Assistência ao suicídio e agressividade no serviço de atendimento móvel de urgência

Larissa Castelo do Amaral, Aline Conceição Silva, Kelly Graziani Giacchero Vedana

Resumo


Objetivo: Investigar fatores associados aos atendimentos realizados por serviço de atendimento móvel de urgência a comportamento agressivo e comportamento suicida ocorridos em 2014 em um município brasileiro. Método: Estudo quantitativo, retrospectivo e documental. Os dados foram extraídos de fichas de atendimento de enfermagem e analisados por estatística descritiva, testes de associação, análise de covariância e regressão logística múltipla. Resultados: Foram analisadas 627 fichas nas quais predominaram homens adultos, com comportamento agressivo, na própria residência e que foram transportados para algum serviço de saúde. O comportamento agressivo foi mais comum entre homens e teve mais sinais e sintomas documentados e menos tempo de espera pelo atendimento. O comportamento suicida teve mais avaliação de sinais vitais, mais realização de procedimentos e encaminhamento para serviço de saúde. Conclusões: Tais associações revelam características importantes para a organização e planejamento de intervenções para o cuidado às urgências, prevenção da violência e qualificação de recursos humanos para assistência.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). Preventing suicide: a global imperative[Internet]. 2014 [cited 2019 Nov 06]. www.who.int/mental_health/suicide-prevention/world_report_2014/en/

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília; 2015. 462 p. [Internet]. 2015 [cited 2019 Nov 06]. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2014_analise_situacao.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Perfil epidemiológico dos casos notificados de violência autoprovocada e óbitos por suicídio entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil, 2011 a 2018. Vol. 50. 2019. 1–14 p. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/setembro/13/BE-suic--dio-24-final.pdf

Vedana KGG, Magrini DF, Miasso AI, Zanetti ACG, Souza J de, Borges TL. Emergency Nursing Experiences in Assisting People With Suicidal Behavior: A Grounded Theory Study. Arch Psychiatr Nurs [Internet]. 2017;31(4):345–51. doi: 10.1016/j.apnu.2017.04.003

Ramezani T, Gholamzadeh S, Torabizadeh C, Sharif F, Ahmadzadeh L. Challenges of nurses' empowerment in the management of patient aggression: A qualitative study. Iran J Nurs Midwifery Res. 2019;22(6):442–8. doi: 10.4103/ijnmr.IJNMR_216_16

Ramberg I, Lucca MA Di, Hadlaczky G. The Impact of Knowledge of Suicide Prevention and Work Experience among Clinical Staff on Attitudes towards Working with Suicidal Patients and Suicide Prevention. Int J Enviromental Res public Heal. 2016;13(195):1–12. doi: 10.3390/ijerph13020195

Mantovani C, Migon MN, Alheira FV, Del-ben CM. Manejo de paciente agitado ou agressivo. Rev Bras Psiquiatr. 2010;32(2):96–103. doi: 10.1590/S1516-44462010000600006

Foley S. Short-term pharmaceutical management of the violent/agressive patient in the emergency department. J Emerg Nurs [Internet]. 2010;36(5):504–6. doi: 10.1016/j.jen.2010.05.013

O’Dwyer Gisele, Konder Mariana Teixeira, Reciputti Luciano Pereira, Macedo Cesar, Lopes Monica Guimarães Macau. O processo de implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Brasil: estratégias de ação e dimensões estruturais. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2017 [cited 2020 Feb 10] ; 33( 7 ): e00043716. doi: 10.1590/0102-311x00043716

World Health Organization (WHO). Guns, knives and pesticides: reducing access to lethal means [Internet]. 2009 [cited 2019 Nov 06]. https://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/vip_pesticides.pdf

Knox DK, Holloman GH. Use and Avoidance of Seclusion and Restraint: Consensus Statement of the American Association for Emergency Psychiatry Project BETA Seclusion and Restraint Workgroup. West J Emerg Med. 2011;13(1):35–40. doi: 10.5811/westjem.2011.9.6867

Perkins E, Prosser H, Riley D, Whittington R. Psychiatry Physical restraint in a therapeutic setting; a necessary evil? Int J Law Psychiatry [Internet]. 2012;35(1):43–9. doi: 10.1016/j.ijlp.2011.11.008

Braga Isabela Pinto, Souza Jaqueline Conceição de, Leite Milena Bellei, Fonseca Valéria, Silva Eliane Mussel da, Volpe Fernando Madalena. Contenção física no hospital psiquiátrico: estudo transversal das práticas e fatores de risco. J. bras. psiquiatr. [Internet]. 2016 Mar [cited 2020 Feb 10] ; 65( 1 ): 53-59. doi: 10.1590/0047-2085000000103 .

Jawaid A. From Foreign Fighters to Returnees: The Challenges of Rehabilitation and Reintegration Policies. J Peacebuilding Dev [Internet]. 2017;12(2):102–7. doi: 10.1080/15423166.2017.1323660

Stanley B, Brown GK. Safety Planning Intervention: A Brief Intervention to Mitigate Suicide Risk. Cogn Behav Pract [Internet]. 2012;19(2):256–64. doi: 10.1016/j.cbpra.2011.01.001

Lin CJ, Lu HC, Sun FJ, Fang CK, Wu SI, Liu SI. The characteristics, management, and aftercare of patients with suicide attempts who attended the emergency department of a general hospital in northern Taiwan. J Chinese Med Assoc. 2014;77(6):317–24. doi: 10.1016 / j.jcma.2014.02.014

Kawashima Y, Yonemoto N, Inagaki M, Yamada M. Prevalence of suicide attempters in emergency departments in Japan: A systematic review and meta-analysis. J Affect Disord [Internet]. 2014;163:33–9. doi: 10.1016/j.jad.2014.03.025

França IG de. Reflexões acerca da Implantação e Funcionamento de um Plantão de Emergência em Saúde Mental. Psicol Ciência e Profissão. 2005;25(1):146–63. doi: 10.1590/S1414-98932005000100012

Azevedo JMR, Barbosa MA. Triagem em serviços de saúde: percepções dos usuários. R Enferm UERJ. 2007;15(1):33–9. Available from: http://www.facenf.uerj.br/v15n1/v15n1a05.pdf

Ciconet RM. Tempo resposta de um serviço de atendimento móvel de urgência [Internet]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2015. Available from: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/129481

Mata KSS da, Ribeiro ÍAP, Pereira PSL, Nascimento MVF, Carvelaho GCN, Macedo JB, et al. Entraves no atendimento pré-hospitalar do SAMU: percepção dos enfermeiros. Rev Enferm UFPE Online. 2018;12(8):2137–45. doi: 10.5205/1981-8963-v12i8a236537p2137-2145-2018

Guimarães EPA, Silva RF, Santos JBF dos. Condutores de esperança: condições de trabalho de condutores de Ambulância do SAMU. O Público e o Priv. 2015; 25:55–75. Available from http://www.seer.uece.br/?journal=opublicoeoprivado&page=article&op=view&path%5B%5D=1226




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n6.4788

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.