Caracterização do modelo assistencial ao parto e nascimento realizado por residentes de enfermagem obstétrica

Stéphanie Marques Alves Vieira Angelim, Amanda Santos Fernandes Coelho, Ana Claudia Andrade Cordeiro Pires, Aline Bueno Coelho, Leiliane Sabino Oliveira Ribeiro, Juliana Machado Schadosim, Fernanda Matos Cordeiro, Lídia Maria do Carmo

Resumo


Objetivo: caracterizar o modelo assistencial ao parto e nascimento realizado por residentes de um programa estadual de residência na região central do Brasil e verificar o impacto desse modelo assistencial na repercussão clínica materna e neonatal. Método: trata-se de um estudo transversal, retrospectivo, com abordagem quantitativa, composto por 356 mulheres e seus neonatos que tiveram seu parto assistido pelas residentes em enfermagem obstétrica (REO) em uma maternidade de risco habitual pública estadual, em Goiás, no período de 2017 a 2019. Para a análise estatística os dados quantitativos foram analisados através de distribuição de frequências, porcentagens, média e desvio padrão. Resultados: verificou-se a realização de boas práticas ao parto e nascimento: alimentação livre durante o TP (76,97%), escolha do acompanhante (58,43%), amniotomia (28,93%), baixa taxa de episiotomia (4,78%), contato pele a pele (91,29%), clampeamento oportuno do cordão umbilical (56,18%), amamentação na 1ª hora de vida (62,64).Considerações finais: a qualidade da assistência prestada por REO foi intimamente expressada pela proporção de parturientes que não foram submetidas a intervenções desnecessárias, bem como apontou desfechos neonatais satisfatórios somados às boas práticas proporcionadas.


Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Humanização do parto e do nascimento / Ministério da Saúde. Universidade Estadual do Ceará. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014[cited 2021 Mar 01]. 465 p: il. – (Cadernos HumanizaSUS; v. 4) Available from: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf.

Organização Mundial da Saúde. Recomendações da OMS: Cuidados intrapartos para uma experiência positiva de parto. Genebra, Suíça: Organização Mundial da Saúde, 2018 Available from: http://www.who.int/reproductivehealth/publications/intrapartum-care-guidelines/en/.

Souza FMLC, Santos WN, Santos RSC, Rodrigues OB, Santiago JCD, Silva RAR. Tecnologias apropriadas ao processo do trabalho de parto humanizado. Enferm Foco [Internet]. 2019;10(2): 118-124.

Veloso ACF, Silva LSR; Barros, PG; Gomes, RRT; Santos, AS; Oliveira, HMS; Atuação dos profissionais de saúde e o processo de humanização no centro obstétrico. Revista Nursing, 2020; 23: 4570-4574.

Kottwitz F, Gouveia HG, Gonçalves AC. Via de parto preferida por puérperas e suas motivações. Esc. Anna Nery [Internet]. 2018 [cited 2021 Mar 01]; 22(1): e20170013. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452018000100201&lng=en.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Portaria conjunta nº5, de 31 de outubro de 2012. Homologa o resultado do processo de seleção dos projetos que se candidataram ao Programa Nacional de Bolsas para Residência em Enfermagem Obstétrica (PRONAENF). (2012).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 4 v.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicas).

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução Cofen n.516 de 24 de junho de 2016. Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na assistência às gestantes, parturientes e puérperas. Diário Oficial da União, Brasília (2016 jun 24). [Internet]. 2016 [cited 2021 Mar 01]. Available from: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html. Acesso em 28/09/2020.

Brasil. Lei n.º 7.498, de 25 de Junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. [cited 2021 Mar 01]. Disponível em: http://corensp.org.br/072005/.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília (DF); 2012 [cited 2021 Mar 01]. Available from:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.

Vieira MJO, Santos AAP, Silva JMO, Sanches METL. Assistência de enfermagem obstétrica baseada em boas práticas: do acolhimento ao parto. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2016 [cited 2021 Mar 01];18:e1166. Available from: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.36714.

Medeiros FDA, Silva MG, Sales JCS, Ribeiro SG, Silva Júnior FJG, Parente ACM. Aspectos relacionados às internações por intercorrências gestacionais. Enferm. Foco [Internet]. 2020; 11 (4) 41-48.

Bittencourt SDA, Cunha EM, Domingues RMSM, Dias BAS, Dias MAB, Torres JA et al. Nascer no Brasil: continuidade do cuidado na gestação e pós-parto à mulher e ao recém-nato. Rev Saude Publica. 2020; 54:100.

Campos BCV, Pereira Érica P, Medeiros GA, Pereira EP. Perfil da assistência hospitalar prestada por enfermeiras residentes em obstetrícia em Brasília, Distrito Federal. Com. Ciências Saúde [Internet]. 2017; 27(04):291-300. Disponível em: http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/35

Reis TR; Zamberlan C, Quadros JS Grasel JT, Moro ASS. Enfermagem obstétrica: contribuições às metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2015 [cited 2021 Mar 01]; 36(spe): 94-101. Available from: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.57393.

Silva TPR, Dumont-Pena E, Sousa AMM, Amorim T, Tavares LC, Nascimento DCP, et al. Obstetric. Nursing in best practices of labor and delivery care. Rev Bras Enferm. 2019;72(Suppl 3):235-42.

Costa CSC, Dias NAP, Dourado ZF. Participação do enfermeiro obstetra no trabalho de parto com distócias. Revista cuidado em enfermagem-Cesuca, [S.l.]. 2019 [cited 2021 Mar 01]; 5; 82-92. Available from: http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1424.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n4.4639

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.