Percepção da população feminina sobre a Lei Maria da Penha

Brenda Dantas Ferraz, Selma Aparecida Silva, Ivandira Anselmo Ribeiro Simões

Resumo


Objetivo: conhecer a percepção das mulheres de uma cidade sul mineira a respeito do que elas sabem sobre a Lei Maria da Penha. Método: trata-se de um estudo qualitativo, exploratório, baseado no método Discurso do Sujeito Coletivo. Os participantes do estudo foram 20 mulheres com idade entre 18 a 60 anos. Resultados: Quanto às características das entrevistadas estão idade, profissão, estado civil, escolaridade, número de filhos e conhecimento da lei Maria da Penha. Dentro dos aspectos houve predomínio de 55% com idade de 20 a 29 anos, 60% são estudantes, 75% são mulheres solteiras, 75% têm ensino médio completo, 55% não têm filhos, e todas as participantes disseram conhecer a Lei Maria da Penha. Quanto à percepção sobre o que as mulheres sabem sobre a Lei Maria da Penha encontrou-se as seguintes ideias centrais: “Protege contra qualquer tipo de violência”; “Proteger de violência”; “Não sei”; “Defende os direitos das mulheres”; “Defende a dignidade”; “Proteção legal às mulheres”. Conclusão: As participantes do estudo sabem do que se trata a Lei Maria da Penha, mas não de forma aprofundada, sendo importante criar novas estratégias de divulgação da informação para atingir um maior número da população.

 Descritores: Violência Doméstica, Violência de Gênero, Feminismo.

 

 

PERCEPTION OF THE FEMALE POPULATION ABOUT THE MARIA DA PENHA LAW

Objective: to know the perception of women in of a southern city in Minas Gerais regarding what they know of Maria da Penha Law. Methodo: this is a qualitative, exploratory study, based on the Collective Subject Discourse method. The study participants were 20 women aged 18 to 60 years. Results: About the characteristics of the interviewees are age, profession, marital status, education, number of children and knowledge about the Maria da Penha law. Within the aspects there was a predominance of 55% aged 20 to 29 years, 60% are students, 75% are single women, 75% have completed high school, 55% have no children, and all participants said they know the Maria da Lei Penha. About the perception of what women know about the Maria da Penha Law, the following central ideas were found: “Protects against any type of violence”; "Protect from violence"; "Do not know"; “Defends the rights of women”; “Defends dignity”; “Legal protection for women”.Conclusion: The study participants know what the Maria da Penha Law is about, but not in depth, and it is important to create new strategies for disseminating information to reach a greater number of the population.

Descriptors: Domestic Violence, Gender violence, Feminism.

 

PERCEPCIÓN DE LA POBLACIÓN FEMENINA SOBRE LA LEY MARIA DA PENHA

Objetivo: conocer la percepción de las mujeres en una ciudad del sur de Minas Gerais sobre lo que saben sobre la Ley Maria da Penha. Método: estudio cualitativo, exploratorio, basado en el método del Discurso del Sujeto Colectivo. Los participantes del estudio fueron 20 mujeres de 18 a 60 años. Resultados: las características de los entrevistados incluyen edad, profesión, estado civil, educación, número de hijos y conocimiento de la ley Maria da Penha. Dentro de los aspectos tenemos un predominio del 55% de20 a 29 años, 60% son estudiantes, 75% son mujeres solteras, 75% han completado la escuela secundaria, 55% no tienen hijos, y todos los participantes dijeron que conocen la Ley Maria da Penha. Con respecto a la percepción de lo que las mujeres conocen sobre la Ley Maria da Penha, se encontraron las siguientes ideas centrales: "Protege contra cualquier tipo de violencia"; "Proteger de la violencia"; "No sé"; "Defiende los derechos de la mujer"; "Defiende la dignidad"; "Protección legal para las mujeres".Conclusión Los participantes en el estudio saben de qué se trata la Ley Maria da Penha, pero no en profundidad, y es importante crear nuevas estrategias para difundir información para llegar a un mayor número de la población.

Descriptores: La Violencia Doméstica, La Violencia de Género, Feminismo.


Texto completo:

PDF

Referências


Dalbem GG, Unicovsky MAR. A natureza das lesões traumáticas ocasionadas pela violência física em pacientes atendidos em serviço de emergência de um hospital público. Enferm Foco [Internet]. 2012 [cited 2020 Jan 22];2(2):81-7. Available from: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/260/148

Passos AIM, Gomes DAY, Gonçalves CDL. Perfil do atendimento de vítimas de violência sexual em Campinas. Rev Bioetica [Internet]. 2018 [cited 2020 Jan 11];26(1): 67-76. Available from: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v26n1/1983-8042-bioet-26-01-0067.pdf

Pereira NS. Violência doméstica contra a mulher: do medo à conscientização [Internet]. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora; 2017 [cited 2020 Jan 27]. Available from: http://www.ufjf.br/bach/files/2016/10/NEUSA-DE-SOUZA-PEREIRA.pdf

Barufaldi LA, Souto RMCV, Correia RSB, Montenegro MMS, Pinto IV, Silva MMAS, et al. Violência de gênero: comparação da mortalidade por agressão em mulheres com e sem notificação prévia de violência. Cienc Saude Coletiva [Internet]. 2017 [cited 2019 Nov 10];22(9):2929-38. Available from: https://doi.org/10.1590/1413-81232017229.12712017

Garcia LP. A magnitude invisível da violência contra a mulher. Epidemiol Serv Saude [Internet]. 2016 [cited 2020 Fev. 15];25(3):451-4. Available from: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v25n3/2237-9622-ess-25-03-00451.pdf

Bueno S, Lima RS, Sobral CNI, Pinheiro DM, Scarance V, Zapater M, et al. Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. 2. ed. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública; 2019.

Sampaio AA, Chalouhi MR, Azevedo RM, Santos TC, Adib NS, Souza ARG. Violência contra a mulher e os dispositivos legais de proteção. Rev Curso Dir Univers Braz Cubas [Internet]. 2017 [cited 2020 Jan 16]; 1(1):1-8. Available from: https://revistas.brazcubas.br/index.php/revdubc/article/view/251/403

Ribeiro KV, Soares MCS, Gonçalves CC, Medeiros IRN, Silva G. Eutanásia em paciente terminal: concepções de médicos e enfermeiros intensivistas. Enferm Foco [Internet]. 2011 [cited 2020 Jan 19];2(1):28-32. Available from: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/70/57

Lefèvre, F. Discurso do Sujeito Coletivo: novos modos de pensar nosso eu coletivo. São Paulo: Andreoli; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução n. 466 de 2012. Trata do respeito pela dignidade humana e pela especial proteção devida aos participantes das pesquisas científicas envolvendo seres humanos [Internet]. Diário Oficial da União; 2013 Jun 13 [cited 2018 Fev 26]. Available form: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Brasil. Organização das Nações Unidas. Cartilha direitos da mulher: prevenção à violência e ao HIV/AIDS; 2013.

Souza TMC, Xavier CV, Sá SF, Mendonça ND. Lei Maria da Penha: percepções de mulheres em contexto de violência intrafamiliar. Refacs [Internet]. 2018 [cited 2020 Jan 27],6(4):724-34. Available from: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/3287/3136

Soares BM. Enfrentando a violência contra a mulher: orientações práticas para profissionais e voluntários(as). Brasília (DF): Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres; 2005.

Carneiro AA, Fraga CK. A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada. Serv Soc Soc [Internet]. 2012 [cited 2020 Fev 10];1(110):369-97. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01016628201200020000

Brasil. Conselho Nacional de Justiça. Formas de violência contra a mulher [Internet]. Brasília (DF): CNJ; 2019 [cited 2020 Fev 11]. Available from: https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&uact=8&ved=2ahUKEwiO4KDyxqHmAhWCJ7kGHUx8B9EQFjABegQIAxAB&url=https%3A%2F%2Fwww.cnj.jus.br%2Fprogramas-e-acoes%2Fviolencia-contra-a mulher%2Fformas-de-violencia-contra-a-mulher%2F&usg=AOvVaw2M847ic8Eh0o84xI6kZT2v

Instituto Patrícia Galvão. Direitos, responsabilidades e serviços para enfrentar a violência Direitos, responsabilidades e serviços para enfrentar a violência [Internet]. São Paulo: Instituti Patrícia Galvão; 2019 [cited 2020 Jan 18]. Available from: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/violencias/acoes-direitos-e-servicos-para-enfrentar-a-violencia/

Siqueira DP, Sampaio AJF. Os direitos da mulheres no mercado de trabalho: da discriminação de gênero à luta pela igualdade. Rev Direito Debate [Internet]. 2017 [cited 2020 Jan 18];26(48):287-325. Disponível em: https://revistas.unijui.edu.br/index.php/revistadireitoemdebate/article/view/7233

Ferrari R. O empoderamento da mulher [Internet]. Santa Catarina: FAP]; 2013. Available from: http://www.fap.sc.gov.br/noticias/empoderamento.pdf

Brasil. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para cobrir a violência doméstica e familiar contra a mulher [Internet]. Diário Oficial da União; 2006 Ago 8 [cited 2020 Fev 11]. Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Brasil. Lei nº 13.827, de 13 de maio de 2019. Altera a Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha) para autorizar, nas hipóteses que especifica, a aplicação de medida protetiva [Internet]. Diário Oficial da União; 2019 Maio 14 [cited 2020 Jan 29]. Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13827.htm

Marciano SM, Filho MM, Pereira MC, Filha FSC, Santos GC. Feminicídio: uma análise aplicada sob a Lei Maria da Penha. Rev Processus Estud Gest Jur Fin [Internet]. 2019;10(39):105-21. Available from: http://periodicos.processus.com.br/index.php/egjf/article/view/9




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n4.3260

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.