Maternidade atrás das grades

Eveline Franco da Silva, Anna Maria Hecker Luz, Fátima Helena Cecchetto

Resumo


Estudo com objetivo de conhecer as vivências da maternidade em situação de prisão e as condições de saúde infantil no sistema prisional. Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada com oito mulheres que vivenciam a maternidade na Penitenciária Feminina do Rio Grande do Sul. Da análise foram elencadas as categorias: “Eu descobri a maternidade no sistema prisional” e “Ninguém pensa em nada melhor para a gente – saúde, condições para os filhos... isso não vai mudar”. A investigação permitiu desvelar a necessidade de discutir a saúde materno-infantil no sistema penitenciário brasileiro.

Descritores: Saúde Materno-Infantil, Prisões, Mulheres Encarceradas, Assistência à Saúde Materno-Infantil.

Maternity behind bars

This study aims to understand the experience of maternity in a state of prison and child health conditions in prisons. That is a qualitative research carried out with eight women who experience maternity at women's penitentiary in Rio Grande do Sul. The analysis categories were listed: “I found the maternity out in the prison system” and “Nobody thinks of anything better for us – health conditions in favor of children... it will not change”. The investigation reveals the need to discuss the maternal and child health in the Brazilian penitentiary system.

Descriptors: Maternal and Child Health, Prisons, Incarcerated Women, Assistance to Maternal and Child Health.

La maternidad tras las rejas

Este estudio tuvo como objetivo comprender la experiencia de la maternidad en una prisión del estado y las condiciones de salud de los niños en las cárceles. Se trata de una investigación cualitativa realizada con ocho mujeres que experimentan la maternidad penitenciaria en Río Grande do Sul. Las categorías de análisis se incluyeron: “He encontrado maternidad en el sistema penitenciario” y “Nadie piensa en otra cosa mejor para nosotros – salud, condiciones a favor de los hijos... no va a cambiar”. En la investigación revelan la necesidad de discutir la salud materno-infantil en el sistema penitenciario brasileño.

Descriptores: Salud Materno-Infantil, Prisiones, Mujeres Encarceladas, Asistencia a la Salud Materno-Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Portaria Interministerial nº 1777 de 9 de novembro de 2003. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Presidência da República (BR). Lei nº 11942, de 28 de maio de 2009: dá nova redação aos arts. 14, 83 e 89 da Lei nº 7210, de 11 de julho de 1984 – Lei de Execução Penal, para assegurar às mães presas e aos recémnascidos condições mínimas de assistência [Internet]. [citado 2009 Jun 09]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11942.htm.

Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 5ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 2004.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saude Publica. 2008;24(1):17-27.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2004.

Presidência da República (BR). Lei nº 11343, de 23 de agosto de 2006: institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências [Internet]. [citado 2009 Jun 09]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm.

Soares BM, Ilgenfritz I. Prisioneiras: vida e violência atrás das grades. Rio de Janeiro: Garamond; 2002.

Wolff M, Oliveira F, Moraes M, Giugliani S. Mulheres e prisão: a experiência do observatório de direitos humanos da Penitenciária Feminina Madre Pelletier. Porto Alegre: Dom Quixote; 2007.

Presidência da República (BR). Lei nº 8069, 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 16 de julho de 1990.

Presidência da República (BR). Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Grupo de trabalho interministerial – reorganização e reformulação do sistema prisional feminino – 2008. Brasília: [s.n.]; 2008.

Antony C. Mujeres invisibles: las cárceles femeninas en América Latina. Nueva Sociedad. 2007;(208):73-96.

Mello DC. Quem são as mulheres encarceradas? [dissertação]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do RIo Grande do Sul; 2008.

Lima M. Da visita íntima à intimidade da visita: a mulher no sistema prisional [mestrado]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2006.

Badinter E. Um amor conquistado: O mito do amor materno. 5ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1985.

Caminha MFC, Serva VB, Arruda IKG, Batista Filho M. Aspectos históricos, científicos, socioeconômicos e institucionais do aleitamento materno. Rev Bras Saude Matern Infant. 2010;10:25-37.

Fujimori E, Minagawa ÁT, Laurenti D, Montero RMJM, Borges ALV, Oliveira IMV. Duração do aleitamento materno em menores de 2 anos de idade em Itupeva, São Paulo, Brasil: há diferenças entre os grupos sociais? Rev Bras Saude Matern Infant. 2010;10:39-49.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Política de Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de 2 anos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Ferrara P, Emmanuele V, Nicoletti A, Mastrangelo A, Marrone G, Pedote G. Mothers with their babies in prison: the first Italian experience. Arch Dis Child. 2006;92:183-7.

Martin SL, Rieger RH, Kupper LL, Meyer RE, Qaqish BF. The effect of Incarceration during pregnancy on birth outcomes. Public Health Rep. 1997;112:340-6.

Santa Rita RP. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade da pessoa humana [mestrado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2006.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2011.v2.n1.71

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.