Conhecimento da equipe de enfermagem em relação aos sinais e sintomas da sepse

André Luiz Alvim, Larissa Maria Silvano, Rebeca Tavares de Melo Ribas, Renata Lacerda Prata Rocha

Resumo


Objetivo: verificar o conhecimento dos profissionais de enfermagem em relação aos sinais e sintomas da sepse. Método: estudo descritivo que foi realizado em um hospital de grande porte localizado na região leste de Belo Horizonte, MG, Brasil. A amostra contemplou 61 participantes atuantes no setor de internação que responderam um instrumento estruturado com 25 questões de múltipla escolha. Resultados: a maioria dos profissionais concordou totalmente sobre a temperatura >38oC (82,0%), oligúria (80,3%), frequência cardíaca >90 bpm (68,8%), delirium (59,0%) e hipotensão (80,3%).  No entanto, os fenômenos cardiovasculares da sepse não obteve frequência satisfatória, pois a equipe de enfermagem discordou totalmente (49,2%) sobre a hipervolemia, vasodilatação periférica, depressão miocárdica, e hipermetabolismo. Conclusão: a equipe de enfermagem possui conhecimento adequado sobre a temática, porém observou-se dificuldade na identificação das disfunções cardiovasculares, reforçando a necessidade de treinamentos em relação ao protocolo gerenciado.

Descritores: Qualidade da Assistência à Saúde; Sepse; Sinais e Sintomas; Equipe de Enfermagem.

 

Abstract: Objective: to verify the knowledge of nursing professionals regarding the signs and symptoms of sepsis. Method: a descriptive study that was performed in a large hospital located in the eastern region of Belo Horizonte, Brazil. The sample comprised 61 participants in the inpatient sector who answered a questionnaire with 25 objective and multiple choice questions. Results: most professionals totally agreed on temperature >38oC (82.0%), oliguria (80.3%), heart rate >90 (68.8%), delirium (59.0%) and hypotension (80.3%). However, cardiovascular phenomena in clinical findings did not reach satisfactory frequency, as nursing professionals totally disagreed (49.2%) about hypovolemia, peripheral vasodilation, myocardial depression, and hypermetabolism. Conclusion: the nursing staff has a good knowledge on the subject, but there was difficulty in correctly assessing cardiovascular phenomena, reinforcing the need for training in relation to the institutional protocol.

Descriptors: Quality of Health Care; Sepsis; Signs and Symptoms; Nursing, Team.

 

Objetivo: verificar el conocimiento de los profesionales de enfermería sobre los signos y síntomas de la sepsis. Método: estudio descriptivo transversal que se realizó en un gran hospital ubicado en la región oriental de Belo Horizonte, MG, Brasil. La muestra estaba compuesta por 61 participantes del sector de pacientes hospitalizados que respondieron un cuestionario con 25 preguntas objetivas y de opción múltiple. Resultados: la mayoría de los profesionales declararon que el hospital del estudio tiene un protocolo de sepsis (95.1%) y recibió capacitación sobre el tema hace unos meses (77.1%). Sin embargo, los fenómenos cardiovasculares en los hallazgos clínicos no alcanzaron una frecuencia satisfactoria, ya que los profesionales de enfermería no estuvieron de acuerdo (49.2%) sobre la hipovolemia, la vasodilatación periférica, la depresión miocárdica y el hipermetabolismo. Conclusión: el personal de enfermería tiene un buen conocimiento sobre el tema, pero hubo dificultades para evaluar correctamente los fenómenos cardiovasculares, lo que refuerza la necesidad de capacitación en relación con el protocolo institucional.

Descriptores: Calidad de la Atención de Salud; Sepsis; Signos y Síntomas; Grupo de Enfermería.


Texto completo:

PDF

Referências


Garrido F, Tieppo L, Pereira MDS, Freitas R, Freitas WM, Filipini R, et al. Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. ABCS health sci [Internet]. 2017 [acesso em 13 de abr. de 2019]; 42(1):15-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v42i1.944.

Barreto MFC, Dellaroza MSG, Kerbauy G, Grion CMC. Sepse em um hospital universitário: estudo prospectivo para análise de custo da hospitalização de pacientes. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2016 [acesso em 14 de abr. de 2019]; 50(2):302-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000200017.

Machado FR, Carrara F, Biasi AC, Bozza F, Lubarino J, Ferreira EM, et al. Prevalência e mortalidade por sepse grave e choque séptico em UTIs brasileiras. In: Anais do XI Fórum Internacional de Sepse [Internet]. 2014 [acesso em 13 de abr. de 2019]. Disponível em: http://forumsepse.com.br//2014/assets/tl/TL80.pdf.

Silva APRM, Souza HV. Sepse: importância da identificação precoce pela enfermagem. Rev Pró-UniverSUS [Internet]. 2018 [acesso em 20 de abr. em 2019]; 9(1):47-50. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/1266/948.

Melech CS, Paganini MC. Avaliação do conhecimento de médicos e equipe de Enfermagem nas ocorrências de sepse. Rev Med UFPR [Internet]. 2016 [acesso em 08 de abr. de 2019]; 3(3):127-32. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revmedicaufpr/article/view/47544/pdf.

Teles LS, Galdino LP, Lima MMP, Santos MM, Cardoso LA. Enfermagem frente à sepse: uma revisão literária. Intern Nurs Congress [Internet]. 2016 [acesso em 20 de abr. de 2019]; 9(12):1-4. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/view/6209/2341.

Viana RAPP, Machado FR, Souza JLA. Sepse, um problema de saúde pública: a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. 2ª ed. [Internet] COREN-SP ILAS; 2017 [acesso em 28 de maio de 2019]. Disponível em: https://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/livro-sepse-um-problema-de-saude-publica-coren-ilas.pdf.

Instituto latino americano de sepse. Implementação de protocolo gerenciado de sepse protocolo clínico, atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico [Internet]. 2018 [acesso em 28 de abr. de 2019]. Disponível em: https://ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/protocolo-de-tratamento.pdf.

Van den Hengel LC, Visseren T, Meima-cramer PE, Rood PPM, Schuit SCE. Knowledge about systemic inflammatory response syndrome and sepsis: a survey among Dutch emergency department nurses. Int. J Emerg Med [Internet]. 2016 [acesso em 23 de nov. de 2019]; 9(1):1-7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4945519/.

Goulart LS, Júnior MAF, Sarti ECFB, Sousa ÁFL, Ferreira AM, Frota OP. Are nurses updated on the proper management of patients with sepsis? Esc Anna Nery [Internet]. 2019 [acesso em 23 de nov. de 2019]; 23(4):e20190013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v23n4/pt_1414-8145-ean-23-04-e20190013.pdf.

Westphal GA, Silvia ABP, Sperotto MFG, Lucimeri MG, Bittencourt AR, Franzini VR, Koenig Á. An electronic warning system helps reduce the time to diagnosis of sepsis. Rev Bras ter intensiva [Internet]. 2018 [acesso em 23 de nov. de 2019]; 30(4):414-22. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0103-507x.20190013.

Lelis LS, Amaral MS, Oliveira FM. As ações de enfermagem frente à sepse, uma abordagem do paciente crítico. Rev Científica FacMais [Internet]. 2017 [acesso em 23 de nov. de 2019]; 11(4):50-66. Disponível em: http://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2018/01/3-as-a%c3%87%c3%95es-de-enfermagem-frente-%c3%80-sepse-uma-abordagem-do-paciente-cr%c3%8dtico-uma-revis%c3%83o-da-literatura.pdf.

Rosa RS, Silva OC, Picanço CM, Biondo CS, Andrade DMB, Prado IF. Intervenções de enfermagem nas alterações dos parâmetros clínicos cardiorrespiratórios em pacientes com sepse. Rev Enferm UFSM. [Internet]. 2018 [acesso em 23 de nov de 2019]; 8(2):399-409. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/24668/pdf.

Siqueira LDC, Santos MC, Calmon ITS, Junior PCS. Dimensionamento de profissionais de enfermagem da clínica médica de um hospital universitário. Enferm Foco [Internet]. 2019 [acesso em 23 de nov de 2019]; 10(4):34-39. Disponível em: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n4.2179.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n2.2951

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.