdf/tce/v22n4/31.pdf

Langley GJ, Norman CL, Nolan KM, Provost LP, Moen RD, Nolan TW. Modelo de Melhoria: Uma abordagem prática para melhorar o desempenho organizacional. Campinas, SP: Mercado das Letras;2011.

Silva VFF. Uso do Método PDSA para a elaboração e implementação de um protocolo de prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica em uma Unidade de Terapia Intensiva. 2018. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Inovação em Enfermagem) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, University of São Paulo, Ribeirão Preto, 2018. Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22134/tde- 05102018-161945/ .

Malfussi LBH, Bertoncello KCG, Nascimento ERP, Silva SG, Hermida PMV, Jung W. Concordância de um protocolo institucional de avaliação com classificação de risco. Texto Contexto Enferm, 2018; 27(1):e4200016.Disponível em: . Acesso em: 02 Abr. 2018. 2018. http://dx. doi.org/10.1590/0104-07072018004200016

BRASIL. Decreto nº 94.460 de 8 de junho de 1987. O exercício da enfermagem. Diário Oficial da União, seção 1, p. 835-855. Brasília, jun. 1987.

Duarte MLC, Oliveira AI. Compreensão dos coordenadores de serviços de saúde sobre educação permanente. Cogitare Enferm [Internet]. 2012 [cited 2016 Sep 24];17(3):506–12. Available from: http://revistas.ufpr. br/cogitare/article/view/29292 .

Oliveira JSA, Cavalcante EFO, MACEDO MLAF, Martini JG, Backes VMS. Practice of permanent education by nursing care in health services. J Nurs UFPE line [Internet]. 2013 [cited 2016 Oct 15];7(2):598–607. Available from: http://www.revista.ufpe.br/revista.enfermagemindex.phprevistaarticleview3073pdf_ 2088 .

FERREIRA, Patrícia Cabral et al. Nursing measure in Intensive Care Unit: evidence about the Nursing Activities Score. Rev. Rene., Fortaleza; v. 15, n. 5, p. 888-897, Set./Out. 2014. Disponível: . Acesso em: 24 Set. 2017. http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.2014000500019 .

Araujo ML. Identificação da Sepse pela equipe de enfermagem em um serviço de emergência de um Hospital Geral. 2014. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Enfermagem) – Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n7.2809

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.