Passos e descompassos no processo de cuidado aos portadores de tuberculose na atenção primária à saúde

Lucilla de Sousa Olimpio de Melo, Eliany Nazaré de Oliveira, Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes Neto, Lorenna Saraiva Viana, Flávio Araújo Prado, João Breno Cavalcante Costa

Resumo


Objetivo: realizar um diagnóstico da realidade situacional relativo ao acompanhamento de usuários com tuberculose e desenvolver oficinas educativas com foco nas vulnerabilidades detectadas no processo do cuidado. Metodologia: Pesquisa/intervenção realizada junto a onze enfermeiros do município de Ibiapina-Ceará. O grupo focal foi à técnica utilizada para coleta das informações, estas foram organizadas e sintetizadas com suporte da análise temática. Resultados: Os profissionais apresentam dificuldades no desenvolvimento de estratégias preconizadas para o controle e combate da tuberculose. Surgiram ainda questões relacionadas a problemas estruturais e logísticos como limitação de locais para a realização dos exames, falta de materiais ou equipamentos, inexistência de uma conexão entre os serviços envolvidos, assim como o medo do contágio da doença. Conclusão: O estudo permitiu a identificação das dificuldades e vulnerabilidades, subsidiando a tomada de decisão e a definição de estratégias de intervenção, auxiliando na superação das fragilidades dos serviços de saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


Zumla A, George A, Sharma V, Herbert RHN, Oxley A, Oliver M. The WHO 2014 global tuberculosis report—further to go. The Lancet Global Health, 2015; 3(1): e10-e12.

Ministério da Saúde (BR). Cartilha para o Agente Comunitário de Saúde- Tuberculose. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

Batalha E, Morosini L. Atenção aos esquecidos. 18º Congresso Internacional de Medicina Tropical e Malária. Rev Radis. 2013; jan. (124): 09-16.

Harter J. Avaliação da detecção de casos de tuberculose no contexto da atenção primária à saúde. Dissertação (Mestrado em Enfermagem)- Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas, 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

Segurado AC, Cassenote AJ, Luna EA. Saúde nas metrópoles - Doenças infecciosas. Estud. av. 2016; Apr. 30(86): 29-49.

Silva DR, Muñoz-Torrico M, Duarte R, Galvão T, Bonini EH, Arbex FF, Mello FCDQ. Fatores de risco para tuberculose: diabetes, tabagismo, álcool e uso de outras drogas. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 2018; 44(2): 145-152.

Vergara SC. Métodos de Coleta de Dados no Campo. São Paulo: Atlas, 2009.

Minkler M, Wallerstein N. Community-based participatory research for health: From process to outcomes. John Wiley & Sons. 2011.

Kitzinger J, Barbour R (Ed.). Developing focus group research: politics, theory and practice. Sage, 1999.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. (12ª edição). São Paulo: Hucitec-Abrasco. 2004.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Rev Ciênciae Saúde Coletiva. 2011. Mar. 16(1): 319-325.

Duarte SJH, Carvalho Lima D, Barreira GC, Peres WS. A educação permanente como possibilidade no diagnóstico precoce da tuberculose Permanent education as a prospect for early diagnosis of tuberculosis. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2011; 40(1).

Silva COG, D’Amaral RKK. Tuberculose: casos novos e Estratégia de Saúde da Família. Rev Enferm Unisa. 2011; 12(1): 64-67.

Scatolin BE, Pinto ESG, Arcêncio RA, Andrade RL P, Wysocki AD, Ponce MAZ, Palha PF. Busca de pacientes sintomáticos respiratórios: atuação do agente comunitário de saúde no controle da tuberculose em município de grande porte, Brasil. Texto & Contexto-Enfermagem. 2014; 23(2): 261-269.

Cardoso CML, Pereira MO, Moreira DDA, Tibães HBB, Ramos FRS, Brito MJM. Sofrimento Moral na Estratégia de Saúde da Família: vivências desveladas no cotidiano. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2016; 50(SPE): 89-95.

Maia CPRF. C. Entre desafios e potencialidades [manuscrito]: avaliação da participação comunitária em um programa de controle da esquistossomose e de promoção da saúde. 2015.148fl. Dissertação (Mestrado): Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem. 2015.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n2.2917

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.