Caracterização das causas externas atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

Magda Milleyde de Sousa Lima, Francisco José Magalhães Brandão, Dariane Veríssimo de Araújo, Joselany Áfio Caetano, Lívia Moreira Barros

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil dos atendimentos por causas externas do serviço de atendimento móvel de urgência. Método: Estudo documental, retrospectivo e quantitativo, realizado no serviço de atendimento móvel de urgência, no noroeste do Ceará, por meio da análise de 2251 fichas de atendimentos no período de novembro de 2017 a outubro de 2018. Os dados foram analisados pelo software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 24. Resultados: Houve o predomínio de homens, com idade entre 20 a 49 anos, não apresentando hálito etílico. As principais causas externas foram quedas e colisões, com predomínio nos meses de junho, abril e dezembro. O principal veículo utilizado foram ambulâncias de suporte básico, com destino ao hospital de traumatologia seguindo o tempo resposta preconizado pela literatura. Conclusão: O atendimento pré-hospitalar realizado pelo serviço móvel apresenta um perfil específico relacionado ao sexo, faixa etária, queixa principal e tempo resposta durante a assistência de vítimas de causas externas.

Descritores: Assistência pré-hospitalar; Emergências; Perfil de saúde

CHARACTERIZATION OF EXTERNAL CAUSES ASSISTED BY THE MOBILE EMERGENCY SERVICE

Objective: To analyze the profile of calls for external causes of the mobile emergency service. Methods: Documentary, retrospective and quantitative study, carried out in the mobile emergency care service, in northwestern Ceará, through the analysis of 2251 attendance records from November 2017 to October 2018. The data were analyzed using the Statistical software Package for the Social Sciences (SPSS), version 24. Results: There was a predominance of men (68.6%), aged between 20 and 49 years (62.0%), with no ethyl breath (72.4%). The main external causes were falls with a rate of 50.2% among women and 41.9% among men, followed by collisions with a rate of 28.9% among women and 31% among men. The predominant months were June (10.2%), April (8.8%) and December (8.8%). The main vehicle used was basic support ambulances (87.5%), destined for the trauma hospital (86.3%), with a response time of 7.81 minutes to the place of the occurrence. Conclusion: The prehospital care provided by the mobile service has a specific profile related to sex, age group, main complaint and response time when assisting victims of external causes.

Descriptors: Prehospital care; Emergencies; Health profile.

CARACTERIZACIÓN DE CAUSAS EXTERNAS ASISTIDAS POR EL SERVICIO DE EMERGENCIA MÓVIL

Objetivo: Analizar el perfil de llamadas por causas externas del servicio de emergencia móvil. Métodos: Estudio documental, retrospectivo y cuantitativo, realizado en el servicio móvil de atención de emergencias, en el noroeste de Ceará, mediante el análisis de 2251 registros de asistencia desde noviembre de 2017 a octubre de 2018. Los datos fueron analizados mediante el software estadístico Paquete para las Ciencias Sociales (SPSS), versión 24. Resultados: Predominó el sexo masculino (68,6%), con edades comprendidas entre 20 y 49 años (62,0%), sin aliento etílico (72,4%). Las principales causas externas fueron las caídas con una tasa del 50,2% entre las mujeres y el 41,9% entre los hombres, seguidas de las colisiones con una tasa del 28,9% entre las mujeres y el 31% entre los hombres. Los meses predominantes fueron junio (10,2%), abril (8,8%) y diciembre (8,8%). El principal vehículo utilizado fueron las ambulancias de apoyo básico (87,5%), con destino al hospital de traumatología (86,3%), con un tiempo de respuesta de 7,81 minutos al lugar del hecho. Conclusión: La atención prehospitalaria que brinda el servicio móvil tiene un perfil específico relacionado con el sexo, el grupo de edad, la queja principal y el tiempo de respuesta en la atención a víctimas de causas externas.

Descriptores: Atención prehospitalaria; Urgencias médicas; Perfil de salud.


Texto completo:

PDF

Referências


Silva AD, Alves GCQ, Amaral EMS, Ferreira LA, Dutra CM, Ohl RIB et al. Vítimas de acidente motociclístico atendidas em hospital público de ensino. REME rev. min. enferm. [Internet]. 2018 [cited 2019 Jul 22]; 22:e-1075. Available from: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20180005.

Malta DC, Saltarelli RMF, Prado RR, Monteiro RA, Almeida MF. Mortes evitáveis no Sistema Único de Saúde na população brasileira, entre 5 e 69 anos, 2000 - 2013. Rev. bras. epidemiol. [Internet]. 2018 [cited 2020 Mar 19]; 21:e180008. Available from: https://doi.org/10.1590/1980-549720180008.

Souza JD, Júnior JMP, Miranda FAN. Stresse em serviço de urgência e os desafios para enfermeiros brasileiros e portugueses. Rev. Enf. Ref. [Internet]. 2017 [cited 2020 Mar 19]; IV(12): 107-116. Available from: http://dx.doi.org/10.12707/RIV16064

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Rede de Atenção às Urgências e Emergências: Avaliação da Implantação e do Desempenho das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Brasília, DF: CONASS, 2015.

O’Dwyer G, Konder MT, Reciputti LP, Macedo C, Lopes MGM. O processo de implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Brasil: estratégias de ação e dimensões estruturais. Cadernos de Saúde Pública. [Internet]. 2017 [cited 2020 Mar 20]; 33 (7): e00043716. Available from: https://doi.org/10.1590/0102-311x00043716.

Tavares TY, Santana JCB, Eloy MD, Oliveira RD, Paula RF . O Cotidiano dos Enfermeiros que Atuam no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. [Internet]. 2017 [cited 2019 Jul 20]; 7:e1466. Available from: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v7i0.1466

Junior EFG, Medeiros S, Augusta C. Análise documental: uma metodologia da pesquisa para a Ciência da Informação. Temática. [Internet]. 2017 [cited 2020 Mar 21]; 13(7), 138-50. Available from: https://www.periodicos.ufpb.br/index.php/tematica/article/view/35383/18042

Almeida PMV, Dell'Acqua MCQ, Cyrino CMS, Juliani CMCM, Palhares VC, Pavelqueires S. Análise dos atendimentos do SAMU 192: Componente móvel da rede de atenção às urgências e emergências. Esc. Anna Nery. [Internet]. 2016 [cited 2019 Jul 20]; 20(2): 289-295. Available from: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160039

Organização Mundial da Saúde. Road traffic injuries. Fact sheet. Geneva: WHO; 2016. [citado 2019 jul 20]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs358/en/

Mendonça MSF, Silva APSC, Castro CCL. Análise espacial dos acidentes de trânsito urbano atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: um recorte no espaço e no tempo. Rer. bras. epidemiol. [Internet]. 2017 [cited 2019 Jul 22]; 20(4): 727-741. Available from: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700040014

Ferreira JIC, Martins ERC, Ramos RCA, Costa CMA, Alves RN, Lima B. Políticas públicas de atenção integral a saúde do homem: desafios para a enfermagem. Rev. enf. UERJ. [Internet]. 2016 [cited 2019 Set 12]. 24(6): e7631. Available from: doi: https://doi.org/10.12957/reuerj.2016.7631

Ciconet RM. Tempo resposta de um serviço de atendimento móvel de urgência [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015.

Tibães HBB, Silva DM, Alves M, Penna CMM , Brito MJM. Perfil de Atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Norte de Minas Gerais. Rev Fun Care Online. [Internet]. 2018 [cited 2019 Set 12]. 10(3): 675-682. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-906265

Campos MR, Doellinger VRV, Mendes LVP, Costa MFS, Pimentel TG, Schramm JMA. Diferenciais de morbimortalidade por causas externas: resultados do estudo Carga Global de Doenças no Brasil, 2008. Cad. Saúde Pública. [Internet]. 2015 [cited 2019 Set 27]; 31(1): 121-136. Available from: https://doi.org/10.1590/0102-311X00191113.

Ribeiro AP, Souza ER, Sousa CAM, Freitas MG. Quedas acidentais nos atendimentos de urgência e emergência: resultados do VIVA Inquérito de 2014. Ciência & Saúde Coletiva. [Internet]. 2016 [cited 2019 Set 27] 21: 3719-3727. Available from: https://doi.org/10.1590/1413-812320152112.18452016.

Rios PAA, Mota ELA, Ferreira LN, Cardoso JP, Santos GJ, Rodrigues TB. Acidentes de trânsito com condutores de veículos: incidência e diferenciais entre motociclistas e motoristas em estudo de base populacional. Rev. bras. epidemiol. [Internet]. 2019 [cited 2020 Mar 19]; 22: e190054. Available from: https://doi.org/10.1590/1980-549720190054.

Melo ACM, Garcia LP. Fatores associados a agressões por desconhecidos entre jovens do sexo masculino atendidos em serviços de urgência e emergência: estudo de casos e controles. Ciênc. saúde coletiva. [Internet]. 2019 [cited 2020 Mar 19]; 24(8): 2825-2834. Available from: https://doi.org/10.1590/1413-81232018248.31172017.

Ribeiro NM, Castro SS, Scatena LM, Haas VJ. Análise da tendência temporal do suicídio e de sistemas de informações em saúde em relação às tentativas de suicídio. Texto contexto - enferm. [Internet]. 2018 [cited 2019 Out 21]; 27(2): e2110016. Available from: https://doi.org/10.1590/0104-070720180002110016.

Soares LS, Sousa DACM, Machado ALG, Silva GRF. Caracterização das vítimas de traumas por acidente com motocicleta internadas em um hospital público. Rev. enf. UERJ. [Internet]. 2015 [cited 2019 Out 21] 23(1): 115-121.

Available from: https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.15599.

Machado IE, Monteiro MG, Monteiro RA, Lana FCF, Gawryszewski VP, Malta DC. Trends in mortality rates where alcohol was a necessary cause of death in Brazil, 2000–2013. Rev Panam Salud Publica. [Internet]. 2018 [cited 2020 Mar 19]; 42:e9. Available from: https://scielosp.org/pdf/rpsp/2018.v42/e9/en.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 356, de 8 de abril de 2013. Adequar e nortear o cadastramento do componente assistencial móvel da Rede de Atenção às Urgências no SCNES. Diário Oficial da União, Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

National Association of Emergency Medical Technicians. PHTLS: atendimento pré-hospitalar ao traumatizado. 8. ed. Estados Unidos da América: Burlington: Jones & Bartlett Learning, 2016.

Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 2.110/2014 de 19 de Novembro de 2014. Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos Serviços Pré-Hospitalares Móveis de Urgência e Emergência, em todo o território nacional. Diário Oficial da União. 2014 Nov. 19; (199 seção 1).

Booker MJ, Shaw ARG, Purdy S. Why do patients with ‘primary care sensitive’problems access ambulance services? A systematic mapping review of the literature. BMJ open. [Internet]. 2015 [cited 2020 Jan 12] 5(5): e007726. Available from: https://bmjopen.bmj.com/content/5/5/e007726.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n6.3341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.