Independência no autocuidado nos doentes com acidente vascular cerebral: contribuição da enfermagem de reabilitação

José Miguel Santos, Ana Paula Prata, Isabel Cristina Kowal Olm Cunha, Margarida Reis Santos

Resumo


Objetivos: Identificar o número de dias necessários à obtenção de ganhos em independência e quais estes ganhos, em indivíduos com acidente vascular cerebral internados num serviço de Medicina Física e Reabilitação, após intervenção do Enfermeiro de Reabilitação. Método: estudo quantitativo, descritivo e retrospetivo. Analisados os registros de enfermagem referentes aos doentes com acidente vascular cerebral, internados no período de janeiro de 2013 a dezembro de 2014. A colheita de dados realizou-se em instrumento construído para este estudo de análise documental. Resultados: Nos registros de 96 pacientes, constatou-se que na admissão mais de 90% apresentavam algum grau de dependência nos autocuidados de higiene, arranjo pessoal e vestir-se. Na alta mais de 50% adquiriram independência nesses autocuidados. Foram necessários 9 a 28 dias para a aquisição da independência. Conclusão: os resultados obtidos permitiram concluir que se verificou a aquisição de ganhos em independência nos três autocuidados estudados. Sugere-se outros estudos que permitam perceber qual o contributo do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação para a obtenção destes ganhos.

Descritores: Acidente vascular cerebral; enfermagem em reabilitação; autocuidado.


Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). Health statistics and information systems – Projections of mortality and causes of death, 2015 and 2030. [publicação na web] 2013. [acesso em 22 de novembro de 2019]. Disponível em: https://www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/projections2015_2030/en/

Morais HCC, Gonzaga NC, Aquino PS, Araujo TL. Strategies for self-management support by patients with stroke: integrative review. Rev. esc. enferm. USP [publicação na web] 2015 Feb [acesso 20 de fevereiro de 2020]; 49(1): 134-141. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000100018

Instituto Nacional de Estatística. Causas de morte 2016 [publicação na web]. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. 2018 [acesso em 9 de abril de 2019]. Disponível em: www.ine.pt

Gomes SR, Senna M. Assistência de enfermagem à pessoa com acidente vascular cerebral. Cogitare Enferm 2008 [acesso em 9 de abril de 2019]; 13(2):220-6. https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/12486

Araujo JS, Silva SED, Santana ME, Conceição VM, Vasconcelos EV. O processo do cuidar/cuidado nas representações sociais de cuidadores de pacientes sequelados por

acidente vascular cerebral. Enfermagem em Foco 2011; 2(4):235-238

Fernandes S, Silva A, Barbas L, Ferreira R, Fonseca C, Fernandes MA. Theoretical contributions from Orem to self-care in rehabilitation nursing. Commun Comput Info Sci 2020 [acesso em 29 de abril de 2019]; 1185 CCIS:163-173. Disponível em: https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-030-41494-8_16

Santos FLSG, Gonçalves GM, Gois CFL, Guimarães AMDL, LLapa-Rodríguez EO, Mattos MCT,et al. Acidente vascular cerebral: o conhecimento dos enfermeiros. Enferm Foco 2012; 3(2):58-61

Castro PO, Martins MMFPS, Couto GMA, Reis MG. Mirror therapy and self-care autonomy after stroke: an intervention program. Rev. Enf. Ref. [publicação na web]. 2018 jun [acesso 29 abril 2019]; serIV(17): 95-106. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12707/RIV17088

Portugal. Direção-Geral da Saúde. Rede de referenciação hospitalar de medicina física e reabilitação. Lisboa: Direção-Geral da Saúde. 2003 [acesso 29 maio 2019]. Disponível em: https://docplayer.com.br/3080779-Medicina-fisica-e-de-reabilitacao.html

Coutinho SC, Grilo EN. Suporte educacional à pessoa com AVC e família: revisão integrativa da literatura. Revista Ibero-Americana de Saúde e Envelhecimento [publicação na web]. 2020, 5(2): 1811. Disponível em: http://www.revistas.uevora.pt/index.php/saude_envelhecimento/article/view/358

Neumann V, Gutenbrunner C, Fialka-Moser V, Christodoulou N, Varela E, Giustini A, et al. Interdisciplinary team working in physical and rehabilitation medicine. Journal Rehabilitation Medicine. 2010;42(1):4-8. doi: 10.2340/16501977-0483

Portugal. Regulamento nº 125/11 de novembro. (2011). Diário da República nº 35/11, II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal [acesso 29 novembro 2019]. Disponível em https://dre.pt/home/-/dre/3477014/details/maximized

Hoeman SP. Enfermagem de Reabilitação: prevenção, intervenção e resultados esperados. 4ª ed. Loures: Lusodidacta; 2011.

Queirós SMM, Santos CSVB, Brito MAC, Pinto IES. Conditioning factors for the development of the self-care competence in the person with a tracheostomy. Rev. Enf. Ref. [publicação na web] 2017 Sep [acesso 8 de novembro de 2019]; serIV(14): 57-66. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12707/RIV17010

Primo CC, Trevizani CC, Tedesco CJ, Leite FMC, Almeida MVS, Lima EFA. Classificação internacional para a prática de enfermagem na assistência pré-natal. Enferm. Foco 2015; 6 (1/4): 17-23

Martins MM, Ribeiro O, Silva JV. O contributo dos enfermeiros especialistas em enfermagem de reabilitação para a qualidade dos cuidados. 2018 [acesso 8 de novembro de 2019]; RPER, 1(1): 22-29. Disponível em: https://www.aper.pt/ficheiros/revista/rperv1n1.pdf

International Council of Nurses [ICN] (2001). International Classification for Nursing Practice – Beta 2 Version. 2001. Geneva, Switzerland: International Council of Nurses.

Winstein C, Stein J, Arena R, Bates B, Cherney L, Cramer S, et al. Guidelines for Adult Stroke Rehabilitation and Recovery: A Guideline for Healthcare Professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2016 [acesso a 24 fevereiro de 2020]; 47: 98–169. Disponível em: https://doi.org/10.1161/STR.0000000000000098

Melo MBP. Autocuidado em doentes com hemiplegia. Cuidados continuados de convalescença [Dissertação]. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto; 2010. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/26628

Diogo MJD’E. O papel da enfermeira na reabilitação do idoso. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto. 2000 [acesso em 8 de novembro de 2019], 8(1): 75-81. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v8n1/12437.pdf

Nagasawa H, Maeda M, Kanda T, Sakai F. Differences of Locomotion Function between Left and Right Cerebral. Journal of Physical Therapy Science. 2001 [acesso em 18 de novembro de 2020]; 13:129-137. Disponível em: https://www.jstage.jst.go.jp/article/jpts/13/2/13_2_129/_pdf

Salselas SC. Ganhos em independência funcional no doente com AVC [Dissertação]. Bragança: Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança; 2016. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/13076/1/Ganhos%20em%20independ%C3%AAncia%20funcional%20no%20doente%20com%20AVC%20-%20Susana%20Salselas.pdf

Neves CSR. Intervenções de enfermagem na promoção da autonomia/independência face ao autocuidado após acidente vascular cerebral: uma revisão sistemática da literatura [Dissertação]. Porto: Escola Superior de Enfermagem do Porto; 2014. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/9492

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento nº 190, de 6 de março de 2015. Regulamento do perfil de competências do enfermeiro de cuidados gerais [publicação na web]. Diário da República; 2015 [acesso 21 de março de 2019]. Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/67058782

Nunes DLS, Fontes WS, Lima MA. Cuidado de Enfermagem ao Paciente Vítima de Acidente Vascular Encefálico. 2017 [acesso em 18 de novembro de 2019] R bras ci Saúde 21(1):87-96. DOI:10.4034/RBCS.2017.21.01.11

Ribeiro OMPL, Pinto CAS, Regadas SCRS. People dependent in self-care: implications for Nursing. Rev. Enf. Ref. 2014 [acesso em 8 de março de 2020]; IV(1):25-36. Disponível em https://pdfs.semanticscholar.org/6d31/57019e9d709c6ecfd00b5efb47302f3df1d8.pdf




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n2.4180

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.