ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: QUE LUGAR É ESSE?

Hosana Ferreira Rates, Marília Alves, Ricardo Bezerra Cavalcante

Resumo


Objetivo: conhecer o Acolhimento com Classificação de Risco (ACCR) como lugar próprio e espaços criados pelos sujeitos. Metodologia: estudo de caso de abordagem qualitativa. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas com 20 enfermeiros e observação assistemática em uma Unidade de Pronto Atendimento, em 2015. Os dados foram submetidos à Análise de Conteúdo Temática. Resultados: o ACCR vai além de um ambiente ou uma postura adotada pelos profissionais, é um lugar próprio, pois é delimitado por normatizações, regras previamente estabelecidas que intentam circunscrever os sujeitos e isolá-los. Além disso, nesse lugar próprio, os espaços são delimitados a partir do caminhar que cada profissional e usuário empreendem no âmbito do ACCR. Cada qual tem o seu fazer, a sua intencionalidade, a sua vivência estimulada por situações que circunstanciam aquele ambiente. Conclusão: o Acolhimento como lugar próprio-espaço deve ser considerado, visando intervenções sobre a sua realidade.

Descritores: Enfermagem em emergência; Triagem; Serviços médicos de emergência

USER EMBRACEMENT WITH RISC CLASSIFICATION: WHAT IS THIS PLACE?

Objective: to know the User embracement with Risk Classification (ACCR) as the proper place and spaces created by the subjects. Methodology: the type is a case qualitative study. There were semi-structured interviews with 20 nurses and no systematic observation in an Emergency Unit, in 2015. The data were submitted to Thematic Content Analysis. Results: it was found that the ACCR goes beyond an environment or posture adopted by professionals, is a proper place it is delimited by norms, rules, previously established that attempt to circumscribe the subject and isolate them. Moreover, in this own place, the spaces are delimited from the walk that every professional and user undertaking under the Emergency Triage. Each one has its making, its intentionality, its experience stimulated by situations which circumstance that environment. Conclusion: the conformation of the triage while own place-space should be considered targeting interventions on their reality.

Descriptors: Emergency nursing; Triage; Emergency medical services

ACOGIMIENTO CON CALIFICACIÓN DE RIESGO: ¿QUÉ ES ESTE LUGAR?

Objetivo: conocer el Acogimiento con Calificación de Riesgo como el lugar proprio y espacios creados por los sujetos. Metodología: estudio de caso cualitativo. Hubo entrevistas semiestructuradas con 20 (veinte) enfermeras y observación no sistemática en un servicio de emergencia en el año 2015. Los datos fueron sometidos a Análisis de Contenido Temático. Resultados: el Acogimiento va más allá de un ambiente o una postura adoptada por los profesionales, es un lugar apropiado, es delimitada por las normas, las reglas establecidas con anterioridad que el intento de circunscribir el sujeto y aislarlos. Por otra parte, este lugar en sí, los espacios están limitados por el caminar de el profesional y usuario en el Acogimiento. Cada uno tiene su hacen, su intencionalidad, su experiencia estimulada por el situaciones que circunstancian ese entorno. Conclusión: acogimiento como el lugar propio en el espacio debe ser considerado con el fin de intervenir sobre su realidad.

Descriptores: Enfermería de urgencias; Triaje; Servicios médicos de urgencia

Texto completo:

PDF

Referências


Vituri DW, Inoue KC, Bellucci Junior JA, Oliveira CA, Rossi RM, Matsuda LM. Acolhimento com classificação de risco em hospitais de ensino: avaliação da estrutura, processo e resultado. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(5): [9 telas].

Versa GLGS, Vituri DW, Buriola AA, Oliveira CA, Matsuda LM. Avaliação do ACCR em serviços de emergência hospitalar. Rev Gaúcha Enferm. 2014; 35(3): 21-8.

Freitas FFB, Matos GSS, Cavalcante AC, Pinheiro MBGN, Sousa MNA. O papel do enfermeiro no serviço de acolhimento e classificação de risco no setor de urgência e emergência Revista Interdisciplinar em Saúde, 2015; 02 (3): 314-33.

Certeau MA. Invenção do cotidiano: artes de fazer. 15 ed. Petrópolis: Vozes; 2014.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Legislação da Saúde. Portaria nº 354, de 10 de março de 2014. Publica a proposta de Projeto de Resolução “Boas Práticas para Organização e Funcionamento de Serviços de Urgência e Emergência”.

Fernandes L, Göttems L. Humanização e ambiência na clínica médica do hospital de base do Distrito Federal. Gestão e Saúde. 2013; 4(3): 38-52.

Pinto Júnior D, Salgado PO, Chianca TC. Predictive validity of the Manchester Triage System: evaluation of outcomes of patients admitted to an emergency department. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012; 20(6): 1041-7.

Raimundo J S, Cadete, M M M. Escuta qualificada e gestão social entre os profissionais de saúde. Acta Paul Enferm. 2012; 25(2): 61-7.

Costa RHS, Couto RO, Silva RAR. Prática clínica do enfermeiro na estratégia de Saúde da Família. Saúde (Santa Maria). 2015: 41(2): 09-18.

Oliveira AM, Lemes AM, Machado CR, Silva FL, Souza MF. Relação entre enfermeiros e médicos em hospital escola: a perspectiva dos médicos. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2010: 10 (2): 433-9.

Santos DS. O cotidiano de um serviço de urgência e emergência nos discursos de usuários e trabalhadores. Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2015.

Caveião C, Hey AP, Montelezi JH, Barros APMM, Sordi JA, Santos SC. Desafios ao enfermeiro na implantação da classificação de risco em unidade mista. Rev Enferm UFSM. 2014: 4(1): 189-96.




DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2016.v7.n2.795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Eletrônico ISSN: 2357-707X

Impresso ISSN: 2177-4285

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.