Avaliação das crenças parentais no cuidado domiciliar do recém-nascido prematuro

Paula Luísa Lima Melo de Barros, Jacqueline Andréia Bernardes Leão-Cordeiro, Rogério José de Almeida, Cesar Augusto Sam Tiago Vilanova-Costa, Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva

Resumo


Objetivo: Avaliar as crenças que norteiam o cuidar do recém-nascido prematuro em domicílio, na perspectiva da mãe cuidadora. Método: Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. Foram realizadas 30 entrevistadas semiestruturadas com mães que tiveram filhos prematuros. Para a análise dos discursos apreendidos nas entrevistas foi utilizada a Teoria Fundamentada nos Dados. Resultados: As mães de recém-nascidos prematuros apresentaram baixa renda, pouco acesso ao sistema de saúde e eram moradoras de áreas consideradas geográfica e economicamente menos favorecidas. Evidenciou-se que as mães apresentaram medo e insegurança ao cuidar dos seus filhos e não receberam apoio da Estratégia Saúde da Família. Conclusão: As mães do estudo relataram grande interferência na adoção das práticas parentais no domicílio, principalmente da avó e não se sentem preparadas para cuidar do filho prematuro, em casa, por sentirem medo de realizar os cuidados.


Texto completo:

PDF

Referências


Lawn JE, Gravett MG, Nunes TM, Rubens CE, Stanton C, Gapps Review Group. Global report on preterm birth and stillbirth (1 of 7): definitions, description of the burden and opportunities to improve data. BMC Pregnancy Childbirth. 2014;10(suppl 1):1-22. DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2393-10-S1-S1

Corrêa AR, Andrade AC, Manzo BF, Couto DL, Duarte ED. As práticas do cuidado centrado na família na perspectiva do enfermeiro da unidade neonatal. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2015;19(4):629-34. DOI: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150084

Pacheco STA, Rodrigues BMRD, Dionísio MCR, Machado ACC, Coutinho KAA, Gomes APR. Cuidado centrado na família: aplicação pela enfermagem no contexto da criança hospitalizada. Rev. Enferm. UERJ. 2013;21(1):106-12.

Souza KMO, Ferreira SD. Assistência humanizada em UTI neonatal: os sentidos e as limitações identificadas pelos profissionais de saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2010;15(2):471-80. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000200024

Baraldi NG, Praça NS. Práticas de cuidado do recém-nascido baseadas no contexto de vida da puérpera. Cienc Cuid Saude. 2013;12(2):282-89. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v12i2.19596

Melo MCP, Gomes LMA, Mistura C, Cruz DD, Ferreira AC, Fernandes CX. Saberes populares e produção de saúde: repensando práticas no cuidado materno-infantil. Rev. APS. 2015;18(4):492-99.

Cunha ALC, Souza NL, Rêgo RMAR, Santos ACBCP, Miranda JMA. Visita aberta em uma unidade de terapia intensiva neonatal: percepção dos visitantes. Rev Rene. 2014;15(1):45-51. DOI: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2014000100007

Soares RLSF, Christofell MM, Rodrigues EC, Machado MED, Cunha AL. Ser pai de recém-nascido prematuro na unidade de terapia intensiva neonatal: da idade a paternidade. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2015;19(3):409-16. DOI: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150054

Richardson RJ. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Editora Atlas; 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Perfil demográfico de Guanambi-BA, 2017. [Internet]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/.

Gasque KCGD. Teoria fundamentada: nova perspectiva à pesquisa exploratória. In: Mueller SPM (orgs.). Métodos para a pesquisa em ciência da informação. Brasília: Thesaurus; 2007, 83-118.

Baseggio DB, Dias MPS, Brusque SR, Donelli TMS, Mendes P. Vivências de mães e bebês prematuros durante a internação neonatal. Temas psicol. 2017;25(1):153-67. DOI: http://dx.doi.org/10.9788/TP2017.1-10

Dantas MMC, Araújo PCB, Revorêdo LS, Pereira HG, Maia EMC. Mães de recém-nascidos prematuros e a termo hospitalizados: avaliação do apoio social e da sintomatologia ansiogênica. Act. Colom. Psicol. 2015;18(2):129-38. DOI: http://www.dx.doi.org/10.14718/ACP.2015.18.2.11

Nunes VH, Pedrosa GB. Cárie dentária em crianças de 5 anos: fatores sociodemográficos, lócus de controle e atitudes parentais. Ciênc. saúde coletiva. 2017;22(1):191-200. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017221.13582015

Keller H. Autonomy and relatedness revisited: cultural manifestations of universal human needs. Child Dev Perspect. 2012;6(1):12-8. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1750-8606.2011.00208.x

Keller H, Kartner J. Development: the cultural solution of universal developmental tasks. In: Chiu GCY, Hong YY (orgs.). Advances in culture and psychology. New York: Oxford University; 2013, 63-116. DOI: https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199930449.003.0002

Macarini SM, Crepaldi MA, Vieira ML. A questão da parentalidade: contribuições para o trabalho do psicólogo na terapia de famílias com filhos pequenos. Pensando fam. 2016;20(2):27-42.

Frota MA, Silva PFR, Moraes SR, Martins EMCS, Chaves EMC, Silva CAB. Alta hospitalar e o cuidado do recém-nascido prematuro no domicílio: vivência materna. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2013;17(2):277-83. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000200011

Zani AV, Tonete VLP, Parada CMGL. Cuidados a recém nascidos de baixo peso por equipes de saúde da família: revisão integrativa. Rev enferm UFPE. 2014;8(5):1347-56. DOI: https://doi.org/10.5205/reuol.5863-50531-1-ED.0805201432

Melca FMA. Ser uma avó cuidadora-um estudo de casos. Tese de doutorado. 186f. Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares de Comunidades e Ecologia Social. Instituto de Psicologia. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2013.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n4.3799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.