Familiaridade dos profissionais de saúde sobre os critérios de diagnósticos de morte encefálica

Juanito Rubenito Florentino da Silva, Maiara Honorato de Moura Silva, Vania Pinheiro Ramos

Resumo


Este trabalho teve por objetivo verificar a familiaridade de intensivistas, médicos e enfermeiros, com relação ao diagnóstico de morte encefálica, em quatro hospitais de Recife no período de março de 2008 a outubro de 2009, através de entrevista semiestruturada. Os principais resultados encontrados incluem um alto grau de desconhecimento dos intensivistas sobre a avaliação e constatação de morte encefálica, conforme determina a resolução do CFM que regulamenta os critérios de morte encefálica e o fornecimento do Termo de Declaração de Morte Encefálica. O diagnóstico de morte encefálica precisa ser entendido e conhecido por médicos e enfermeiros intensivistas.
Descritores: Critérios Diagnósticos de Morte Encefálica, Familiaridade, Profissionais de Saúde.

Familiarity of health professionals about the diagnostic criteria for brain death

This study aimed to determine the familiarity of intensivists, physicians and nurses to diagnose brain death in four hospitals in Recife from March 2008 to October 2009, using semistructured interviews. The main findings include a high degree of ignorance of the intensivists on the evaluation and determination of brain death, as determined by CFM resolution regulating the criteria for brain death and the provision of the Terms of Brain Death Certificate. The diagnosis of brain death needs to be understood and known by physicians and nurses.
Descriptors: Diagnostic Criteria for Brain Death, Familiarity, Health Professionals.

La familiaridad de los profesionales de la salud sobre los criterios para el diagnóstico de muerte cerebral

Este estudio tuvo como objetivo determinar la familiaridad de los intensivistas, médicos y enfermeras para el diagnóstico de muerte encefálica en cuatro hospitales de Recife desde marzo 2008 a octubre 2009, con entrevistas semiestructuradas. Los principales resultados incluyen un alto grado de ignorancia de los intensivistas en la evaluación y determinación de muerte encefálica, según lo determinado por la resolución CFM que reglamenta los criterios de muerte cerebral y la prestación de los Términos de declaración de muerte encefálica. El diagnóstico de muerte encefálica debe ser entendido y conocido por los médicos y enfermeras.
Descriptores: Criterios para el Diagnóstico de Muerte Encefálica, Familiaridad, Profesionales de la Salud.

Texto completo:

PDF

Referências


Morato EG. Morte encefálica: conceito, essências, diagnóstico e atualização. Rev Med Minas Gerais. 2009;19(3):227-36.

Bitencourt AGV. Avaliação do conhecimento de estudantes de medicina sobre morte encefálica. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19(2).

Harvard Medical School. A definition of irreversible coma: report of the ad hoc committee of the Harvard Medical School to examine the definition of brain death. JAMA. 1968;205:337-40.

Conselho Federal de Medicina (BR). Resolução n° 1.480. A morte encefálica será caracterizada através da realização de exames clínicos e complementares durante intervalos de tempo variáveis, próprios para determinadas faixas etárias. Revoga-se a Resolução CFM nº 1.346/91. Brasília: Diário Oficial da União; n. 160, 21 ago. 1997. Seção 1, p. 18.227-8.

Leite GB. Detecção do potencial doador de órgãos. In: Ferreira U, coordenador. Captação de órgãos para transplante. Campinas: Tecla Tipo; 1997.

Garcia LVD. Por uma política de transplantes no Brasil. São Paulo: Office; 2000.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n° 292 de 7 de junho de 2004. Normatiza a atuação do enfermeiro na captação e transplante de órgãos e tecidos. In: Conselho Federal de Enfermagem – SP. Rev Coren-SP. 2004(52):18-9.

Ministério da Saúde (BRl). Conselho Nacional de Saúde, Comitê Nacional de Ética em Pesquisa com Seres Humanos. Resolução No 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.

Conselho Federal de Medicina. Processo Consulta nº 7311/97. Parecer sobre morte encefálica – aspectos legais desligar os aparelhos – CFM – Brasil/1998. Relator: Nei Moreira da Silva. Parecer aprovado em Sessão Plenária de 17/6/98 [Internet]. [citado em 2009 Ago 6]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/bioetica/par7311.htm.

Kaufman DC. The final diagnosis: brain death. Crit Connections. 2004:1-11.

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.826 de 6 de dezembro de 2007. Dispõe sobre a legalidade e o caráter ético da suspensão dos procedimentos de suporte terapêuticos quando da determinação da morte encefálica de indivíduo não-doador [Internet]. [citado em 2009 Nov 10]. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2007/1826_2007.htm.

Conselho Federal de Medicina. Processo consulta nº 8563/200. Parecer sobre diagnóstico de morte encefálica – CFM – Brasil/2001. Relator Solimar Pinheiro da Silva. Parecer aprovado em Sessão Plenária de 21/11/01 [Internet]. [citado em 2009 Ago 02]. Disponível em: http://www.portalmédico.or.br/pareceres/cfm/2001/42_htm.

Central de Transplantes de Pernambuco [Internet]. [citado em 2009 Jan 12]. Disponível em: http://www.transplantes.pe.gov.br.

Sardinha LAC, Dantas Filho VP. Morte encefálica. In: Cruz J, editor. Neurointensivismo. São Paulo: Atheneu; 2002. p. 235-59.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2010.v1.n3.36

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.