Aspectos da Violência Obstétrica Institucionalizada

Elys Oliveira Bezerra, Ismael Brioso Bastos, Ana Karoline Barros Bezerra, Priscila de Vasconcelos Monteiro, Maria Lúcia Duarte Pereira

Resumo


Objetivo: Descrever aspectos de violência obstétrica vivenciada durante o trabalho de parto e parto. Método: Pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa, realizada entre maio e agosto de 2016 em unidade básica de saúde de município da região norte do Ceará. Os participantes foram gestantes adscritas no território de abrangência da referida unidade, que realizavam acompanhamento pré-natal com a equipe multiprofissional do serviço. Realizou-se entrevista semiestruturada abordando perfil sociodemográfico, econômico e história obstétrica, percepções, experiências e expectativas acerca do parto. Resultados: A partir da transcrição das entrevistas, com posterior Análise de Conteúdo do discurso das participantes, elencou-se diferentes formas de violência obstétrica, estas vivenciadas através da comunicação, cuidado prestado e processos de trabalho nos atendimentos, violação de direitos e violação contra o corpo feminino. Conclusão: Evidencia-se a necessidade dos profissionais de saúde se sensibilizarem para mudanças de rotinas e garantia de um cuidado livre de situações tidas como violência obstétrica, assegurando a mulher durante o ciclo gravídico-puerperal.

Descritores: Gestantes; Parto; Violência contra a Mulher; Atenção à Saúde; Institucionalização.

ASPECTS OF INSTITUTIONALIZED OBSTETRIC VIOLENCE

Objective: To describe aspects of obstetric violence experienced during labor and delivery. Methods: Descriptive research, with a qualitative approach, carried out between May and August 2016 in a basic health unit in a municipality in the northern region of Ceará. Participants were pregnant women registered in the territory covered by the unit, who underwent prenatal care with the multidisciplinary service team. A semi-structured interview was conducted addressing socio-demographic, economic and obstetric history, perceptions, experiences and expectations about childbirth. Results: From the transcription of the interviews, with subsequent Content Analysis of the participants’ discourse, different forms of obstetric violence were listed, these experienced through communication, care provided and work processes in attendance, violation of rights and violation of Feminine body. Conclusion: The need for health professionals to become aware of changes in routines and the guarantee of care free from situations considered to be obstetric violence is evident, ensuring women during the pregnancy-puerperal cycle.

Descriptors: Pregnant women; Parturition; Violence against women; Health care (public health); Institutionalization.

ASPECTOS DE LA VIOLENCIA OBSTÉTRICA INSTITUCIONALIZADA

Objetivo: Describir aspectos de la violencia obstétrica experimentados durante el parto y el parto. Métodos: Investigación descriptiva, con enfoque cualitativo, realizada entre mayo y agosto de 2016 en una unidad básica de salud en un municipio de la región norte de Ceará. Las participantes eran mujeres embarazadas registradas en el territorio cubierto por la unidad, que se sometieron a atención prenatal con el equipo de servicio multidisciplinario. Se realizó una entrevista semiestructurada sobre historia, percepciones, experiencias y expectativas sociodemográficas, económicas y obstétricas sobre el parto. Resultados: A partir de la transcripción de las entrevistas, con el posterior análisis de contenido del discurso de los participantes, se enumeraron diferentes formas de violencia obstétrica, que se experimentaron a través de la comunicación, la atención brindada y los procesos de trabajo en la asistencia, violación de derechos y violación de Cuerpo femenino. Conclusión: Es evidente la necesidad de que los profesionales de la salud se den cuenta de los cambios en las rutinas y la garantía de atención sin situaciones consideradas violencia obstétrica, lo que garantiza a las mujeres durante el ciclo embarazo-puerperal.

Descriptores: Mujeres embarazadas; Parto; Violencia contra la mujer; Atención a la salud; Institucionalización.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. [Internet] Brasília, DF: MS, 381p; 2016. [acesso em: 19 mai 2017]. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/2016/Relatorio_Diretriz-PartoNormal_CP.pdf

Junqueira TL, Coelho ASF, Sousa MC, Silva Louro N, Silva PS, Almeida NAM. Gestantes que recebem informações de profissionais de saúde conhecem seus direitos no período gravídico-puerperal. Enfermagem em Foco [Internet] 2019 [acesso em 12 jan 2020] 10(4). Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/2213/607

Martins AC, Barros GM. Will you give birth in pain? Integrative review of obstetric violence in Brazilian public units. Rev Dor [Internet]. 2016. [acesso em: 19 mai 2017] 17(3):215-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20160074

Cassiano AN. et al. Expresiones de violencia institucionalizada en el parto: una revisión integradora. Enfermería Global [Internet]. 2016 [acesso em: 19 mai 2017] 44. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/view/236891/198151

Brasil. Ministério da Saúde. Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar. [Internet] Brasília, DF: MS, 19 p. 2013a. [acesso em: 19 mai 2017]. Disponível em: https://mesm.uncisal.edu.br/wp-content/uploads/2017/04/GRAVIDEZ-PARTO-E-NASCIMENTO-COM-SA%C3%9ADE.pdf

Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Saúde. Enfermagem obstétrica: diretrizes assistenciais. Rio de Janeiro: Centro de Estudos da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 168 p. 2010. [acesso em: 19 mai 2017]. Disponível em: https://www.abenfo.org.br/site/biblioteca/arquivos/manuais/027.pdf

Rattner D, Moura EC. Nascimentos no Brasil: associação do tipo de parto com variáveis temporais e sociodemográficas. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant [Internet] 2016 [acesso em: 19 mai 2017] 16(1):39-47. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042016000100005

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: Avaliação de Evidências para a Prática da Enfermagem. Artmed Editora, 2019.

Fontanella BJB et al. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública [Internet] 2011 [acesso em: 22 mai 2017] 27(2): 389-394. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200020

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Brasília, DF: MS, 2014b. 465 p. (Cadernos HumanizaSUS, 4). Disponível: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf

Moura Alves TC, Coelho ASF, Sousa MC, Cesar NF, Silva PS, Pacheco LR. Contribuições da enfermagem obstétrica para as boas práticas no trabalho de parto e parto vaginal. Enfermagem em Foco [Internet] 2019 [acesso em 11 de jan 2020] 10(4). Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/2210/605

Leal MC et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública [Internet] 2014 [acesso em 10 out 2017] 30 (sup):17- 47. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00151513

Aguiar JM, D’Oliveira AFPL. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Interface - Comunic., Saude, Educ. [Internet] 2011 [acesso em 10 out 2017] 15(36): 79-91. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/2010nahead/aop4010

Velho MB, Santos EKA, Collaço VS. Parto normal e cesárea: representações sociais de mulheres que os vivenciaram. Rev Bras Enferm [Internet] 2014 [acesso 12 out 2017] 67(2):282-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140038

Pinheiro BC, Bittar CML. Percepções, expectativas e conhecimentos sobre o parto normal: relatos de experiência de parturientes e dos profissionais de saúde. Aletheia [Internet] 2012 [acesso em 12 out 2017] 37:212-227. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n37/n37a15.pdf

Silva MG. et al. Violência obstétrica na visão de enfermeiras. Rev Rene [Internet] 2014 [acesso em 20 out 2017] 15(4):720-820. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/ri/bitstream/riufc/11479/1/2014_art_mgsilva.pdf

Cunha ICBC, Caetano IM, Quental LLC, Alves LKM, Davim RMB, Souza FMDLC. Characterization of the obstetric network in the health services. Journal of Nursing UFPE [Internet] 2017 [acesso em 02 nov 2017] 11(6):2375-2379. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/23400/19061

Rodrigues DP, Alves VH, Penna LHG, Pereira AV, Branco MBLR, Silva LA. A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Esc Anna Nery [Internet] 2015 [acesso em 02 dez 2017] 19(4): 614-620. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n4/1414-8145-ean-19-04-0614.pdf

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Lei Nº 11.108, de 7 de Abril de 2005. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. [acesso em 06 dez 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm.

Pinheiro BC, Bittar CML. Expectativas, percepções e experiências sobre o parto normal: relato de um grupo de mulheres. Fractal, Rev. Psicol. [Internet] 2013 [acesso 06 dez 2017] 25(3):585-602. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922013000300011

Diniz CSG et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet] 2014 [acesso 07 dez 2017] 30(sup.1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X

Dias SL, Pacheco AO. Marcas do parto: As consequências psicológicas da violência obstétrica. Revista Arquivos Científicos (IMMES) [Internet] 2020 [acesso 27 jan 2021], 3(1):04-13. Disponível em: http://arqcientificosimmes.emnuvens.com.br/abi/article/view/232/115

Lange MLDA. “Outras dores além do parto": um estudo de caso com mulheres vítimas da violência obstétrica. Psicologia-Pedra Branca. 2015 [acesso 27 jan 2021] Disponível em: https://riuni.unisul.br/handle/12345/3077.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n6.3821

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.