Vulnerabilidade social e cobertura do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica

João Pedro Angelici Virginio, Alessandro Igor da Silva Lopes, Jonas Lotufo Brant de Carvalho, Juliane Andrade, Maria da Glória Lima, Alisson Fernandes Bolina

Resumo


Objetivo: aplicar o Índice de Vulnerabilidade Social para o Distrito Federal e compará-lo com a distribuição espacial da cobertura dos Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica. 

Método: trata-se de estudo ecológico com base nos dados do censo demográfico, da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, bem como de outros disponibilizados pela Gerência de Apoio à Saúde da Família. 

Resultados: verificou-se que 31,4% dos setores censitários do Distrito Federal foram classificados com baixo nível de vulnerabilidade social, 47,8% médio, 12,2% elevado e 8,3% muito elevado. Apenas 37,17% do território do cenário de estudo apresentavam cobertura Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica. Ao comparar a distribuição espacial desses desfechos, observou-se elevada extensão de vazios assistenciais de cobertura desse serviço, tanto em setores rurais quanto urbanos, e estes frequentemente classificados em maior estrato de vulnerabilidade. 

Conclusão: Recomenda-se a utilização de ferramentas de gestão de políticas públicas, como o Índice de Vulnerabilidade Social, para o redesenho da Rede de Atenção à Saúde, tendo em vista o enfrentamento das iniquidades sociais.

Descritores: Vulnerabilidade Social; Atenção Primária à Saúde; Saúde da Família; Enfermagem; Sistemas de Informação Geográfica


Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). [Internet]. 2017. [acesso 2019 outubro 2]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF [Internet]. 2008. [acesso 2019 outubro 2]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/portaria154_24_01_08.pdf

Corrêa DSRC, Moura AGOM, Quito MV, Souza HM, Versiani LM, Leuzzi S et al. Movimentos de reforma do sistema de saúde do Distrito Federal: a conversão do modelo assistencial da Atenção Primária à Saúde. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2019 [acesso 2019 outubro 2]; 24(6):2031-41. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018246.08802019

Tasca R, Ventura ILS, Borges V, Leles FAG, Gomes RM, Ribas AN et al. Laboratórios de inovação em saúde: por uma Atenção Primária à Saúde forte no Distrito Federal, Brasil. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2019 [acesso 2019 outubro 2]; 24(6):2021-30. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018246.08672019

Santos IS, Vieira FS. Direito à saúde e austeridade fiscal: o caso brasileiro em perspectiva internacional. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2018 [acesso 2019 outubro 2]; 23(7):2303-2314. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018237.09192018

Centro Brasileiro de Estudos de Saúde – CEBES. Novo financiamento da atenção básica: possíveis impactos sobre o Nasf-AB [Internet]. 2020 [acesso em 03/jan/2020]. Disponível em: http://cebes.org.br/2020/02/novo-financiamento-da-atencao-basica-impactos-sobre-o-nasf-ab/

Souza TT, Calvo MCM. Avaliabilidade dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família com foco na integração às equipes apoiadas. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2018 [acesso 2019 outubro 2]; 52:41. Disponível em: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052000122

Pessanha JEM, Caiaffa WT, Kroon EG, Proietti FA. Dengue em três distritos sanitários de Belo Horizonte, Brasil: inquérito soroepidemiológico de base populacional, 2006 a 2007. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2010 [acesso 2019 outubro 2]; 27(4):252–8. Disponível em: https://scielosp.org/article/rpsp/2010.v27n4/252-258/

Braga LS, Macinko J, Proietti FA, César CC, Lima-Costa MF. Diferenciais intra-urbanos de vulnerabilidade da população idosa. Cadernos de Saúde Pública [Internet]. 2010 [acesso 2019 outubro 2]; 26(12):2307-15. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010001200009.

Bolina AF, Rodrigues RAP, Tavares DMS, Haas VJ. Factors associated with the social, individual and programmatic vulnerability of older adults living at home. Revista da Escola de Enfermagem da USP [Internet]. 2019 [acesso 2019 outubro 2]; 53:e03429. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017050103429

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010 – Informações Territoriais. Rio de Janeiro. [Internet]. 2010. [acesso 2021 março 24]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br

Distrito Federal. Lei Orgânica do Distrito Federal de 08 de junho de 1993, atualizada até a Emenda à Lei Orgânica nº 102, de julho de 2017.

Pitchon A et al. Índice de Vulnerabilidade da Saúde 2012. Belo Horizonte: Prefeitura de Belo Horizonte. [Internet]. 2013. [acesso 2021 março 24]. Disponível em:https://prefeitura.pbh.gov.br/sites/default/files/estrutura-de-governo/saude/2018/publicacaoes-da-vigilancia-em-saude/indice_vulnerabilidade2012.pdf

Companhia de Planejamento do Distrito Federal (CODEPLAN). PDAD 2018: Pesquisa distrital por amostra de domicílio.

Paviani A. Brasília no contexto local e regional: urbanização e crise. Revista Território. 2003; 7(13).

Leite DG, Souza MC, Maximino DAFM, Bezerra EP et al. The Family Health Support Core (NASF) and Health Practices: Are There Many Challenges to Be Overcome? International Archives of Medicine [Internet]. 2017 [acesso 2021 março 21]. Disponível em: https://doi.org/10.3823/2376

Silva EM, Portela RA, Medeiros ALF, Cavalcante MCW, Costa RTA. Os desafios no trabalho da enfermagem na estratégia saúde da família em área rural: revisão integrativa. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde [Internet]. 2018 [acesso 2019 outubro 2]; 14(28):1-12. Disponível em: https://doi.org/10.14393/Hygeia142801

Garnelo L, Lima JG, Rocha ESC, Herkrath FJ. Acesso e cobertura da Atenção Primária à Saúde para populações rurais e urbanas na região norte do Brasil. Saúde debate [Internet]. 2018 [acesso 2021 março 21]; 42 (spe1): 81-99. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s106.

Gonçalves IDSA, Pereira PF, Silva MBL, Ladeira FB, Moreira TR, Cotta RMM, da Costa GD. Nutritional status coverage trend registered in the SISVAN web in seven municipalities of the Zona Da Mata Mineira, Brazil, from 2008 to 2017, and its association with socio-economic, demographic and organisation of health system variables. J Nutr Sci. 2020 Jan 20;9:e4. doi: 10.1017/jns.2019.42.

Secretaria de Saúde (Distrito Federal). Portaria nº 78, de 14 de fevereiro de 2017. Estabelece a plítica de atenção primária à saúde do Distrito Federal. Diário Oficial do Distrito Federal nº231, 15 fev 2017.

Tomasi ARP, Rizzotto MLF. Análise da distribuição e composição profissional dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no Paraná [Internet]. Saúde em debate. 2013 [acesso 2019 outubro 2]; 37(98):427-36. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000300006

Moretti PGS, Fedosse E. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: impactos nas internações por causas sensíveis à atenção básica. Revista Fisioterapia e Pesquisa [Internet]. 2016 [acesso 2019 outubro 2]; 23(3): 241-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/14662023032016

Souza TT, Calvo MCM. Evaluation of the Family Health Support Centers focusing on the integration to supported teams. Rev Saude Publica. 2018;52:41.

Pan American Health Organization. Equity in the context of Regional transformation processes in health [Internet]. 2017 [acesso 2021 março 21]. Disponível em: https://www.paho.org/salud-en-las-americas-2017/?p=59〈=pt

Jannuzzi PM. Indicadores socioeconômicos na gestão pública. Departamento de Ciências da Administração – UFSC. Florianópolis, SC, (BR): UFSC; 2012.

Mendes EV. Distritos sanitários: processo social de mudanças nas práticas sanitárias para Sistema Único de Saúde. São Paulo, SP, (BR): Editora Hucitec; 1993.

Pan American Health Organization. Strategic Directions for Nursing in the Region of the Americas. Washington, D.C.: PAHO; 2019.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n2.3955

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.