Compreendendo o sentido de ser-com reações hansênicas: implicações para o cuidado de enfermagem

Thayná Desireé Rodrigues Martins, Antonia Margareth Moita Sá, Marcandra Nogueira de Almeida Santos, Iací Proença Palmeira

Resumo


Objetivo: compreender o sentido de ser-com reações hansênicas. Método: Estudo alicerçado no método fenomenológico hermenêutico de Martin Heidegger, realizado a partir de 25 entrevistas individuais com pacientes em tratamento ambulatorial para reações hansênicas, em uma unidade de saúde especializada localizada no estado do Pará, Brasil. Resultados: Duas unidades temáticas foram organizadas: “Significando as reações hansênicas” e “Convivendo com as reações hansênicas”. Para os participantes, viver com reações hansênicas significa dor, vergonha, desesperança, medo, incerteza e preocupações que transformam profundamente o cotidiano. O sentido de ser-com reações hansênicas se desvela quase sempre na impessoalidade, ambiguidade, curiosidade e na publicidade da vida, em que o ser-aí se vê a partir dos outros e não de si mesmo. Considerações finais: Este estudo proporciona conhecimentos importantes para o cuidado de enfermagem às pessoas que vivem com reações hansênicas, na medida em que compreender significados e sentidos é importante para impulsionar a prática de  um cuidado de enfermagem sensível, empático e preocupado com o diálogo e com as necessidades do ser-aí no mundo, onde a cura se desvela nas práticas de cuidado com-o-outro e não para-o-outro.


Texto completo:

PDF

Referências


Naaz F, Mohanty PS, Bansal AK, Kumar D, Gupta UD. Challenges beyond elimination in leprosy. Int J Mycobacteriol [Internet]. 2017 [cited 2021 Apr 3];6(3):222-8. Available from: https://www.ijmyco.org/text.asp?2017/6/3/222/211929.

Lima SM, Brito KKG, Santana EMF, Nóbrega MM, Carvalho PS, Oliveira SHS et al. Qualidade de vida de pacientes com reações hansênicas. Cogitare enferm. [Internet]. 2019 [cited 2021 Fev 03];24:e62921. Available from: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v24i0.62921.

Menezes VM, Guedes JCR, Fernandes LSA, Haddad NM, Lima RB, Martins ES et al. Clinical and epidemiological profile of leprosy patients admitted to a university hospital in Rio de Janeiro between 2008 and 2017. Medicina (Ribeiräo Preto) [internet]. 2019 [cited 2020 Dez 15]; 52(1):7-15. Available from: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v52i1p7-15.

Silva LMA, Barsaglini RA. “A reação é o mais difícil, é pior que hanseníase”: contradições e ambiguidades na experiência de mulheres com reações hansênicas. Physis [Internet]. 2018 [cited 2021 Mar 03]; 28( 4 ): e280422. Available from: https://doi.org/10.1590/S0103-73312018280422.

Carvalho FPB, Simpson CA, Miranda FAN, Pinto ÉSG. Estar/ser no mundo com hanseníase: Qual é o meu lugar? Hansen. Int. [internet].2016 [cited 2021 Jan 15];41(1-2):99-104. Available from: http://hi.ilsl.br/detalhe_artigo.php?id=12783#.

Neiva RJ, Grisotti M. Representações do estigma da hanseníase nas mulheres do Vale do Jequitinhonha-MG. Physis [Internet]. 2019 [cited 2021 Jan 17]; 29( 1 ): e290109. Available from: https://doi.org/10.1590/s0103-73312019290109.

Cruz A. Uma cura controversa: a promessa biomédica para a hanseníase em Portugal e no Brasil. Physis [Internet]. 2016 Mar [cited 2021 Fev 03]; 26( 1 ): 25-44. Available from: https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000100004.

Aquino CMF, Rocha EPAA, Guerra MCG, Coriolano MWL, Vasconcelos EMR, Alencar EN. Peregrination (Via Crucis) to a diagnosis of leprosy. Rev Enferm UERJ [internet]. 2015 [cited 2020 Mar 10]; 23(2): 185-190. Available from: https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.12581.

Lopes FN, Lana FCF. Social participation in leprosy control: a challenge for health services]. Rev Enferm UERJ [internet]. 2015 [cited 2020 Abr 22];23(2):235-240. Available from: https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.13113.

Santos AK, Ribeiro AP, Monteiro S. The production of social discourse on Hansen' disease and health education materials in Brazil: a skin patch as something harmless or a serious disease? Lepr Rev. [internet]. 2012 [cited 2021 Fev 13];83(1):24-33. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22655467/.

Maia JA, Rêgo WRS, Celestino JT, Celestino PT. Hansen's disease: stigma and prejudice faced by inmates of Casa de Acolhida Souza Araújo in the city of Rio Branco. Nursing (Säo Paulo). [internet]. 2012 [cited 2021 Fev 13];14(166):164-170. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-620788.

Martins AM, Savassi LCM, Almeida SSL, Modena CM. Privação e padecimento: uma compreensão existencial do ser frente à Hanseníase. Hansen. Int. [internet]. 2012 [cited 2020 Set 28];37(1):59-67. Available from: http://hi.ilsl.br/detalhe_artigo.php?id=11781#.

Lanza F, Lana FCF. Access to primary health care leprosy control actions in an endemic micro-region of Minas Gerais, Brazil. Rev. APS. [internet]. 2012 [cited 2021 Fev 13]; 14(3):343-53. Available from: https://www.leprosy-information.org/resource/access-primary-health-care-leprosy-control-actions-endemic-micro-region-minas-gerais.

Rocha ACRP, Landim FLP, Caprara A, Lefèvre A, Lefèvre F. O discurso coletivo de ex-hanseniano morador de um antigo leprosário no nordeste do Brasil. Interface (Botucatu) [Internet]. 2011 [cited 2021 Fev 13]; 15(36):213-223. Available from: https://doi.org/10.1590/S1414-32832011000100017.

Silva MCD, Paz EPA. Educação em saúde no programa de controle da hanseníase: a vivência da equipe multiprofissional. Esc. Anna Nery [Internet]. 2010 [cited 2021 Jan 10]; 14(2): 223-229. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000200003.

Sá AMM, Paz EPA. O cotidiano de ser hanseniano: um estudo de enfermagem. Hansenol. int. [Internet]. 2007 [cited 2020 Dez 12]; 32(1):49-55. Available from: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-51612007000100006&lng=pt.

Saldanha ZO, Sá AMM, Santos MNA, Santana ME. O cuidado de enfermagem para a mulher que vivencia câncer de mama com metástase óssea. Enferm Foco [internet]. 2021 [cited 2021 Mar 24]; 11(5):34-9. Available from: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n5.3289.

Neubauer BE, Witkop CT, Varpio L. How phenomenology can help us learn from the experiences of others. Perspect Med Educ [internet]. 2019 [cited 2020 Dez 12]; 8(2): 90–97. Available from: https://doi.org/10.1007/s40037-019-0509-2.

Linhares SRS, Paz, EPA. Tratamento da tuberculose na estratégia saúde da família: olhar do profissional. Enferm Foco [internet]. 2019 [cited 2020 Dez 12];10(5): 179-184. Available from: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n5.2407.

Heidegger M. Ser e tempo. 10ª ed. trad. rev. Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis: Vozes; 2015.

Santos MNA, Sá AMM, Quaresma JAS. Meanings and senses of being a health professional with tuberculosis: an interpretative phenomenological study. BMJ Open [internet]. 2020 [cited 2020 Nov 18];10:e035873. Available from: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2019-035873.

Finnegan S, Bruce J, Seers K. Life after falls prevention exercise - experiences of older people taking part in a clinical trial: a phenomenological study. BMC geriatrics [internet] 2021 [cited 2021 Mar 25];21:91 Available from: https://doi.org/10.1186/s12877-021-02037-9.

Ramos CM, Pacheco ZML, Vargas IMA, Araújo PA. Existential analysis of mothers in the care of their children with Sickle Cell Disease. Rev Bras Enferm [Internet]. 2020 [cited 2021 Jan 09]; 73(Suppl 4):e20180521. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0521.

Cestari VRF, Moreira TMM, Pessoa VLMP, Florêncio RS, Silva MRF, Torres RAM. A essência do cuidado na vulnerabilidade em saúde: uma construção heideggeriana. Rev Bras Enferm [Internet]. 2017 [cited 2020 Abr 10]; 70(5):1112-1116. Available from: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0570.

Azeredo JL. Selbstsorge – Cuidado de si e Fürsorge – Preocupação a partir de Heidegger: Análise ontológica em relação à educação. Rev LENDU [internet]. 2017 [cited 2020 Abr 12];1(1). Available from: http://periodicos.unesc.net/lendu/article/view/3222/2942570.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n6.4866

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.