OCORRÊNCIA DE FLEBITE EM ACESSO VENOSO

Ane Kássia de Carvalho Barbosa, Kamille Regina Costa de Carvalho, Isabel Cristina Cavalcante Carvalho Moreira

Resumo


Objetivo: analisar a ocorrência da flebite dentre os pacientes internados em um hospital público de Teresina-PI. Metodologia: estudo prospectivo, quantitativo, do tipo descritivo-exploratório em um hospital público, com 187 pacientes que faziam uso de acesso venoso, mediante observação e aplicação de questionário semiestruturado. Resultados: evidenciam considerável predominância do tipo de flebite química 79,1% (148) e de punção do acesso venoso periférico 91,98% (172). Dentre os locais de punção na utilização do acesso venoso periférico ressalta-se a veia braquial 41,71% (78). A correlação entre o grau de flebite e o tipo de flebite apontou o predomínio da flebite de tipo química em todos os graus identificados, respectivamente grau 1 (94) 50,27%, grau 2 (49) 26,20% e grau 3 (5) 2,67%. Conclusão: destaca-se a ausência de um protocolo técnico voltado ao gerenciamento da ocorrência de flebite para manejo e monitorização adequada da segurança do paciente.

Descritores: Flebite; Assistência de Enfermagem; Segurança do Paciente

PHLEBITIS OCCURRENCE IN VENOUS ACCESS

Objective: to analyze the occurrence of phlebitis among patients admitted to a public hospital of Teresina-PI. Methodology: prospective, Quantitative, do descriptive exploratory study performed in public hospital with 187 patients usingvenous access, through observation and application of semi-structured questionnaire. Results: show considerable predominance of the type of chemical phlebitis 79.1% (148) and puncture of peripheral venous access 91.98% (172). Among the puncture sites in the use of peripheral venous access emphasizes the brachial vein 41.71% (78). The correlation between the degree of phlebitis thetype of phlebitis pointed to the predominance of chemical type of phlebitis in all identified degrees respectively grade 1 (94) 50.27%, grade 2 (49) 26.20% and grade 3 (5 ) 2.67%. Conclusion: the study highlights the absence of a technical protocol aimed at managing the occurrence of phlebitis for management and adequate monitoring of Patient Safety.

Descriptors: Phlebitis; Nursing Care; Patient Safety

OCURRENCIA DE FLEBITIS EN EL ACCESO VENOSO

Objetivo: analizar la ocurrencia de flebitis en pacientes ingresados en un hospital público de Teresina-PI. Metodología: estudio prospectivo, cuantitativo, descriptivo y exploratorio en un hospital público con 187 pacientes que utilizan el acceso venoso, a través de la observación y la aplicación del cuestionario semi-estructurado. Resultados: muestran una considerable predominio del tipo de producto químico flebitis 79,1% (148) y perfore el acceso venoso periférico 91.98% (172). Entre los sitios de punción en el uso del acceso venoso periférico hace hincapié en la vena braquial 41,71% (78). La correlación entre el grado de flebitis y el tipo de flebitis señaló el predominio de tipo químico de flebitis en todos los grados, respectivamente, identificados grado 1 (94) 50.27%, grado 2 (49) 26.20% y de grado 3 ( 5) 2,67%. Conclusión: no es la ausencia de un protocolo técnico destinado a la gestión de la aparición de flebitis para la gestión y el seguimiento adecuado de la seguridad del paciente.

Descriptores: Flebitis; Cuidados de enfermería; Seguridad del paciente

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira ASS, Parreira PMSD. Intervenções de enfermagem e flebites decorrentes de cateteres venosos periféricos. Revisão sistemática da literatura. Rev Enferm. Ref. 2010; (2): 137-47.

Danski MTR, Oliveira GLR, Johann DA, Pedrolo E, Vayego SA. Incidência de complicações locais no cateterismo venoso periférico e fatores de risco associados. Acta Paul. Enferm. 2015; 28(6): 517-23.

Nascimento JSA. Infecção de corrente sanguínea relacionada a cateter venoso central na UTI: uma revisão integrativa. Teresina-PI. Monografia- Faculdade Integral Diferencial- FACID/DEVRY. 2014.

Xelegati R, Évora YDM. Desenvolvimento de ambiente virtual de aprendizagem em eventos adversos, em enfermagem1. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011; 19(5): 08 telas.

Magerote NP, Lima MHM, Silva JB, Correia MDL, Secoli SR. Associação entre flebite e retirada de cateteres Intravenosos periféricos. Rev Texto Contexto Enferm. 2011; 20(3): 486-92.

Jacinto AKL, Avelar AFM, Wilson AMMM, Pedreira MLG. Flebite associada a cateteres intravenosos periféricos em crianças: estudo de fatores predisponentes. Rev Esc Anna Nery. 2014; 18(2): 220-6.

Palese A, Cescon F. Eficácia de iodopovidona a 10% de acordo com tempo de secagem antes da inserção do cateter intravenoso periférico: resultados preliminares de um estudo exploratório quasi-experimental. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013; 21(Spec): 06 telas.

Danski MTR, Mingorance P, Johann DA, Vayego SA, Lind J. Incidência de complicações locais e fatores de risco associados ao cateter intravenoso periférico em neonatos*. Rev Esc Enferm da USP. 2016; 50(1): 22-8.

Enes SMS, Opitz SP, Faro ARMC, Pedreira MLG. Flebite associada a cateteres intravenosos periféricos em adultos internados em hospital da Amazônia Ocidental Brasileira*. Rev Esc Enferm da USP. 2016: 50 (2): 263-71.

Milutinovi? D, Simin D, Zec D. Fatores de risco para a flebite: estudo com questionário sobre a percepção dos enfermeiros. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015; 23(4): 677-84.

Abdul-Hak CK, Barros AF. Incidência de flebite em uma unidade de clínica médica. Rev Texto Contexto Enferm. 2014: 23(3): 633-8.

Silva LD, Camerini FG. Análise da administração de medicamentos intravenosos em hospital da Rede Sentinela. Rev Texto Contexto Enferm. 2012; 21(3): 633-41.

Catarino CF, Marins ACDM, Silva APAM, Gomes AVO, Nascimento MAL. Perfil epidemiológico das infecções primárias de corrente sanguínea em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Pesq Cuid Fund. 2012; 5(1): 3229-37.

Duarte ED, Pimenta AM, Silva BCN, Paula CM. Fatores associados à infecção pelo uso do cateter central de inserção periférica em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Esc Enferm da USP. 2013; 47(3): 547-54.

Brachine JDP, Peterline MAS, Pedreira MLG. Método bundle na redução de infecção de corrente sanguínea relacionada a cateteres centrais: revisão integrativa. Rev Gaúcha de Enferm. 2012; 33(4):200-10.

Vilela R, Dantas SRQE, Trabasso P. Equipe interdisciplinar reduz infecção sanguínea relacionada ao cateter venoso central em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Rev Paul de Pediatr. 2010; 28(4): 292-8.

Powell J, Tarnow KG, Perucca R. The relationship between peripheral intravenous catheter indwell time and the incidence of phlebitis. J Infus Nurs. 2008; 31(1):39-45

Uslusoy E, Mete S. Predisposing factors to phlebitis in patients with peripheral intravenous catheters: a descriptive study. J Am Acad Nurs Pract. 2008; 20(4):172-80.

Danski MTR, Johann DA, Vayego SA, Oliveira GRL, Lind J. Complicações relacionadas ao uso do cateter venoso periférico: ensaio clínico randomizado. Acta Paul. Enferm. 2016; 29 (1): 84-92.

Reis PED, Carvalho EC, Bueno PCP, Bastos JK. Aplicação clínica da Chamomilla recutitaem flebites: estudo de curva dose-resposta. Rev Latino-Am Enfermagem 2011; 19(1): 08.

Negri DC, Avelar AFM, Andreoni S, Pedreira MLG.Fatores predisponentes para insucesso da punção intravenosa periférica em crianças. Rev Latino- Am Enfermagem 2012; 20 (6): 1-8.

Urbanetto JS, Rodrigues AB, Oliveira DJ, Dornelles FF, Filho JMR, Gustavo AS, Schilling MCL. Prevalência de flebites em pacientes adultos com cateter venoso periférico. Rev Enferm UFSM 2014; 1(3):334-9.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2016.v7.n2.792

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.