Desafios para a introdução da CIPE® no ensino de Saúde Coletiva: Relato de Experiência

Michele Dias da Silva Oliveira, Barbara Souza Rocha, Maria Márcia Bachion

Resumo


Trata-se do relato de experiência do ensino da Teoria de Orem e da CIPE® em uma disciplina da área de saúde coletiva na graduação em enfermagem. Estratégias desenvolvidas incluíram exposição oral dialogada sobre a Teoria Geral do Autocuidado e da CIPE® e sua aplicação no cuidado de enfermagem, além da sua utilização no ensino clínico no atendimento a pessoas com hanseníase, diabetes e hipertensão arterial, mediante a realização de consultas de enfermagem supervisionadas e apresentação de estudo de caso. A Teoria de Orem foi facilmente recebida, mas a CIPE® teve resistência inicial, superada ao término das atividades de práticas clínica.

Descritores: Enfermagem em Saúde Comunitária, Terminologia, Vocabulário, Educação em Enfermagem.

Challenges for implementing CIPE® in the Collective Health teaching: Experience Report

This work describes the experience of the teaching of Orem's Theory and CIPE® (International Classification for Nursing Practice) in a subject of the collective health area in the undergraduate course of Nursing. The strategies developed comprised an speech on the General Theory of Self-Care and CIPE® and their application in the nursing care, besides their use in the clinical teaching in the service of people with Hansen's' disease, diabetes, and high blood pressure, through supervised nursing consultations and presentation of case study. The Orem's Theory was easily accepted; however CIPE® was originally seen with some resistance, which was overcome at the end of the clinical practice activities.

Descriptors: Community Health Nursing, Terminology, Vocabulary, Nursing Education.

Desafíos para la introducción de la CIPE® en la enseñanza de Salud Colectiva: Relato de Experiencia

Se trata del relato de experiencia de la enseñanza de la Teoría de Orem y de CIPE® en una disciplina del área de salud colectiva en la graduación en enfermería. Estrategias desarrolladas incluyeron exposición oral dialogada sobre la Teoría General del Autocuidado y de la CIPE® y su aplicación en el cuidado de enfermería, además de su utilización en la enseñanza clínica en la atención a personas con lepra, diabetes e hipertensión arterial, mediante la realización de consultas de enfermería supervisadas y la presentación de estudio de caso. La Teoría de Orem fue fácilmente recibida, pero la CIPE® sufrió resistencia inicial, superada al término de las actividades de práctica clínica.

Descriptores: Enfermería en Salud Comunitaria, Terminología, Vocabulario, Educación en Enfermería.

Texto completo:

PDF

Referências


Santos RS, Paula AFA. O enfermeiro e sua percepção sobre o sistema manual de registro no prontuário. Rev Latinoam Enferm. 2003;11(1):80-7.

Lima CDLHD, Nóbrega MMLD. Nomenclatura de intervenção de enfermagem para clínica médica de um hospital escola. Rev Bras Enferm. 2009;62(4):570-8.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 358, de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados [Internet]. [citado em 01 mai 2012]. Disponível em: http://site.portalcofen.gov.br/node/4384

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 429, de 30 de maio de 2012. Determina que os registros de enfermagem devam contemplar o resumo dos dados coletados, os diagnósticos de enfermagem, as intervenções e avaliação da assistência [Internet]. [citado em 01 ago 2012]. Disponível em: http://site.portalcofen.gov.br/sites/default/files/Res_429_2012_pag1.pdf

Conselho Internacional de Enfermeiros. Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (CIPE®), Versão 2. Tradução Heimar de Fátima Marin. São Paulo: Algo; 2011.

Nóbrega MMLD, Garcia, TR. Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem: instrumento tecnológico para a prática profissional. Rev Bras Enferm. 2009;62(5):758-61.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 159, de 19 de abril de 1993. Estabelece a consulta de enfermagem como atividade profissional do enfermeiro, obrigatória em todas as instâncias de atendimento à saúde da população [Internet]. [citado em 01 mai 2012]. Disponível em: http://site. portalcofen.gov.br/node/424

Orem ED. Modelo de Orem-Conceptos de enfermería en La prática. Barcelona: Masson Itália; 1993.

Diógenes MAR, Pagliuca LMF. Teoria do autocuidado: análise crítica da utilidade na prática da enfermeira. Rev Gaúcha Enferm. 2003;24(3):286-93.

Schaurich D, Crossetti MDGO. Produção do conhecimento sobre teorias de enfermagem: análise de periódicos da área, 1998-2007. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010;14(1):182-88.

Dell’ Acqua MCQ, Miyadahira AMK. Ensino do processo de enfermagem nas escolas de graduação em enfermagem do Estado de São Paulo. Rev Latinoam Enferm. 2002;10(2):185-91.

Lee MB, Brysiewicz P. Enhancing problem solving and nursing diagnosis in year III Bachelor of Nursing Students. Nurse Educ Today. 2009;29:389-397.

Farren A. Na educational strategy for teaching standardized nursing languages. Int J Nurs Terminol Classif. 2010;21(1):3-13.

Gonçalves LRR, Nogueira LT, Nery IS, Bonfim EG. O desafio de implantar a sistematização da assistência de enfermagem sob a ótica de discentes. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007;11(3):459-65.

Yont GH, Khorshid L, Eser I. Examination of nursing diagnoses used by nursing students and their opinions about nursing diagnoses. International journal of nursing terminologies and classification. 2009;20(4):162-168.

Oliva APV, Lopes DA, Volpato MP, Hayashi AAM. Atitudes dos alunos e enfermeiros frente aos diagnósticos de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2005;18(4):361-7.

Andrade JS, Vieira MJ. Práticas assistenciais de enfermagem: problemas, perspectivas e necessidade de sistematização. Rev Bras Enferm. 2005;58(3):261-5.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2013.v4.n1.493

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.