Construção de um instrumento para consulta de enfermagem à mulher idosa com incontinência urinária

Ana Mabel Sulpino Felisberto, Greicy kelly Gouveia Dias Bittencourt, Antonia Oliveira Silva, Maria Miriam Lima da Nóbrega

Resumo


Objetivo: Elaborar um instrumento de consulta de enfermagem para a mulher idosa com Incontinência Urinária. Método: Estudo metodológico realizado em três etapas: identificação dos problemas adaptativos com base na teoria de Callista Roy por meio da revisão de literatura, os dados identificados foram coletados mediante formulário estruturado, o conteúdo foi avaliado pelas enfermeiras especialistas por meio da técnica de validação por consenso, culminando na elaboração do instrumento. Resultado: Considerou-se aprovados na validação por consenso 60 termos que indicavam problemas adaptativos, contendo 45 no modo fisiológico, seis no autoconceito, cinco na função do papel e quatro do modo interdependência. Conclusões: O instrumento elaborado dá subsídios para a investigação comportamental auxiliando na formulação dos diagnósticos de enfermagem, conhecimento do raciocínio clínico do enfermeiro para avaliação da eficácia na intervenção em relação ao comportamento apresentado pela paciente, propicia um cuidado holístico, por ser a adaptação uma característica inerente ao ser humano.

Descritores: Consulta de Enfermagem; Teoria de Enfermagem; Saúde da Mulher; Pessoa Idosa; Incontinência Urinária.


CONSTRUCTION OF AN INSTRUMENT FOR NURSING CONSULTATION TO ELDERLY WOMEN WITH URINARY INCONTINENCE

Objective: To develop a nursing consultation instrument for elderly women with Urinary Incontinence. Method: Methodological study carried out in three stages: identification of adaptive problems based on the theory of Callista Roy through literature review, the identified data were collected using a structured form, the content was evaluated by specialist nurses using the validation technique by consensus, culminating in the elaboration of the instrument. Result: It was considered approved in the validation by consensus 60 terms that indicated adaptive problems, containing 45 in the physiological mode, six in the self-concept, five in the role function and four in the interdependence mode. Conclusions: The elaborated instrument provides subsidies for behavioral research, assisting in the formulation of nursing diagnoses, knowledge of the nurse's clinical reasoning to assess the effectiveness of the intervention in relation to the behavior presented by the patient, providing holistic care, as adaptation is a characteristic inherent to the human being.

Descriptors: Nursing Consultation; Nursing Theory; Women's Health; Elderly; Urinary incontinence.


CONSTRUCCIÓN DE UN INSTRUMENTO PARA CONSULTA DE ENFERMERÍA A MUJERES MAYORES CON INCONTINENCIA URINARIA

Objetivo: Desarrollar un instrumento de consulta de enfermería para mujeres mayores con incontinencia urinaria. Método: Estudio metodológico llevado a cabo en tres etapas: identificación de problemas adaptativos basados en la teoría de Callista Roy a través de la revisión de la literatura, los datos identificados fueron recolectados utilizando una forma estructurada, el contenido fue evaluado por enfermeras especialistas utilizando la técnica de validación por consenso culminando en la elaboración del instrumento. Resultado: se consideró aprobado en la validación por consenso 60 términos que indicaban problemas adaptativos, siendo 45 en el modo fisiológico, seis en el autoconcepto, cinco en la función de rol y cuatro en el modo de interdependencia. Conclusiones: El instrumento elaborado proporciona subsidios para la investigación conductual, ayudando en la formulación de diagnósticos de enfermería, conocimiento del razonamiento clínico de la enfermera para evaluar la efectividad de la intervención en relación con el comportamiento presentado por el paciente, proporcionando atención integral, ya que la adaptación es un característica inherente a los seres humanos.

Descriptores: Consulta de enfermería; Teoría de enfermería; La salud de la mujer; Mayor; Incontinencia urinaria.


Texto completo:

PDF

Referências


Melo LS, Ercole FF, Oliveira DU, Pinto TS, Victoriano MA, Alcoforado

CLGC. Urinary tract infection: a cohort of older people with urinary incontinence. Rev Bras Enferm. 2017; 70(4): 838-44. doi: 10.1590/0034-7167-2017-0141.

- Loureiro, LSN, et al. Incontinência urinária em mulheres idosas:

determinantes, consequências e diagnósticos de enfermagem. Northeast Network Nursing Journal, [Internet]. 2011 [cited 2018 July 29]; 12 (2): 721-730. Available from: http://www.redalyc.org/articulo. oa?id=324027975019

- Abrams P, Cardozo L, Khoury S, Wein A. Incontinence: 5th international consultation on incontinence. Paris: International Continence Society, [Internet]. 2013. [cited 2017 Set 20]. Available from:

https://www.ics.org/Publications/ICI_5/INCONTINENCE.pdf

- Valença M. P. Cuidados de Enfermagem na Incontinência Urinária: um Estudo de Revisão Integrativa. Rev Esti, 2016; v.14 n.1, p. 43-49.

- Conselhos Federal de Enfermagem (Brasil). Resolução nº 358 de 15 de outubro

de 2009. Dispõe sobre a sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e das outras providências. Brasília, DF; 2009 [cited 2019 jun 27]. Available from: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html

- Weschenfelder ÁJ, Strelow C S, Arruda GT, Froelich MA, Pivetta HMF, &

Braz MM. Prevalência de incontinência urinária e seu impacto sobre a qualidade de vida de idosos: estudo comparativo entre meio urbano e meio rural. Rev Kai Gerontol. 2016; 19(3), pp. 67-77.

– Ibiapina LG, Nery IS, Rocha SS, Nogueira LT, Araújo AKL, Santiago AKC. Assistência de enfermagem as adolescentes gestantes sob a ótica de Callista Roy. Enferm Foco. [internet]. 2016 [cited 2019 mar 29]; 7 (3/4): 46-50. Available from:

http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/915

– Costa IKF, Nóbrega WG, Costa IKF, Torres GV, Lira ALBC, Tourinho FSV, Enders BC. Pessoas com úlceras venosas: estudo do modo psicossocial do Modelo Adaptativo de Roy. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) 2011 set;32(3):561-8.

[Internet]. 2011 [cited 2018 Jul 29], 32(3): 561-568. Available from:

https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n3/18.pdf

- Frazão CMFQ, Sá JD, Medeiros ABA, Fernandes MICD, Lira ALBC, Lopes

MVO. Problemas adaptativos de pacientes em hemodiálise: aspectos

socioeconômicos e clínicos. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2014 [cited 2018 July 29]; 22(6): 966-972. Available from:

https://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n6/pt_0104-1169-rlae-22-06-00966.pdf

- Barbosa VMS, Silva JVS. Utilização de teorias de enfermagem na

sistematização da prática clínica do enfermeiro: revisão integrativa. Rev Enferm Atenção Saúde [Online]. Jan/Jul 2018; 7(1): 260-271

- Andrade LT, Garcia TR, Chianca TCM. Diagnósticos e intervenções de

Enfermagem para o componente sentidos da Teoria de Roy, aplicados a adultos em Neurorreabilitação. Enferm Foco. [internet] 2017 [cited 2019 mar 29]; 8 (3): 45-50 Available from:

http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1268/398

- Coelho SMS, Mendes IMDM. Da pesquisa a prática em Enfermagem. Esc Anna Nery (impr.)2011 out-dez; 15 (4): 845-850.

-Carlson J. Consensus validation process: a standardized research method to identify and link the relevant NANDA, NIC, and NOC terms for local populations. In: Paper the International Journal of Nursing Terminologies and Classifications; 2006, vol. 17, n. 1, p. 23-4.

-Miranda ARA, Araújo CS, Faleiros-Castro FS. Instrumento para coleta de dados de pacientes adultos com artrite reumatoide. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, São João Del Rei, v. 2, n. 2, p. 228-242, mai/ago, 2012.

- Medeiros LP, Souza MBC, Sena JF, Melo MDM, Costa JWS, Costa IKF.

Modelo de Adaptação de Roy: revisão integrativa dos estudos realizados à luz da teoria. Rev Rene. 2015 jan-fev; 16(1): 132-40.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n1.3886

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.