Direitos da criança hospitalizada: percepção da equipe de enfermagem

Caroline Nino Rosa, Ana Carla Petersen de Oliveira Santos, Climene Laura de Camargo, Mara Ambrosina de Oliveira Vargas, Maria Carolina Ortiz Whitaker, Denise Santana Silva dos Santos, Cristina Nunes Vitor de Araujo

Resumo


Objetivo: Apreender a percepção da equipe de enfermagem sobre os direitos da criança hospitalizada. Método: Estudo qualitativo exploratório com 13 profissionais de enfermagem em unidade pediátrica de um hospital universitário em Salvador-BA. A coleta de dados ocorreu em novembro de 2018, através de entrevista semi-estruturada. Foi utilizada a análise de conteúdo de Bardin. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa. Resultados: As categorias foram: cumprimento das obrigações legais; garantia do cuidado integral e humanizado; Implementação das ações relacionadas ao tratamento e segurança do paciente; desconhecimento dos direitos da criança hospitalizada. Conclusão: Os profissionais conhecem parcialmente ou desconhecem os direitos infantis, sendo necessário empenho para capacitação dos profissionais e gestores.


Texto completo:

PDF

Referências


Conanda, Conselho Nacional dos Direitos da Criança. Resolução n° 41 de 13 de outubro de 1995. In: Resoluções, junho de 1993 a setembro de 2004 [Internet]. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004 [acesso em 24 jun 2018]. Disponível em: http://dh.sdh.gov.br/download/resolucoes-conanda/res-1-a-99.pdf.

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF; 1990 [acesso em 24 jun 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l8069.htm.

Martinez EA, Oliveira ICS, Bastos ACMF, Santos PPP, Souza TV, Moraes JRMM. Validação teórica de escala de atitudes das enfermeiras sobre direitos da criança em terapia intensiva. Texto e Contexto Enferm [Internet]. 2017 [acesso em 24 jun 2018]; 26(4): 1-12. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/714/71453540005.pdf.

Cruz DSM, Santos CCR, Marques DKA, Wanderley LWB, Maia FSB, Martins DL. Conhecimento dos profissionais de saúde acerca dos direitos da criança e do adolescente hospitalizados. Rev enferm UFPE on line [Internet]. 2014 Jan [acesso em 24 jun 2018]; 8(2): 351-7. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/9681/9726.

Gomes ILV, Caetano R, Jorge MSB. Conhecimento dos profissionais de saúde sobre os direitos da criança hospitalizada: um estudo exploratório. Cienc saude coletiva. 2010 Mar [acesso em 24 jun 2018]; 15(2): 463-70. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000200023&lng=en&nrm=iso.

Lõrincz A.C. The situation of pediatric patients' rights in the Transylvanian healthcare. Orv Hetil [Internet]. 2018 Mar [acesso em 24 abr 2020]; 159(11): 423-9. In: PubMed; PMID: 29526123. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29526123.

Santos PM, Silva LF, Depianti JRB, Cursino EG, Ribeiro CA. Nursing care through the perception of hospitalized children. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 [acesso em 18 jun 2018]; 69(4): 603-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n4/0034-7167-reben-69-04-0646.pdf

Neutzling BRS, Tomaschewski-Barlem JG, Barlem ELD, Hirsch CD, Pereira LA, Schallenberguer CD. Em defesa dos direitos da criança no ambiente hospitalar: o exercício da advocacia em saúde pelos enfermeiros. Esc. Anna Nery [Internet]. 2017 [acesso em 24 jun 2018]; 21(1): e20170025. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452017000100224&lng=en&nrm=iso.

Tomaschewski-Barlem JG, Lunardi VL, Barlem ELD, Silveira RS, Ramos AM, Santos JM. Ações dos enfermeiros no exercício da advocacia do paciente: revisão integrativa. Texto e Contexto Enferm [Internet]. 2018 [acesso em 24 abr 2020]; 27(2): e0730014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-070720180000730014.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 2002 [Obra original publicada em 1977].

Fortes PAC, Pereira PCA. Priorização de pacientes em emergências médicas: uma análise ética. Rev Assoc Med Bras [Internet]. 2012 Jun [acesso em 19 dez 2019]; 58 (3): 335-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302012000300014.

Oliveira CI, Vargas MAO, Barlem ED, Araújo SD, Vieira DF, Cardozo D. Motivos da internação por ordem judicial na terapia intensiva: perspectiva do enfermeiro. Enferm. Foco [Internet]. 2019 [acesso em 24 abr 2020]; 10 (1): 99-104. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1715.

Foucault M. O Nascimento do hospital. In: Machado R (Org). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal. 2001.

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 [Internet]. Brasília, DF: 1988. [acesso em 24 jun 2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Bisogni S, Aringhieri C, McGreevy K, Olivini N, Lopez JRG, Ciofi D, et al. Actual implementation of sick children’s rights in Italian pediatric units: a descriptive study based on nurses’ perceptions. BMC Med Ethics [Internet]. 2015 [acesso em 24 abr 2020] 16 (33): 1-8. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12910-015-0021-0.

Brasil, Secretaria de Atenção à Saúde – Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização [Internet]. Brasília: DF; 2013 [acesso em 29 nov 2018]. 1ª ed, 1ª reimpressão, 16 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf.

Brasil, Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 11.104, de 21 de março de 2005. Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação [Internet]. Brasília: DF; 2005 [acesso em 26 abr 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11104.htm.

Berger E, Casal C. Monitoring human rights in the child and youth sector. Neuropsychiatrie Rev [Internet]. 2017 [acesso em 20 nov 2019]; 31 (3). Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2fs40211-017-0244-z#enumeration.

Pūras D. Human rights and the practice of medicine. Public Health Rev [Internet]. 2017 [acesso em 26 abr 2020]; 38 (9). Disponível em: https://doi.org/10.1186/s40985-017-0054-7.

Azeredo YN, Schraiber LB. Violência institucional e humanização em saúde: apontamentos para o debate. Cienc saude coletiva [Internet]. 2017 Set [acesso em 26 abr 2020]; 22 (9): 3013-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n9/1413-8123-csc-22-09-3013.pdf.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n2.3853

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.