Violência sexual e adesão ao protocolo de atendimento de um hospital do sul do Brasil

Maria Gabrielle Ribeiro, Fabiana Schuelter-Trevisol

Resumo


Objetivo: Descrever os casos de violência sexual, identificar as características sociodemográficas das vítimas e da agressão, verificar a adesão à quimioprofilaxia e a realização de coletas sorológicas de um Hospital Geral do Sul do Brasil, durante o período de janeiro de 2007 a dezembro de 2017. Métodos: Delineamento de coorte histórica em que foram analisadas as fichas de notificação compulsória e dados do prontuário, entre janeiro de 2007 a dezembro 2017. Resultados: No período, 118 pessoas procuraram atendimento hospitalar por violência sexual. A mediana de idade das vítimas foi de 14 (IIQ 12,25), variando de 1 a 78 anos. Houve predomínio de notificações entre mulheres (84,7%), raça branca (83,9%), escolaridade de 0 a 8 anos de estudo (43,2%), solteira (63,6%). Identificou-se um caso reagente para sífilis, e somente 5,9% tiveram adesão ao seguimento proposto. Conclusão: A baixa adesão ao protocolo de atendimento aumenta os riscos à saúde e chance de sequelas pelo agravo, sendo necessária outras estratégias dos serviços para ações de continuidade das ações profiláticas e terapêuticas.


Texto completo:

PDF

Referências


Delziovo CR, Berger E, Coelho S, Lindner SR. Violência sexual contra a mulher e o atendimento no setor saúde em Santa Catarina - Brasil. Cien Saude Colet. 2018; 23(5):1687–96.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Notificação de violências interpessoais e autoprovocadas. Brasília : Ministério da Saúde, 2017 [citado 2019 fev 25]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/publicacoes/notificacao_violencias_%0Ainterpessoais_autoprovocadas.pdf.

Brasil. Conselho Nacional do Ministério Público. Violência contra a mulher : um olhar do Ministério Público brasileiro / Conselho Nacional do Ministério Público. – Brasília: CNMP, 2018. 244 p.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: instrutivo notificação de violência interpessoal e autoprovocada. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 92 p.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite C e Coinfecções. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2015. 54 p.

Santa Catarina (BR). Nota técnica no. 01/2015/DIVE/SUV/SES. Recomendações para a profilaxia da infecção pelo HIV, das DST e hepatite B em situações de exposição ocupacional, sexual e violência sexual no Estado de Santa Catarina. Florianópolis: 2015;13.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2018.

Santa Catarina (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Investigação de violências sexuais. Secretaria de Atenção à Saúde. Florianópolis: Secretaria de Atenção à Saúde; 2019..

Labronici LM, Fegadoli D CM. Significado da violência sexual na manifestação da corporeidade: um estudo fenomenológico. Rev da Esc Enferm USP. 2010;44(2):401–6.

Bonfíglio ABSU. Women in the situation of conjugal violence : aspects related. Rev Estud Acadêmicos Interdiscip. 2017;1(1).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Atlas do Censo Demográfico 2010 [Internet]. Brasília; 2010. [citado 2019 fev 25]. Disponível em: http:// www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo.

Delziovo CR, Bolsoni CC, Nazário NO, Coelho EBS. Características dos casos de violência sexual contra mulheres adolescentes e adultas notificados pelos serviços públicos de saúde em Santa Catarina, Brasil. Cad Saude Publica. 2017;33(6):1–13.

Silva MCM, Brito AM, Araújo AL, Abath MB. Caracterização dos casos de violência física, psicológica, sexual e negligências notificados em Recife, Pernambuco, 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(3):403–12.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Nota: Estupros em mulheres. Brasília : Ministério da Saúde, 2016

Russell ST, Everett BG, Rosario M, Birkett M. Indicators of victimization and sexual orientation among adolescents: Analyses from youth risk behavior surveys. Am J Public Health. 2014;104(2):255–61.

Apostólico MR, Nóbrega CR, Guedes RN, Fonseca RMGS, Egry EY. Characteristics of violence against children in a Brazilian Capital. Rev Lat Am Enfermagem. 2012;20(2):266–73.

Justino LCL, Nunes CB, Gerk MAS, Fonseca SSO et al. Violência sexual contra adolescentes em Campo Grande , Mato Grosso do Sul. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36:239–46.

Guimarães MC, Pedroza RLS. Violência contra a mulher: problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. Psicol Soc. 2015;27:256–66.

Garcia LP. A magnitude invisível da violência contra a mulher. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(2014):451–4.

Facuri CO, Fernandes AMS, Oliveira KD, Andrade TS, Azevedo RCS. Violência sexual: estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Coletiva. 2013;29(5):889–98

Schraiber LB, D'oliveira AFPL, Franca-Junior I. Violência sexual por parceiro íntimo entre homens e mulheres no Brasil urbano, 2005. Rev Saúde Pública. 2008;42:127–37.

Vasconcelos MS, Holanda VR, Albuquerque TT. Perfil do agressor e fatores associdados à violência contra mulheres. Cogitare Enferm. 2016;21(1):1–10.

Paulo UDS, Claro G, Oliveira F, Aparecida M, Bourdreaux T, Fernandes AL, et al. Uso de drogas, saúde mental e problemas relacionados ao crime e à violência: estudo transversal. Rev Latino-Am Enferm. 2015;23:1173.

Kind L, Orsini MLP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza GA, Ferreira MFF. Subnotificação e ( in ) visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad Saude Publica. 2013;29(9):1805–15.

Albarran J. Referentes conceptuales sobre feminicidio. Su incorporación em la normativa jurídica venezolana. Comunidad y Salud. 2015;13(2).

Peixoto AF, Nobre BPS. A responsabilização da mulher vítima de estupro. Rev Transgressões. 2015;3(1):227–39.

Maria A, Makuch MY. Gravidez após violência sexual : vivências de mulheres em busca da interrupção legal. Cad Saude Publica. 2015;31(2):345–53.

Nunes A, Cristina M, Lima FF, Morais D, Araujo N. Violência Sexual contra Mulheres: um Estudo Comparativo entre Vítimas Adolescentes e Adultas. Piscol. Cienc. Prof. 2017;37(4):956-969.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; 2011. 554 p.

Silva P. Intervenção psicológica em vítimas de estupro na cidade de São Paulo. Arq Bras Psicol. 2017;69(3):183–98.

Trigueiro TH, Merighi MAB, Medeiros ARP, Ribeiro CRL, Mata NDS, Jesus MCP. Victims of sexual violence attended in a specialized service. Cogitare Enferm. 2015;20(2):247–54

Silva O, Tavares LHL, Paz LC. As atuações do enfermeiro relacionadas ao teste rápido anti-HIV diagnóstico: uma reflexão de interesse da enfermagem e da saúde pública. Enfermagem em Foco 2011; 2(supl):58-62

Schelb M, Cunha MLO, Gottems LBD, Chariglione IPFS. O processo de construção de material educativo para mulheres vítimas de violência. Enfermagem em Foco 2019; 10 (6): 50-56.

Sousa MH, Bento SF, Osis MJD, Ribeiro MP. Preenchimento da notificação compulsória em serviços de saúde que atendem mulheres que sofrem violência sexual. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):94–107.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n2.4140

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.