Níveis de estresse entre enfermeiros na classificação de risco em hospitais estaduais no Espírito Santo

Luciene Gonçalves da Costa Zorzal

Resumo


Avaliar o nível de estresse entre enfermeiros da classificação de risco em hospitais públicos. Estudo de campo, exploratório, descritivo, de abordagem quantitativa, realizado em três hospitais estaduais no Espírito Santo. População composta por 25 (100%) enfermeiros classificadores. Utilizou-se como instrumento a Escala Bianchi de Stress, escala validada e composta por 51 itens estressores na atuação profissional distribuídos em 6 dimensões. A maioria (96,0%) era do sexo feminino; com média de idade de 31 anos; casados; sem filhos; mais de 5 anos na classificação de risco (44,0%); realiza algum tipo de atividade física e lazer (64,0%). Quanto à Escala de Stress, 52,0% apresentaram nível baixo de estresse geral (escore igual ou abaixo de 3,0), no entanto 48,0% com nível médio de estresse. Verificou-se presença de estresse com níveis baixos e médios.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria geral. Grupo de trabalho – Unidade de sistema de desenvolvimento de serviços de saúde. Terminologia básica em saúde [Internet]. Brasília (DF): Centro de documentação do Ministério da Saúde; 1985. [citado 2017 abr. 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0111terminologia0.pdf.

Cruz EJ, Souza NV, Correa RA, Pires AS. Dialética de sentimento do enfermeiro intensivista sobre o trabalho na terapia intensiva. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. [Internet]. 2014 [citado 2017 abr. 29]; 18(3): 479-485. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452014000300479.

Bellucci Junior JA, Matsuda LM. Acolhimento com classificação de risco em serviço hospitalar de emergência: avaliação da equipe de enfermagem. REME rev. min. enferm. 2012; 16(3): 419-428.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão em Saúde – HumanizaSUS [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004. [citado 2017 abr. 30]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/sas/humanizasus.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009. [citado 2017 mai. 05]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/.../acolhimento_classificacao_risco_servico_urgencia.pdf.

Silva PL, Paiva L, Faria VB, Ohl RI, Chavaglia SR. Acolhimento com classificação de risco do serviço de pronto socorro adulto: satisfação do usuário. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2016 [citado 2017 mai. 07]; 50(3): 427-433. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/pt_0080-6234-reeusp-50-03-0427.pdf.

Oliveira GN, Campanharo CR, Okuno MF, Batista RE. Acolhimento com avaliação e classificação de risco: concordância entre os enfermeiros e o protocolo institucional. Rev. latinoam. enferm. [Internet]. 2013 [citado 2017 mai. 17]; 21(2). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692013000200500&script=sci_arttext&tlng=pt.

Paixão TC, Campanharo CR, Lopes MC, Okuno MF, Batista RE. Dimensionamento da equipe de enfermagem na sala de emergência de um hospital universitário. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2015 [citado 2017 mai. 18]; 49(3): 481-87. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342015000300481&script=sci_abstract.

Gibaut MA, Hori LM, Freitas KS, Mussi FC. Conforto da família do paciente em uma Unidade de Terapia Intensiva relacionada ao acolhimento Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2013 [citado 2017 mai. 20]; 47(5): 1117-1124. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n5/pt_0080-6234-reeusp-47-05-1114.pdf.

Silva MF, Oliveira GN, Pergola-Marconato AM, Marconato RS, Bargas EB, Araujo IE. Protocolo de avaliação e classificação de risco de pacientes em unidade de emergência. Rev. latinoam. enferm. [Internet]. 2014 [citado 2017 mai. 22]; 22(2): 218-225. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692014000200218&lng=en&tlng=en.

Costa ME, Maciel RH, Rêgo DP, Lima LL, Silva ME, Freitas JG. Síndrome do Burnout ocupacional no contexto da enfermagem: uma revisão integrativa da literatura. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2017 [citado 2017 jun. 01]; 51(Esp): 01-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v51/pt_1980-220X-reeusp-51-e03235.pdf.

Bianchi ER. Escala Bianchi de Stress. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2009 [citado 2018 out. 28]; 43(Esp): 1055-62. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000500009.

Batista KM, Bianchi ERF. Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Rev. latinoam. enferm. [Internet]. 2006 [citado 2018 out. 03]; 14(4):534-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692006000400010&script=sci_abstract&tlng=pt.

Machado MH, Aguiar WF, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M, et. al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm. Foco [Internet]. 2015 [citado 2019 abr. 12]; 7 (Esp): 09-14. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/686/296

Herminda PM, Nascimento ER, Echevarría-Guanilo ME, Brüggemann OM, Malfussi LB. Acolhimento com classificação de risco em unidade de pronto atendimento: estudo avaliativo. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2018 [citado 2017 jun. 06]; 52 (Esp): 01-09. Disponível em: http:// www.scielo.br/pdf/reeusp/v52/pt_1980-220X-reeusp-52-e03235.pdf e03318. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017001303318.

França SP, de Martino MM, Aniceto EV, Silva LL. Preditores da Síndrome de Burnout em enfermeiros de serviços de urgência pré-hospitalar. Acta Paul. Enferm. [Internet]. 2012 [citado 2019 abr. 08]; 25(1):68-73. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a12.

Gianasi LB, Oliveira DC. A síndrome de burnout e suas representações entre profissionais de saúde. Rev. enferm. UERJ. [Internet]. 2014 [citado 2018 out. 30]; 14(3): 756-772. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/13880.

Souza CC, Chianca TCM, Cordeiro JW, Rausch MCP, Nascimento GFL. Análise de confiabilidade do Manchester Triage System: concordância entre observador e intra-observador. Rev. latinoam. enferm. [Internet]. 2018 [citado 2018 out. 29]; 26: e3005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692018000100328&lng=en.

Crews DJ, Landers DM. A meta-analytic review of aerobic fitness and reactivity to psychosocial stressors. Med Sci Sports Exerc [Internet]. 1987 [cited 2018 Oct 30]; 19(5 Supl): 114-20. Available from: http://psycnet.apa.org/record/1988-32648-001.

Tamayo A. Prioridades axiológicas, atividade física e estresse ocupacional. Rev. adm. contemp. [Internet]. 2001 [citado 2018 out. 31]; 5 (3): 127-147. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-65552001000300007&script=sci_arttext 5(3), 127-147. ISSN 1415-6555. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552001000300007.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n1.2882

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.