Percepção da arteterapia como recurso à promoção da saúde mental da equipe de enfermagem hospitalar

Joseli Aparecida Caldi, Marcos Hirata Soares, Júlia Trevisan Martins, Maíra Bonafé Sei, Leilane de Jesus de Martini Lopes Vilar, Maria José Quina Galdino, Aline Aparecida Oliveira Moreira

Resumo


Objetivo: Compreender a percepção da arteterapia para a equipe de enfermagem da área hospitalar. Métodos: Pesquisa descritiva de natureza qualitativa, realizada com seis profissionais de enfermagem de um hospital de pequeno porte. O estudo foi desenvolvido por meio de duas etapas, na primeira implementou-se 10 oficinas de arteterapia realizadas semanalmente, no período de janeiro a março de 2020. A etapa dois, ocorreu cinco meses após o término da primeira e se deu por meio de entrevistas individuais audiogravadas. As falas transcritas foram avaliadas segundo os preceitos da Análise de Conteúdo. Resultados: Desvelaram-se cinco categorias: compartilhando as experiências; despertando para o trabalho em equipe; propiciando momento de relaxar; aprendendo a escutar e a falar e solicitando a continuidade das oficinas. Conclusão: Pela concepção dos participantes a arteterapia se configurou como uma ferramenta capaz de promover a saúde mental. Assim, é uma estratégia intervencionista que pode ser colocada em prática no ambiente laboral dos profissionais de enfermagem.


Texto completo:

PDF

Referências


Santana LL, Sarquis LMM, Brey C, Miranda F M D’A, Felli VEA. Absenteísmo por transtornos mentais em trabalhadores de saúde em um hospital no sul do Brasil. Rev. Gaúcha Enferm. 2016;37(1):e53485.

Assumpção GLS, Oliveira LA, Souza MFS de. Depressão e suicídio: uma correlação. Rev. Pret. 2018;3(5):312-33.

Organização Mundial da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Com depressão no topo da lista de causas de problemas de saúde, OMS lança a campanha “Vamos conversar”. Organização Mundial da Saúde [Internet]. [cited 2021 Feb 23] 2017. Available from: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5385:com-depressao-no-topo-da-lista-de-causas-de-problemas-de-saude-oms-lanca-a-campanha-vamos-conversar&Itemid=839

Ascari RA, Schmitz SS, Silva OM. Prevalência de doenças ocupacionais em profissionais da enfermagem: revisão de literatura. Rev Uningá Review. [Internet]. [cited 2021 Feb 23] 2013;15(2):26-31. Available from: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1449/1065

Soares MH, Martins, JT. O(A) herói(ína) que precisamos ser para enfrentar a pandemia de COVID-19. Adv Nurs Health [Internet]. cited 2021 Feb 23] 2020; 2(2): 1-13. Available from: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/anh/article/view/40128/27721

Ribeiro BGDA Santos SVMD, Silveira SED, Bardaquim VA, Ozanam MAQ, Robazzi MLDCC. Incivilidade no processo de trabalho da enfermagem. Enferm. Foco. 2020; 204-208.

Vidotti V, Ribeiro RP, Galdino MJQ, Martins JT. Síndrome de Burnout e o trabalho em turnos na equipe de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018; 26: e3022.

Reis ACD. Arte terapia: el arte como instrumento en el trabajo del Psicólogo. Psicol. ciênc. prof. 2014;34(1):142-157.

World Health Organization. Mental health. [Internet]. [cited 2021 Feb 23] 2014. Available from: https://www.who.int/features/factfiles/mental_health/en/

Depret OR, Maia EBS, Borba RIH, Ribeiro CA. Saúde e bem-estar: a arteterapia para profissionais de saúde atuantes em cenários de cuidado ambulatorial. Esc. Anna Nery. 2020; 24(1):e20190177.

Bernardo PP. A prática da arteterapia: correlações entre temas e recursos. Temas centrais em arteterapia. 4ª ed. v. 1. São Paulo: Arterapinna Editorial; 2013.

Boal A. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2009.

Gebrim P. A menina, a águia e a torre. Kindle; 2018

Medearis AS. Os sete novelos: um conto de Kwanzaa. São Paulo: Cosac Naify; 2005.

Associação de Arteterapia do Estado de São Paulo. Multifaces da Arteterapia: Textos do II Fórum Paulista de Arteterapia. São Paulo: Associação de Arteterapia do Estado de São Paulo, 2010.

Woolger JB, Woolger RJ. A deusa interior: um guia sobre os eternos mitos femininos que moldam nossas vidas. Cultrix, 2016.

Carvalho B, Kwietniak D. On homeomorphisms with the two-sided limit shadowing property. J Math Anal Appl. 2014;420:801-813.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70; 2016.

Stickley T, Wright N, Slade M. The art of recovery: outcomes from participatory arts activities for people using mental health services. J Ment Health. 2018;27(4):367-373.

Goulart BF, Camelo SHH, Simões ALA, Chaves LDP. Trabalho em equipe em Unidade Coronariana: facilidades e dificuldades. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(3):482-489.

Monteiro DT, Mendes JMR, Beck CLC. Health professionals’ mental health: a look at their suffering. Trends Psychol. 2019;27(4):993-1006.

Mundt MP, Agneessens F, Tuan WJ, Zakletskaia LI, Kamnetz SA, Gilchrist VJ. Primary care team communication networks, team climate, quality of care, and medical costs for patients with diabetes: a cross-sectional study. Int J Nurs Stud. 2016; 58:1-11.

Elias ADS, Tavares CMM, Muniz MPimenta. A interseção entre ser enfermeiro e ser terapeuta em saúde mental. Rev Bras Enferm. 2020; 73(1): 20180134.

Jensen A, Stickley T, Torrissen W, Stigmar K. Arts on prescription in Scandinavia: a review of current practice and future possibilities. Perspect Public Health. 2017 Sep;137(5):268-274.

Schwalbert LS, Gelain D. Arteterapia: do estresse à transcendência. Rev Cient Arteter Cores Vida. 2013; 20(20): 1-45.

Lapão LV, Arcêncio RA, Popolin MP, Rodrigues LBB. Atenção Primária à Saúde na coordenação das Redes de Atenção à Saúde no Rio de Janeiro, Brasil, e na região de Lisboa, Portugal. Ciênc. Saúde Coletiva. 2017;22(3):713-724.

Machado MH, Santos MR, Oliveira E, Wermelinger M, Vieira M, Lemos W et al. Condições de trabalho da enfermagem. Enferm. Foco. 2015; 6(1/4):79-9.

Martin L, Oepen R, Bauer K, Nottensteiner A, Mergheim K, Gruber H, et al. Creative arts interventions for stress management and prevention - a systematic review. Behav Sci. 2018;8(2).

Avelino DC, Silva PMC, Costa LFP, Azevedo EB, Saraiva AM, Filha MOF. Trabalho de enfermagem no centro de atenção psicossocial: estresse e estratégias de coping. Rev Enferm UFSM. 2014; 4(4):718-26.

Maissiat GS, Lautert L, Pai DD, Tavares JP. Work context, job satisfaction and suffering in primary health care. Rev. Gaúcha Enferm. 2015; 36(2): 42-49.

Rodrigues CCFM, Santos VEP. The body speaks: physical and psychological aspects of stress in nursing professionals. Rev Pesqui: Cuid Fundam. 2016;8(1):3587-96.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n6.4887

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.