Vulnerabilidade funcional e queda de idosos: quais fatores estão associados?

Isabelle Iosif Rodrigues, Marcia Regina Martins Alvarenga

Resumo


Objetivo: Analisar se há associação entre o nível de vulnerabilidade funcional com a ocorrência de quedas, as condições sociodemográficas e as de saúde. Método: Pesquisa transversal, de caráter analítico e abordagem quantitativa realizada com idosos de 60 anos ou mais, de ambos os sexos e cadastrados na Estratégia de Saúde da Família de Dourados, MS, no período de junho a novembro de 2018. Para avaliar a vulnerabilidade funcional utilizou-se o Vulnerable Elders Survey-13 (VES13). Resultados: Participaram do estudo 136 idosos, sendo 68,4% do sexo feminino, 30,1% sofreram quedas, 58,8% encontravam-se com nível de vulnerabilidade funcional elevado e a análise de associação destacou que sexo feminino e analfabetismo tem relação com vulnerabilidade funcional (p<0,050). Conclusão: Constatou-se elevada taxa de vulnerabilidade funcional entre os idosos, necessitando do olhar holístico da enfermagem para promover a saúde, prevenir quedas e proporcionar melhor qualidade de vida da população idosa.

Descritores: Saúde do idoso; Vulnerabilidade; Quedas.

FUNCTIONAL VULNERABILITY OF ELDERLY: WHICH FACTS ARE ASSOCIATED?

Objective: Analise if there is an association between the level of Functional Vulnerability, accidents such as falling, social-demographic and health. Methods: This analytical research had in contact with 136 elderly in the age of 60 or plus, both genders, 68,4% female, 31.6% male, and registers at the Family Health Strategy, Dourados, MS, during the months of june to november of 2018. For measuring the Functional Vulnerability was used the Vulnerable Elders Survey-13 (VES 13). Results: 136 elderly people participated in the study, 68.4% of whom were female, 30.1% suffered falls, 58.8% were at a high level of functional vulnerability and the association analysis highlighted that female sex and illiteracy is related to vulnerability functional (p<0.050). Conclusion: There was a high rate of funcional vulnerability among the elderly, requiring a wide sight of nursing to promote health, prevent falls and provide a better quality of life for the elderly population.

Descriptors: Health of the elderly; Vulnerability analysis; Accidental falls.

VULNERABILIDAD FUNCIONAL Y CAÍDA DE LOS ANCIANOS: ¿QUÉ FACTORES ESTÁN ASSOCIADOS?

Objetivo: Analizar si hay asociación entre el nivel de vulnerabilidad funcional con la ocurrencia de caídas, las condiciones sociodemográficas y las de salud. Métodos: Investigación transversal, de carácter analítico y enfoque cuantitativo realizada con ancianos de 60 años o más, de ambos sexos y registrados en la Estrategia de Salud de la Familia de Dourados, MS, en el período de junio a noviembre de 2018. Para evaluar la vulnerabilidad funcional se utilizó el Vulnerable Elders Survey-13 (VES13). Resultados: Participaron del estudio 136 ancianos, siendo el 68,4% del sexo femenino, 30,1% sufrieron caídas, 58,8% se encontraban con nivel de vulnerabilidad funcional elevado y el análisis de asociación destacó que sexo femenino y analfabetismo tiene relación con vulnerabilidad funcional (<0,050). Conclusión: Se constató una elevada tasa de vulnerabilidad funcional entre los ancianos, necesitando la mirada holística de la enfermería para promover la salud, prevenir las caídas y proporcionar una mejor calidad de vida a la población anciana.

Descriptores: Salud del anciano; Análisis de vulnerabilidad; Accidentes por caídas.


Texto completo:

PDF

Referências


Cruz RR, Beltrame V, Dallacosta FM. Envelhecimento e vulnerabilidade: análise de 1.062 idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2019;22(3):e180212. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbgg/v22n3/pt_1809-9823-rbgg-22-03-e180212.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Dalpubel D, Rossi PG, Almeida ML, Ribeiro EB, Araújo R, Andrade LP et al. Queixa subjetiva de memória e relação com alterações cognitivas e vulnerabilidade física de idosos da comunidade. Dement Neuropsychol. 2019; 13(3):343-349. Disponível em: http://demneuropsy.com.br/detalhe_artigo.asp?id=793 acesso em: 13 jun 2020.

Amancio TG, Oliveira MLC, Amancio VS. Fatores que interferem na condição de vulnerabilidade do idoso. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2019;22(2):e180159. Disponível em: acesso em: https://www.scielo.br/pdf/rbgg/v22n2/pt_1809-9823-rbgg-22-02-e180159.pdf acesso em 13 jun 2020.

Cruz DT, Cruz FM, Chaoubah A, Leite ICG. Fatores associados a quedas recorrentes em uma coorte de idosos. Cad. Saúde Colet. 2017;25 (4): 475-482. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cadsc/v25n4/1414-462X-cadsc-25-4-475.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Brasil. Quedas em Idosos: Prevenção. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. 2008. Disponível em: https://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2014/10/queda-idosos.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Cruz DT, Cruz FM, Ribeiro AL, Veiga CL, Leite ICG. Associação entre capacidade cognitiva e ocorrência de quedas em idosos. Cad. Saúde Colet. 2015;23 (4): 386-393. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cadsc/v23n4/1414-462X-cadsc-23-4-386.pdf acesso em:13 jun 2020.

Freitas TS, Cândido ASC, Fagundes IB. Queda em idosos causas extrínsecas e intrínsecas e suas consequências. Rev. Enferm. Contem. 2014;3(1):70-79. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/292/301 acesso em: 13 jun 2020.

Oliveira AS, Trevizan PF, Bestetti MLT, Melo RC. Fatores ambientais e risco de quedas em idosos: revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2014;17(3):637-645. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbgg/v17n3/1809-9823-rbgg-17-03-00637.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Ministério da Saúde (BR). Portaria aprova os protocolos básicos de segurança do paciente. 2013. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2095_24_09_2013.html#:~:text=PORTARIA%20N%C2%BA%202.095%2C%20DE%2024,B%C3%A1sicos%20de%20Seguran%C3%A7a%20do%20Paciente. acesso em: 13 jun 2020.

Luz LL et al.colocar et al somente apenas seis nomes Primeira etapa da adaptação transcultural do instrumento The Vulnerable Elders Survey (VES-13) para o português. Cad. Saúde Pública, 2013;29(3):621-628. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v29n3/a19v29n3.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Cabral JF, Silva AMC, Mattos IE, Neves AQ, Luz LL, Ferreira DB et al. Vulnerabilidade e fatores associados em idosos atendidos pela Estratégia Saúde da Família. 2019;24(9):3227-3236. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2019.v24n9/3227-3236/pt acesso em: 13 jun 2020.

Brasil, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo de 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/ acesso em: 13 jun 2020.

Balbinot G, Uscocovich KJSO. Risco de vulnerabilidade dos idosos de uma unidade de saúde da família no oeste paranaense. 2019;2(2):13-19. Disponível em: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/260/87 acesso em: 13 jun 2020.

Silva PO, Aguiar BM, Vieira MA, Costa FM, Carneiro JA. Prevalência de sintomas depressivos e seus fatores associados em idosos atendidos por um centro de referência. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2019;22(5):e190088. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbgg/v22n5/pt_1809-9823-rbgg-22-05-e190088.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Lima, CAB, Carvalho JL, Aquino RCA. Avaliação de vulnerabilidade do idoso através da adaptação transcultural do instrumento de identificação do idoso vulnerável ves-13. 2017. Disponível em: https://reer.emnuvens.com.br/reer/article/view/115. acesso em: 13 jun 2020.

Barbosa KTF, Costa KNFM, Pontes MLF, Batista PSS, Oliveira FMRL, Fernandes MGM. Envelhecimento e vulnerabilidade individual: um panorama dos idosos vinculados à estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2017;26(2):e2700015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v26n2/pt_0104-0707-tce-26-02-e2700015.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Duarte GP, Santos JLF, Lebrão ML, Duarte YAO. Relação de quedas em idosos e os componentes de fragilidade. 2018; 21(SUPPL 2): E180017.SUPL.2. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v21s2/1980-5497-rbepid-21-s2-e180017.pdf acesso em: 13 jun. 2020.

Silva IGP, Peruzzo HE, Lino IGT, Marquete VF, Marcon SS. Perfil sociodemográfico e clínico de idosos em risco de quedas no sul do Brasil. J. nurs. health. 2019;9(3):e199308. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2019/12/1047300/5.pdf acesso em: 13 jun 2020.

Carvalho CJA, Bocchi SCM. Idoso reconhecendo-se vulnerável a quedas na concretude da fratura do fêmur. Rev. Bras. Enferm. 2017;70(2):296-303. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v70n2/pt_0034-7167-reben-70-02-0279.pdf acesso em 13 jun 2020.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n6.3357

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.